Diferenças entre edições de "Geografia do Brasil"

32 bytes adicionados ,  14h35min de 10 de junho de 2015
m
Correções gramaticais e ortográficas até o tópico "Geomorfologia", exclusive.
m (Correções gramaticais e ortográficas até o tópico "Geomorfologia", exclusive.)
² Segundo Resolução nº 05, de 10 de outubro de 2002 do [[IBGE]].
}}
'''[[Geografia]] do [[Brasil]]''' se refere aos aspectos [[Geografia física|físicos naturais]] do [[país]], localizado na [[América do Sul]], que, com mais de 8,5 milhões de quilômetros quadrados de extensão, é o [[Lista de países e territórios por área|quinto maior]] país do mundo. [[Relevo do Brasil|Seu relevo]] apresenta-se relativamente suave, composto por grandes [[Bacia sedimentar|bacias sedimentares]], das quais destaca-se a [[bacia Amazônica]], cercadascercada por [[planalto]]s de [[altitude]]s moderadas. O [[Lista de picos do Brasil|ponto culminante do Brasil]] é o [[Pico da Neblina]], com {{fmtn|2994|m}} acima do [[nível do mar]]. De forma geral, a [[Geologia|origem geológica]] do território é antiga, cujas formas de relevo suaves são resultados do contínuo [[intemperismo]] dos [[Escudo (geologia)|escudos cristalinos]].
 
Situado na [[zona tropical]], ocorre o predomínio de [[clima]]s quentes em boa parte do território, embora a [[pluviosidade]] varie desde [[Clima equatorial úmido|regiões úmidas]] aao [[Clima semiárido|semiárido]]. No sul do Brasil, onde são registradas as menores temperaturas do país, o clima é [[Clima subtropical|subtropical]]. A abundância de chuvas em boa parte do território favorece a manutenção de uma das maiores [[Hidrografia|redes hidrográficas]] do planeta, colocando o Brasil como principal detentor do potencial hídrico mundial. Grandes [[rio]]s, como o [[Rio Amazonas|Amazonas]], [[Rio São Francisco|São Francisco]], [[Rio Araguaia|Araguaia]] e [[Rio Paraná|Paraná]], são os principais de suas grandes [[Bacia hidrográfica|bacias de drenagem]]. Contudo, eventualmente o país enfrenta problemas dos extremos climáticos, como [[Seca no Brasil|secas]] e [[Inundação|inundações]].
 
O Brasil é banhado pelo [[oceano Atlântico]] a leste, em um [[litoral]] com trechos pouco recortados e com [[Lista de ilhas do Brasil|algumas centenas]] de [[ilha]]s costeiras. Somente cinco [[Ilhas oceânicas do Brasil|conjunto de ilha]]s estão mais afastadas da costa, dentre as quais o arquipélago de [[Fernando de Noronha]] e o [[Atol das Rocas]].
 
