Abrir menu principal

Alterações

10 120 bytes adicionados, 22h16min de 29 de julho de 2015
+trad FR
{{ver desambig|o jogo|Carcassonne (jogo de tabuleiro)}}
{{Info/Comuna da França
|nome =CarcassonneCarcassona
|imagem nomefr =Burg von Carcassonne.jpg
|legendaimagem =Burg =Cidadelavon Carcassonne.jpg
|escudo legenda =BlasonCidadela Carcassonne 11.svg
|escudo =Blason Carcassonne 11.svg
|gentílico =''carcassonnais''
|latd=43 |latm=13 |latNS=N
|longd=2 |longm=21 |longEW=E
|área =65.08
|população =47068
|densidade =
|altitude =100
|altitude_min =81
|website ={{URL|http://www.carcassonne.org}}
}}
'''Carcassonne''' ou, na sua forma portuguesa, ({{langx|oc|'''Carcassona'''}}, grafia também usada em português)<ref name=ixav /> é uma [[comuna francesa]] do [[departamentos da França|departamento]] de [[Aude]] na [[regiões da França|região]] do [[Languedoque-Rossilhão]]. {{Pop comuna francesa2|11069|65.08}} Em 2009, residiam na {{ilc|área urbana|Área urbana (França)|lk=área metropolitana}} {{formatnum:96420}} pessoas.
 
A cidade situa-se numa região povoada desde o [[Neolítico]], na planície do [[rio Aude|Aude]], na encruzilhada de dois importantes eixos de circulação, usados desde a [[Pré-história]], que ligam o [[Oceano Atlântico|Oceano Atlântico]] ao [[Mar Mediterrâneo|Mediterrâneo]] e o [[Maciço Central]] francês aos [[Pireneus|Pirenéus]]. Encontra-se 90&nbsp;[[Quilômetro|quilómetros]] a sudeste de [[Toulouse]], 60&nbsp;km a oeste de [[Narbona]] e cerca de 70&nbsp;km a oeste da costa mediterrânica. É conhecida pela sua [[Cidadela de Carcassonne|cidadela]], construída {{ca.|890–910}}, para defesa contra os ataques dos [[normandos]] e inscritas na lista do [[Património Mundial]] desde 1997.<ref name=pm />
 
Carcassonne encontra-se 90&nbsp;[[quilómetro]]s a [[sudeste]] de [[Toulouse]], 60&nbsp;km a oeste de [[Narbona]] e cerca de 70&nbsp;km a oeste da [[Mar Mediterrâneo|costa mediterrânica]], entre os [[Pirenéus]] e o [[Maciço Central]] francês. Está na encruzilhada de duas vias terrestres em uso desde a [[Antiguidade]]: a ligação do [[Oceano Atlântico|Oceano Atlântico]] para o Mediterrâneo e a ligação do Maciço Central a [[Espanha]], à volta dos Pirenéus. A cidade é conhecida pela sua [[Cidadela de Carcassonne|cidadela]], construída {{ca.|890–910}}, para defesa contra os ataques dos [[normandos]] e inscritas na lista do [[Património Mundial]] desde 1997.<ref name=pm />
 
== Geografia ==
=== Localização ===
CarcassonneCarcassona situa-se no sul de França, na região natural conhecida como o Carcassès ou o Carcassonnais, uma planície limitada pela [[Montanha Negra]] a norte, o {{ilc|maciço das Corbières||Corbières (região)|Corbières (montanhas)}} a leste, a planície do [[Lauragais]] a oeste e o vale do Aude a sul.
 
Em termos [[Geologia|geológicos]], planície é constituída por [[Depósito sedimentar|depósitos]] recentes trazidos pelo Aude e provenientes dos Pirenéus. Esses depósitos são chamados [[molassa]] de CarcassonneCarcassona, a qual se carateriza por uma alternância de [[arenito]], [[conglomerado]]s e [[marga]]s arenosas fluviais datadas do [[Eoceno]].
 
