Diferenças entre edições de "Via Giulia"

4 bytes adicionados ,  01h20min de 9 de julho de 2015
A ''Via Giuli'' foi projetada pelo [[papa Júlio II]], mas seu plano foi executado apenas em parte. Foi a primeira tentativa, desde a [[antiguidade clássica|Antiguidade]], de tentar atravessar uma nova via pelo coração de Roma e o primeiro exemplo europeu de uma [[renovação urbana]]. A ''Via Giulia'' liga a [[Ponte Sisto]] até a igreja ''[[San Giovanni dei Fiorentini]]'' seguindo uma curva fechada do [[Tibre]]. O local rapidamente caiu nas graças dos ricos romanos e da comunidade [[Florença|florentina]]. Atualmente, é uma das ruas comerciais de elite em Roma, apreciada principalmente por seus [[antiquário]]s.
 
Ela corre por um quilômetro inteiro em linha reta, uma característica inovadora para a época e facilmente ignorada atualmente. Sua história começa em 1508 como uma pequena parte do amplo programa de Júlio II para renovar Roma, cujo objetivo era estabelecer uma [[monarquia absoluta]] nos [[Estados Papais]] capaz de assumir seu lugar entre os poderes europeus. Já no primeiro ano de seu [[pontificado]], Júlio procurou livrar o papado de sua dependências das grandes famílias nobres romanas (como os [[Orsini]] e os [[Colonna]]) e, para isto, buscou financiamento entre os banqueiros [[Toscana|toscanos]], principalmente o [[Siena|sienense]] [[Agostino Chigi]]. Uma parte do plano de Júlio era a reorganização do centro medieval de Roma. O objetivo da nova via era ser uma artéria de ligação entre todas as instituições governamentais, apinhadas num único trecho: o ''[[Palazzo della Cancelleria]]'', completado na mesma época, a [[casa da moeda papal]] e o planejado ''[[Palazzo dei Tribunali]]''.
 
O traçado da rua foi colocado a cargo de [[Donato Bramante]], que também era o responsável pela nova [[Basílica de São Pedro]], que estava sendo construída do outro lado do rio. [[Giorgio Vasari|Vasari]] afirma que ''"o papa estava determinado a construir na 'strada Giulia', que estava sob o comando de Bramante, todos os escritórios e sedes administrativas do poder de Roma em um único local, para a conveniência dos que tinham negócios a resolver ali, algo que até então era uma grande inconveniência<ref>"Si risolvè il papa di mettere in Strada Giulia, da Bramante indirizzata, tutti gli uffici e le ragioni di Roma in un luogo, per la comodità ch'ai negoziatori avria recato nelle faccende, essendo continuamente fino allora state molto scomode" (Vasari, ''[[Vite|Vita]]'' de Bramante)</ref>.