A diversidade climática propicia ainda a existência de uma rica [[biodiversidade]], atestada pela alta densidade de [[espécie]]s nos principais [[bioma]]s. Destaca-se a [[Amazônia|Floresta Amazônica]], no norte do país, onde um complexo equilíbrio ecológico proporciona a manutenção da maior [[floresta tropical]] do mundo. Ao longo do litoral, restam somente fragmentos da [[Mata Atlântica]], [[Desmatamento|desmatada]] desde o início da [[Colonização do Brasil|colonização]]. As plantas e animais do [[cerrado]] e da [[caatinga]] adaptaram-se aos [[Seca no Brasil|períodos prolongados de seca]] que comumente atingem a faixa central do país.
{{VT|Evolução territorial do Brasil}}
[[Imagem:BrazilWorldMap.png|thumb|esquerda|275px|[[Localização]] do [[Brasil]].]]
Sendo ocupadaOcupando uma área territorial de {{fmtn|8515767.049|km²}} (com inclusão das águas internas),<ref name="Área">{{citar web|URL=http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/cartografia/default_territ_area.shtm |arquivourl= |arquivodata= |título=Área Territorial Brasileira |autor=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) |data=2010 |acessodata=30 de setembro de 2013}}</ref> o [[Brasil]] é o país de maior extensão da [[América do Sul]]. É ainda o terceiro das [[América]]s e o quinto do mundo: apenas a [[Rússia]], o [[Canadá]], a [[República Popular da China]] e os [[Estados Unidos]] (com [[Alasca]] e [[Havaí]]) são mais extensos.<ref>{{citar web|url=http://www.portalbrasil.net/brasil.htm |arquivourl= |arquivodata= |título=Brasil |autor=Portal Brasil |data=28 de junho de 2010 |acessodata=19 de agosto de 2010}}</ref><ref name="Antuntes93_P7">{{Harvnb|Antunes|1993|p=7}}</ref> Tem tanta vastidão que em seu [[território]] são cabíveis nações de dimensão como a [[Índia]] e a [[Austrália]]<ref name="Antuntes93_P7"/>, e, por ser territorialmente muito extenso, considera-seé considerado um [[país continental]], ou seja, um país cujas dimensões físicas são proporcionalmente [[Continente|continentais]], sendo que seu território é ocupante de 1,7% da superfície do [[globo terrestre]], 5,7% das terras emersas da [[Terra]], 20,8% da superfície do continente americano e 47,3% da superfície da América do Sul.<ref name="Antuntes93_P7"/> Pode encarar-se tanto com positividade quanto com negatividade a condição de país continental, no caso do Brasil. Por um lado, registra-se uma vantagem em relação à dimensão de área física, [[solo]]s, [[clima]]s e potencialidades produtivas diversificadas. Ao mesmo tempo, são enfrentadas [[Problemas sociais do Brasil|dificuldades]] para a integração das populações habitantes da totalidade desse território e para o atendimento às suas necessidades, o que, socialmente, pode ser encarado como desvantajoso.<ref name="Antuntes93_P8">{{Harvnb|Antunes|1993|p=8}}</ref>
 
Ainda assim, o espaço geográfico brasileiro é considerado excepcionalmente privilegiado, já que é quase inteiramente aproveitável, não apresentando [[deserto]]s, [[geleira]]s ou [[cordilheira]]s — as chamadas áreas anecúmenas, que impossibilitam a plena ocupação do território, como ocorre com a maior parte dos países muito extensos da Terra. No Canadá, por exemplo, aparecem algumas áreas desse tipo, como a [[Ilha de Baffin]] e a [[Ilha Ellesmere]], ocupadas por geleiras; nos Estados Unidos, os desertos do [[Arizona]] e do [[Colorado]].<ref name="Antuntes93_P9">{{Harvnb|Antunes|1993|p=9}}</ref> As [[Floresta tropical|florestas equatoriais]], no entanto, também são consideradas áreas anecúmenas por [[geógrafo]]s, uma vez que todas adversidades naturais dificultam a implantação economicamente vantajosa da agricultura e da pecuária, devido ao baixo índice de [[fertilidade]] dos solos e à enorme incidência de [[praga]]s e [[moléstia]]s. Dessa forma, apenas a [[Amazônia]] é uma região em que o aproveitamento ocupacional é limitado, devido às condições adversas da floresta equatorial amazônica.<ref name="Antuntes93_P9"/>
 