A cidade é cruzada por três cursos de água: o [[rio Aude]], o {{ilc|Fresquel||Rio Fresquel}} e o [[canal do Midi]].
{{Tab-rosa-dos-ventos
|titulo =Comunas limítrofes de CarcassonneCarcassona
|no =[[Pennautier]] • [[Pezens]]
|n =[[Villemoustaussou]]
|ne =[[Villalier]] • [[Villedubert]]
|e =[[Berriac]] • [[Trèbes]]
|se =[[Montirat (Aude)|Montirat]] • [[]]
|s =[[Cavanac]] • [[Cazilhac (Aude)|Cazilhac]] • [[Palaja]]
|so =[[Lavalette (Aude)|Lavalette]] • [[Roullens]] • [[Alairac]]
A comuna é tradicionalmente dividida em duas, a cidade baixa, que ocupa as margens do rio Aude a ocidente, e a cidade alta (ou ''cité''; cidadela), que ocupa a colina debruçada sobre o Aude. A cidadela ocupa uma pequena [[Mesa (geografia)|meseta]] formada pela erosão do Aude, a cerca de 150&nbsp;metros de altitude. A cidade baixa situa-se ao nível do Aude, a 100&nbsp;metros de altitude.<!--14-->
 
O Aude chega a CarcassonneCarcassona depois do seu périplo montanhoso nas [[Garganta (geografia)|gargantas]] do vale alto do Aude, no maciço do Carlit (parte dos Pirenéus). À sua passagem pela cidade já é um rio mais calmo, que passa na zona de Païcherou, ao longo do cemitério de Saint-Michel, e depois divide-se em dois braços formando a chamada "ilha do Rei". Há quatro pontes sobre o Aude: a Ponte Garigliano, a Pont-Vieux (Ponte Velha), acessível só a peões, a Pont Neuf (Ponte Nova) e a Pont de l'Avenir (Ponte do Futuro). O canal do Midi passa igualmente na cidade entre a [[estação ferroviária]] e o jardim [[André Chénier]], ao lado da ''bastide''<ref name=bastide group=nt /> Saint-Louis.
 
=== Clima ===
A [[estação meteorológica]] de CarcassonneCarcassona-Salvaza mede quotidianamente vários parâmetros meteorológicos desde 1948,<!--3--> mas há registos de medições regulares desde 1849, que se devem à colocação de um [[Pluviômetro|pluviómetro]] por iniciativa de Don de Cépian, um engenheiro do [[departamentos da França|departamento]].
 
Segundo a [[classificação climática de Köppen-Geiger]], o clima de CarcassonneCarcassona é do tipo Cfa, [[Clima subtropical úmido|subtropical húmido]], uma ocorrência invulgar na França metropolitana, onde o clima fora das zonas altas é maioritariamente do tipo Cfb ([[Clima oceânico|oceânico]] ou Csa ([[Clima mediterrânico|mediterrânico]]).
 
O verão é relativamente quente e seco, principalmente em julho; o outono e inverno são amenos, com [[geada]]s e gelo relativamente raros. As chuvas repartem-se de forma mais ou menos equitativa entre os meses de outubro e maio. As [[Precipitação (meteorologia)|precipitações]] mais intensas ocorrem no outono, no mês de outubro, e na primavera, no mês de abril. As chuvas de verão ocorrem geralmente sob a forma de trovoadas, por vezes violentas e com [[granizo]], que são desastrosas para as [[vinha]]s abundantes na região. Em média ocorrem anualmente 19 [[trovoada]]s e 14 dias de [[nevoeiro]]. Neva ocasionalmente, em média sete dias por ano, entre dezembro e março. Durante o inverno de 2009/2010, a neve cobriu o solo durante 15 dias, o que não acontecia há mais de meio século. A 13 de janeiro a espessura da neve atingiu os 40&nbsp;cm.<!--4--> Há notícias de que no inverno de 1913/1914 a neve teria atingido um metro de altura, mas os registos são incertos.
 
