Planeta: diferenças entre revisões

30 bytes removidos ,  16h14min de 7 de junho de 2015
sem resumo de edição
(→‎Mitologia e nomes: Corrigi um erro de digitação.)
{{ver desambiguação}}
{{Multiple image|direction=vertical|align=right|image1=1e7m comparison Uranus Neptune Sirius B Earth Venus.png|image2=1e6m comparison Mars Mercury Moon Pluto Haumea - no transparency.png|width=300|caption2= Objetos de tamanho planetário em escala: Primeira linha: Urano e Netuno; segunda linha: Terra, estrela anã branca Sirius B e Vênus; linha inferior (reproduzida e ampliada na imagem de baixo) - acima: Marte e Mercúrio; abaixo: Lua, planetas anões Plutão e Haumea.}}
Um '''planeta''' (do grego πλανήτης, forma alternativa de πλάνης "errante"[planí̱ti̱s]) é um corpo celeste que [[órbita|orbita]] uma [[estrela]] ou um remanescente de estrela, com massa suficiente para se tornar esférico pela sua própria [[gravidade]], mas não a ponto de causar [[Nucleossíntese estelar|fusão termonuclear]], e que tenha limpado de [[planetesimal|planetesimais]] a sua região vizinha ([[dominância orbital]]). {{Ref label|A|a|none}}<ref name=IAU>{{cite web|title=IAU 2006 General Assembly: Result of the IAU Resolution votes|url=http://www.iau.org/public_press/news/detail/iau0603/|publisher=International Astronomical Union|year=2006|accessdate=2009-12-30}}</ref><ref name=WSGESP>{{cite web|year=2001|title=Working Group on Extrasolar Planets (WGESP) of the International Astronomical Union| work=IAU|url=http://www.dtm.ciw.edu/boss/definition.html|accessdate=2008-08-23}}</ref>
 
O termo ''planeta'' é antigo, com ligações com a história, ciência, mitologia e religião. Os planetas eram vistos por muitas culturas antigas como divinos ou emissários de deuses. À medida que o conhecimento científico evoluiu, a percepção humana sobre os planetas mudou, incorporando diversos tipos de objetos. Em 2006, a [[União Astronômica Internacional]] (UAI) adotou oficialmente uma resolução [[Redefinição do termo planeta em 2006|definindo planetas]] dentro do [[Sistema Solar]], a qual tem sido elogiada e criticada, permanecendo em discussão entre alguns cientistas.
696

edições