* Ao norte, a nascente do [[rio Ailã]], no [[monte Caburaí]], estado de [[Roraima]] (5º 16' de [[latitude]] norte), na fronteira com a [[Guiana]];<ref name="pontos extremos" />
* Ao sul, o [[Arroio Chuí]], no [[Rio Grande do Sul]] (33º 45' de latitude sul), fronteira com o [[Uruguai]];<ref name="pontos extremos" />
* O extremo leste da parte ''continental'' do Brasil é a [[Ponta do Seixas]], em [[João Pessoa]], na [[Paraíba]] (34º 47' de [[longitude]] oeste); porém, os arquipélagos de [[Fernando de Noronha]], [[Atol das Rocas]], [[arquipélago de São Pedro e São Paulo|São Pedro e São Paulo]] e [[Trindade e Martim Vaz]] ficam ainda mais a leste, sendo o extremo leste ''absoluto'' do território brasileiro uma ponta sem nome na Ilha do Sul do arquipélago de Martim Vaz, a cerca de 28° 50' de longitude oeste;<ref name="pontos extremos" />
* A oeste, a [[serra da Contamana]] ou do Divisor, no [[Acre]] (73º 59' de longitude oeste), na fronteira com o [[Peru]].<ref name="pontos extremos" />
O Brasil é uma [[Federação]] constituída pela união indissolúvel de 26 [[Unidades federativas do Brasil|estados-membros]], um [[Distrito Federal (Brasil)|Distrito Federal]] e [[Municípios do Brasil|municípios]], agrupados no interior de [[Regiões do Brasil|cinco regiões]]. Dentre os 26 estados, 17 são litorâneos e nove são interioranos.<ref>[[Constituição brasileira de 1988|Constituição Federal]], artigo primeiro</ref> Existe ainda outra forma de regionalização não oficial criada por especialistas em geografia, na qual o país é dividido em três [[Divisão geoeconômica do Brasil|complexos geoeconômicos]], chamados de [[Região geoeconômica Amazônica do Brasil|Amazônia]], [[Região geoeconômica Nordeste do Brasil|Nordeste]] e [[Região geoeconômica Centro-Sul do Brasil|Centro-Sul]]. Essas regiões não se baseiam em [[fronteira]]s, mas sim em aspectos histórico-econômicos.<ref>{{citar web|URL=http://www.brasilescola.com/brasil/as-regioes-geoeconomicas-brasil.htm |arquivourl= |arquivodata= |título=Regiões geoeconômicas do Brasil |autor=Wagner de Cerqueira e Francisco |publicado=Brasil Escola |acessodata=14 de dezembro de 2014}}</ref> Há cerca de [[Lista de municípios do Brasil|{{fmtn|5570}} municípios]] em todo território nacional, alguns com população maior que a de vários países do mundo (cidade de [[São Paulo (cidade)|São Paulo]] com mais de onze milhões de habitantes), outros com menos de mil habitantes; alguns com área maior do que vários países no mundo ([[Altamira]], no [[Pará]], é quase duas vezes maior que [[Portugal]]), outros com menos de quatro [[Quilómetro quadrado|<span title="Quilômetro quadrado">quilômetros quadrados</span>]].<ref name="Área"/> Os municípios em geral têm como sede a cidade, chamada de distrito-sede na maior parte dos casos em que o território municipal é dividido em [[Distritos do Brasil|distritos]].<ref>{{citar web|URL=http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/11/1369571-pais-tem-269-distritos-em-condicoes-de-separacao-do-municipio-sede.shtml |arquivourl= |arquivodata= |título=País tem 269 distritos em condições de separação do município-sede |autor=Natália Cancian |data=11 de novembro de 2013 |publicado=Folha de S. Paulo |acessodata=14 de dezembro de 2014}}</ref>
 
As divisões políticas têm como objetivo o controle administrativo do território nacional e foram configuradas, cronologicamente, com a implementação das [[donataria]]s, as [[Capitanias do Brasil|Capitanias Hereditárias]] e as [[Províncias do Império do Brasil|Província]]s e, finalmente, os estados e suas atuais divisões em distritos e os municípios. A elaboração da divisão em macrorregiões foi instituída em 1970,<ref>{{citar web|URL=http://teen.ibge.gov.br/mao-na-roda/divisao-politico-administrativa-e-regional |arquivourl= |arquivodata= |título=Divisão politico-administrativa e regional |autor=Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) |acessodata=14 de dezembro de 2014}}</ref> ao mesmo tempo que a disposição da área dos estados do território brasileiro se encontrava praticamente definida; somente [[Mato Grosso do Sul]] e [[Tocantins]] foram criados posteriormente à década de 70. Ainda hoje uma série de [[propostas de criação de unidades federativas do Brasil]] tramita na câmaraCâmara dos deputadosDeputados e no senadoSenado nacionalFederal, embasadas, em geral, no objetivo de dar autonomia às sociedades locais.<ref>{{citar web|URL=http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-418/sn-418-10.htm |arquivourl= |arquivodata= |título=Territorialização e a criação de novos estados no Brasil |autor=Adilar Antônio Cigolini e João Francisco M. M. Nogueira |data=1º de novembro de 2012 |publicado=Scripta Nova |acessodata=14 de dezembro de 2014}}</ref>
 