O recorde de temperatura máxima (41,9[[Grau Celsius|°C]]) foi registado em 13 de outubroagosto de 2003 e o de temperatura mínima (-15,2°C]) ocorreu em 4 de fevereiro de 1963. Durante alguns invernos mais frios, como foi o caso dos de 1956, 1963, 1985 e 2012, o [[índice de resfriamento]] pode chegar a baixar aos -20°C ou até -25°C devidos aos ventos fortes de noroeste. A área é muito ventosa, registando-se anualmente em média mais de 117 dias com ventos superiores a 55&nbsp;km/h. Os ventos dominantes são de leste, marítimos e de oeste, estes chamados de [[CetsCers (vento)|Cers]]. A [[Insolação atmosférica|insolação]] é elevada, superior a {{formatnum:2190}} horas por ano no período 1961—1990.
 
Entre as ocorrências meteorológicas excecionais destacam-se várias [[Enchente|cheias]] do AUde em 1872, 1875 e 1891. Nestas últimas, as águas subiram oito metros, inundando toda a parte baixa da cidade.<!--5--> Em agosto de 2012 CarcassonneCarcassona foi fustigada por um [[tornado]] que provocou grandes estragos, como [[plátano]]s quebrados, telhados destruídos, etc.
{{Clima de Carcassonne}}
<!----- AINDA NÃO TRADUZIDOS:
*Relevé météorologique de Carcassonne
*Voies de communication et transport
 
---->
== Urbanismo ==
=== Morfologia urbana ===
Os dois bairros mais importantes são a cidadela ou cidade alta e a ''bastide'' ou cidade baixa. Ambos são ligados pelo bairro da Trivalle, onde se situa a Ponte Velha que cruza o Aude.<!--15--> A cidadela ergue-se sobre um promontório elevado e é rodeada por espessas [[muralha]]s desde a [[Idade Média]]. O habitat urbano da cidadela é dense e antigo, e a circulação automóvel é difícil, regulamentada e interdita nos meses de julho e agosto. A cidade baixa é uma antiga ''bastide''{{<ref label2|a}}name=bastide group=nt /> com planta regualr em hexágono cujos ângulos são flanqueados por [[Baluarte|bastiões]]. As ruas cruzam-se em ângulo reto e organizam-se em volta de uma praça central, a Praça Carnot. Em volta do conjunto da ''bastide'' há um ''[[boulevard]]'' que segue o percurso das antigas muralhas, destruídas em 1764 por ordem do bispo Armand Bazin de Bezons. Ao contrário das ruas da ''bastide'', o ''boulevard'' é largo e aberto. Em muitas das ruas da ''bastide'' está interdito o trânsito automóvel.
 
Os outros bairros importantes da cidade são: La Conte et Joliot-Curie, Ozanam et Saint-Saëns, Saint-Georges, le Viguier, Saint-Jacques, la Cité Fleming, Grazailles-la Reille, la Cité la Prade, la Cité Albignac, le Palais, Gambetta, le Plateau, les Capucins, Bellevue e Pasteur. Na comuna há numerosas pequenas localidades rurais {{langp|fr|''hameaux''|nome}}, como Montlegun, Montredon, Grèzes, Herminis, Maquens e Villalbe.
 
=== Habitação ===
Em 2007 Carcassona tinha {{formatnum:25632}} [[Casa|fogos]], a maioria deles construídos antes de 1990 — em 1999 só 8,9% das residências principais (primeira residência) eram posteriores a 1990 e as anteriores a 1949 representavam 29,2% do total. 86,6% das casas eram residências principais, 51,3% individuais e 47,8% apartamentos. 48% dos habitantes eram donos das casas onde residem; 49,8% eram [[Arrendamento|arrendatários ]] e 2,2% tinham alojamento gratuito.<!--16--><!--17-->
 
Em 2013 a cidade respeitava as disposições legais vigentes em França sobre solidariedade social e renovação urbana que determinam que nas comunas mais importantes a percentagem de [[habitação social]] deve ser pelo menos 20% do total. Em 1999, 9,4% do parque habitacional da cidade estava desocupado. Em 1998 o gabinete de HLM (habitação de renda controlada){{
NotaNT|
1=HLM é a sigla em francês de ''"[[habitation à loyer modéré]]"'' ("habitação de renda controlada"), um sistema que incentiva, mediante organizações públicas ou subsídios a privados, a construção de habitação de baixo custo.
}} do governo do departamento de Aude participava em programas de melhoramento de habitações construindo casas que integravam [[domótica]]. Os prédios "l'étoile" e "Roosevelt" de Carcassona foram as primeiras construções HLM desse tipo em França.<!--19--> A maior parte das habitações sociais encontram-se nos bairros do Viguier e de La Conte. Os seus residentes são maioritariamente imigrantes ou descendentes de imigrantes.
 
A maior parte das residências tinha quatro divisões (62,4%); as de três divisões representavam 18,8%, as de duas 13,5% e os estúdios 5,3%. A cidade tem numerosas residências de dimensões relativamente grandes devido a não haver restrições no espaço imobiliário e à pouca procura por alojamentos de pequena dimensão.<!--20--><!--21--> A maior parte das casas têm boas infraestruturas, como aquecimento central (89,9%), garagem individual, partilhada (''box'') ou parque de estacionamento (57,4%).
<!----- NÃO TRADUZIDO:
Projets d’aménagement
 
---->
== Toponímia ==
O primeiro [[Toponímia|topónimo]] conhecido da cidade é ''Carcasso''. [[Plínio, o Velho]] ({{DC|século I|n}}) cita esse nome, ou mais precisamente ''Carcaso Volcarum Tectosage'', mas aparentemente o nome já existia no {{AC|século VI|n}}<!--23--> O nome em {{ling|oc}} (Carcassona) deriva diretamente da forma [[Latim|latina]]. Os [[francos]], que tomaram a cidade aos [[sarracenos]] no {{séc|VIII}}, chamaram à cidade Karkashuna. Outros nomes conhecidos são Carcasona e Carcassione.<!--26-->
 
;Lenda da origem do nome
Segundo uma lenda local, o nome da cidade data do início do {{séc|IX}}, quando estava nas mãos dos sarracenos. A lenda reza que [[Carlos Magno]] [[Cerco|cercou]] a cidade, mas a governante local, a [[Dama Carcas]] resistiu tenazmente. Os dois exércitos tinham poucos mantimentos e os soldados ficaram famintos. Quando não restava mais do que uma medida de trigo e um pequeno porco na cidade, a Dama Carcas teve uma ideia para desmoralizar os inimigos
 
O porco foi alimentado com o trigo e depois foi lançado por cima das muralhas para os sitiantes. Pensando que a cidade tinha ainda muitos mantimentos, Carlos Magno levantou o cerco. Nesse momento, a Dama Carcas fez soar as [[trompeta]]s, o que fez o imperador franco voltar atrás e a Dama Carcas propôs-lhe então a paz. Daí vem a expressão ''"Carcas sonne"'' (lit: "Carcas soa").
 
Historicamente, a reconquista das terras do Languedoque ocorreu durante o reinado do pai de Carlos Magno, [[Pepino, o Breve]], em meados do {{séc|VIII}}, quando Carlos era adolescente, pelo que é pouco provável que tivesse comandado um cerco a Carcassona.
 
== História ==
A história de Carcassona está intimamente ligada á sua cidadela. Só em 1247 é que a cidade se expandiu de facto para fora da cidadela, com a criação da ''bastide''<ref name=bastide group=nt /> Saint-Louis, primeiro núcleo da chamada cidade baixa. A sul da cidadela havia cinco castelos-fortaleza — de Termes, d'Aguilar, de Quéribus, de Peyrepertuse e de Puilaurens — conhecidos como os "cinco filhos de Carcassona" que defendiam a passagem do [[Languedoque]] contra os espanhóis e cujas ruínas ainda subsistem.
 