=== Fusos horários ===
O território brasileiro, incluindo as ilhas oceânicas, possui quatro [[Fuso horário|fusos horários]], todos a oeste do [[meridiano de Greenwich]] (longitude 0º). Em cada faixa de 15º entre pares de meridianos ocorre a variação de uma hora. Isso significa que o horário oficial no Brasil varia de 2 a 5 horas a menos em relação ao [[Tempo Universal Coordenado]] (UTC) — adotado em substituição ao ''[[Greenwich Mean Time]]'' (GMT) em 1986.<ref>{{citar web|URL=http://www.zenite.nu/hora-universal/ |título=Hora Universal |autor=Zênite |data=9 de maio de 2005 |acessodata=10 de janeiro de 2015}}</ref> O primeiro fluxo engloba as ilhas oceânicas (longitude 30º O) e tem 2 horas a menos que a UTC; o segundo (45º O) tem 3 horas a menos ([[UTC−3]]) e é a hora oficial do Brasil (horário de [[Brasília]]), abrangendo o Distrito Federal, Pará, [[Amapá]], Tocantins, [[Goiás]] e as regiões [[Região Sul do Brasil|Sul]], [[Região Sudeste do Brasil|Sudeste]] e [[Região Nordeste do Brasil|Nordeste]]; o terceiro (60º O), que tem quatro horas a menos, inclui Mato Grosso do Sul, [[Mato Grosso]], Roraima, [[Rondônia]] e grande parte do [[Amazonas]]; e o quarto e último fluxo engloba o estado do Acre e uma pequena parte do oeste do Amazonas.<ref>{{citar web|url=http://www.brasilescola.com/brasil/fuso-horario-brasileiro.htm |arquivourl= |arquivodata= |título=Fuso Horário Brasileiro |autor=Wagner de Cerqueira e Francisco |data=2012|publicado=Brasil Escola |acessodata=3 de abril de 2012}}</ref><ref>{{citar web|URL=http://pcdsh01.on.br/fusbr.htm |título=Hora Legal Brasileira |autor=Observatório Nacional (ON) |data=2014 |acessodata=10 de janeiro de 2015}}</ref>
 
Em 2008, um projeto de lei, sancionado pelo então presidente [[Luiz Inácio Lula da Silva]], fez com que o fuso de [[UTC−5]] fosse extinto no país, com sua respectiva região, integrando, a partir de então, o fuso de [[UTC−4]]. Além disso, todo o estado do Pará passou a integrar um único fuso horário, o de UTC−3. Porém, em 2010, realizou-se um [[Referendos no Brasil|referendo]] para a população do Acre e de parte do Amazonas, optando-se então pelo restabelecimento do horário antigo, efetuado oficialmente em 2013. Com isso, o fuso UTC−5 foi retomado, mas o Pará continua a fazer parte integralmente do fuso UTC−3.<ref>{{citar web|URL=http://www.brasilescola.com/brasil/afinal-quantos-fusos-tem-brasil.htm |arquivourl= |arquivodata= |título=Afinal, existem quantos fusos horários no Brasil? |autor=Rodolfo Alves Pena |data=2014 |publicado=Brasil Escola |acessodata=12 de setembro de 2014}}</ref>
 
==== Horário de verão ====
144

edições