=== Origens ===
[[Imagem:Hache Carcassonne Global Fond.jpg|thumb|Machado de pedra polida do [[Neolítico]] em [[nefrita]] encontrado em Carcassona e atualmente no [[Museu de Toulouse]]]]
 
O local onde se situa a cidade já era habitado no [[Neolítico]], como é atestado por objetos encontrados, dos quais o mais célebre é um machado de pedra polida em nefrita que pertenceu ao [[Mineralogia|mineralogista]] [[Alexis Damour]] {{nwrap||1808|1902}} e que se encontra no [[Museu de Toulouse]].
 
Ali existiu desde cedo um sítio [[Proto-História|proto-histórico]] muito ativo situado junto ao rio ''Atax'' (o Aude), a que [[Plínio, o Velho]] se refere com o nome de "''Carcasum'' dos {{ilc|Volca Tectosages||Volcae Tectosages|Volques Tectosages}}".<!--24-->{{
NotaNT|
1=Os Volca Tectosages eram um povo [[Celta|celta]] da Gália.
}} Esse povoado original situava-se no planalto onde passa atualmente a [[autoestrada]]
A61. Por razões que se desconhecem, no {{AC|século VI|n}} o povoado foi transferido para o local onde se ergue atualmente a cidadela. No fim do {{AC|século II|n}} o local, povoado por Volca Tectosages, era já um [[ópido]] com [[fosso]]s e habitações [[Gauleses|gaulesas]], de que os [[Roma Antiga|romanos]] se apossaram e fortificaram em {{AC|118|n}}
 
Ao romanos seguiram-se os [[Reino Visigótico|visigodos]], no {{DC|século V|n}},<!--2--> e os [[sarracenos]] no {{séc|VIII}}, que ali permaneceram durante cerca de 30 anos antes de serem rechaçados pelos [[francos]].<!--26--> Após a dissolução do [[Império Carolíngio]] no final do {{séc|IX}}, iniciou-se a [[Feudalismo|época feudal]], ficando Carcassona sob o domínio da [[Casa de Trencavel|família Trencavel]], que governou a cidade como uma dinastia entre os séculos XI e XIII. Carcassona prosperou durante essa época e tornou-se um local estratégico de primeira importância no Languedoque.
 
=== Idade Média ===
O [[catarismo]] teve muitos adeptos em Carcassona. Os cátaros foram protegidos pelo visconde {{ilc|Raimundo Rogério Trencavel||Raimundo Roger Trencavel|Raimond-Roger Trencavel}} {{nwrap||1185|1209}}, o que fez com que a cidade fosse considerada terra de [[heresia]] pelo [[papa]] e consequentemente um dos alvos da [[Cruzada Albigense]], liderada primeiro pelo legado papal {{ilc|Arnaldo Amalrico||Arnaldo Amalarico|Arnaud Amaury}} e depois por [[Simão de Monforte]]. Em agosto de 1209, o exército de [[cruzados]] sitiou Carcassona. Os dois [[burgo]]s caíram rapidamente, tendo sido prontamente destruídos e incendiados. As muralhas e fortificações da cidadela resistiram aos atacantes, mas Trencavel descurou a defesa dos pontos de abastecimento de água situados fora das muralhas porque acreditava que os sitiados seriam socorridos rapidamente, pelo que a sede e a fome obrigaram o visconde de Carcassona a capitular ao fim de duas semanas de cerco. Trencavel foi preso e morreu pouco depois.<!--27-->
 
Após a tomada da cidadela, as terras dos Trencavel foram dadas a um dos barões do norte, o célebre Simão de Monforte. O filho deste e sucessor do viscondado de Carcassona, {{ilc|Amalrico&nbsp;VI|Amalrico VI de Monforte|Amalrico VI de Montfort|Amaury VI de Montfort}}, doou depois as suas terras ao rei de França, que as integrou no domínio real em 1224.<!--28--> Em 1234 foi instalado na cidade um tribunal da [[Inquisição]].Em 1240, {{ilc|Raimundo&nbsp;II Trencavel|Raimundo II Trencavel|Raimundo Trencavel II|Raimond II Trencavel}}, filho de Raimundo Rogério, liderou uma tentativa de revolta dos carcassonenses, o que levou o rei [[Luís IX de França|São Luís]] a perseguir a população da cidade, que foi depois autorizada a estabelecer-se na outra margem do Aude, onde foi fundada uma nova cidade. Foi então criada uma ''bastide'' por baixo da cidadela, tornando Carcassona uma cidade bicéfala onde cresceu uma rivalidade feroz entre a cidadela e a nova cidade baixa, tanto em termos sociais como em termos económicos. A ''bastide'' Saint-Louis prosperou gradualmente a ponto de ultrapassar a cidadela, que acaba por perder todo o poder e influência política.
 
Em 1248 a cidade baixa foi dotada de um consulado (governo municipal autónomo). A cidade passou então a ser governada por seis cônsules com a ajuda dos notáveis locais. No {{séc|XIV}}, a cidade era o principal centro de produção têxtil de França, que usava como matéria prima a [[lã]] proveniente dos rebanhos da [[Montanha Negra]] e das {{ilc|Corbières|Maciço das Corbières|Corbières (região)|Corbières (montanhas)}}. Os têxteis eram exportados para os grandes entrepostos comerciais da época, como [[Constantinopla]] e [[Alexandria]].<!--30-->
 
Em 1348 a [[Peste negra|peste]] assolou Carcassona e o resto do país pela primeira; a epidemia foi recorrente até ao século seguinte. No mesmo período, a [[Guerra dos Cem Anos]] provoca numerosos danos. O [[Eduardo, o Príncipe Negro|Príncipe Negro]] devastou a cidade baixa pelo fogo em 1355, mas poupou a cidadela, devido ao facto de que um cerco vitorioso seria muito longo e atrasaria as suas [[Pilhagem|pilhagens]].<!--31--> A ''bastide'' foi parcialmente reconstruída (apenas metade) e fortificada em 1359. A indústria de tecidos de lã foi também reiniciada e desenvolveu-se. Apesar de Carcassona nunca ter sido visitada pelo rei {{lknb|Luís|XI|de França}} {{nwrap|r.|1461|1483}}, este confirmou os privilégios da cidade e não hesitou em defendê-la em março de 1462.<!--32--><!--33--><!--34-->
<!-------
Du XVIe au XVIIIe siècle...
Le reste de la ville est découpé en quartiers...
-->
== Universidade ==
* [[École nationale de l'aviation civile]]
 
== Notas e referências ==
{{Refbegin}}
{{Tradução/ref|fr|Carcassonne|116222641}}
{{reflist|group=nt|refs=
{{note label2|a|''Bastide'' é a designação em francês de umas quantas centenas de novas povoações fundadas nos séculos XIII e XIV, principalmente no sudoeste de França, com características urbanísticas próprias.}}
 
{{Reflist|refs=
{{note<ref label2|a|name=bastide group=nt>''"Bastide"'' é a designação em francês de umas quantas centenas de novas povoações fundadas nos séculos XIII e XIV, principalmente no sudoeste de França, com características urbanísticas próprias.}}</ref>
 
}}
{{Refend}}
 
{{Referências|refs=
 
<ref name=ixav>{{Citar livro|titulo=Topónimos e Gentílicos|ultimo=Fernandes|primeiro=Ivo Xavier|editora=Editora Educação Nacional, Lda.|volume=I|local=Porto|ano=1941}}</ref>
 
{{Citar whc.unesco list|ref=pm|345|Cidade fortificada histórica de CarcassonneCarcassona|29 de julho de 2015}}
 
}}<!--fim refs-->
{{Refend}}
 
{{Commonscat|Carcassonne|Carcassona}}
{{Relação PM|nome=Carcassona|A cidade de|inclui o|Cidadela de Carcassonne{{!}}Cidade fortificada histórica de CarcassonneCarcassona|Carcassonne-vignes.jpg}}
{{Portal3|França}}
{{esboço-geofr}}