Abrir menu principal

Alterações

409 bytes removidos ,  03h01min de 15 de agosto de 2015
retirando alusão ao reconhecimento uruguaio, que não tem fontes; retirando menção ao "deflagar o estado", expressão sem sentido
|nome_completo = República Rio-Grandense
|nome_comum = República Rio-Grandense
|estatuto = Paísestado não-reconhecido pelo [[Uruguai]]
|estatuto_texto = País reconhecido pelo [[Uruguai]]
|ano_início = 1836
|ano_fim = 1845
|lema_nacional = Liberdade, Igualdade, Humanidade
}}
A '''República Rio-Grandense''', também conhecida como República de Piratini, foi um [[país]] reconhecido.{{Carece de fontes}} Formado na [[região sul do Brasil|região sul do]] [[Brasil]], deflagrando o atual [[Unidades federativas do Brasil|estado]] [[brasil]]eiro do [[Rio Grande do Sul]], sendo a mais longa revolta brasileira da qual se tem conhecimento, e, portanto, a mais longa do [[Império do Brasil]] (1822-89) – o nome oficial do [[Estado brasileiro]] à época<ref>{{Citation | contribution = A República | title = Movimento Gaúcho Independente | url = http://movimentogauchoindependente.blogspot.com/search/label/A%20Rep%C3%BAblica | publisher = Google | format = blogue}}.</ref>. Foi proclamada em [[11 de setembro]] de [[1836]], pelo general [[Antônio de Sousa Neto]], como consequência direta da vitória obtida por forças oligárquicas gaúchas na [[Batalha do Seival]] (1836), durante a [[Revolução Farroupilha]] (1835-45). No entanto, o objetivo inicial nunca foi proclamar um país próprio, e, portanto, separado do [[Estado brasileiro]], mas sim mostrar ao Império do Brasil que as [[oligarquia]]s gaúchas estavam insatisfeitas com os altos impostos.
 
A '''República Rio-Grandense''', também conhecida como República de Piratini, foi um [[paísEstado-nação]] não-reconhecido.{{Carece deformado fontes}}no Formado na [[regiãoextremo sul do Brasil|região sul[[Império do]] [[Brasil]], deflagrandoem oterritório equivalente ao atual [[Unidades federativas do Brasil|estado]] [[brasil]]eiro do [[Rio Grande do Sul]],. O período constituiu sendo a mais longa revolta brasileira da qual se tem conhecimento, e, portanto, a mais longa do [[Império do Brasil]] (1822-89) – o nome oficial do [[Estado brasileiro]] à época<ref>{{Citation | contribution = A República | title =- Movimento Gaúcho Independente | url = [http://movimentogauchoindependente.blogspot.com/search/label/A%20Rep%C3%BAblica | publisher = Google | format = blogue}}.]</ref>. Foi proclamada em [[11 de setembro]] de [[1836]], pelo general [[Antônio de Sousa Neto]], como consequência direta da vitória obtida por forças oligárquicas gaúchas na [[Batalha do Seival]] (1836), durante a [[Revolução Farroupilha]] (1835-451845). No entanto, o objetivo inicialprincipal nunca foi proclamar um paísestado-nação próprio, e, portanto, separado do [[Estado brasileiro]], mas sim mostrar ao Império do Brasil que as [[oligarquia]]s gaúchas não estavam insatisfeitasnem um pouco satisfeitas com os altos impostos.
O [[Uruguai]], através de tratado de cooperação mútua, reconheceu a [[legitimidade]] desta república.
 
A [[bandeira]] oficial da República Rio-Grandense era composta pelas cores [[verde]], [[amarelo]] e [[vermelho]]. Há duas versões para o motivo da composição da bandeira: uma versão explica que seriam as cores-[[símbolo]]s do [[Brasil]], o [[verde]]-[[amarelo]], com o [[vermelho]], que simboliza a [[república]], entrecortando as mesmas; outra versão explica que o verde representava a mata dos pampas, o vermelho o ideal revolucionário, e o amarelo as riquezas do território gaúcho; e uma outra versão diz tratar-se o verde da bandeira [[Portugal | portuguesa]] e o amarelo da bandeira [[Espanha|espanhola]] (respectivamente, o mais importante [[colonizador]] e o segundo mais importante colonizador do território do estado do Rio Grande do Sul), entrecortados pela listra vermelha em vertical que seria símbolo de [[federação]] na região [[Rio da Prata|platina]] desde a época de [[José Gervásio Artigas]] (1764-1850). No entanto, o verde só seria adicionado à [[bandeira]] portuguesa em 1910, 65 anos depois do término da Revolução Farroupilha, o que descarta esta última versão. Da mesma forma, a atual [[bandeira do estado do Rio Grande do Sul]] vem a ter as mesmas cores, tendo sido adicionado o [[brasão]] da República Rio-Grandense no meio da bandeira.
 
==Reconhecimento entre os povos==
O [[Uruguai]], através de tratado de cooperação mútua, reconheceu a legitimidade da república. As [[Províncias Unidas do Rio da Prata]] à época estavam sendo unificadas pelo ditador [[Juan Manuel de Rosas]] e tentavam recuperar o território uruguaio ([[Guerra Grande]]), não afastando também a possibilidade de ''auxílio'' aos separatistas riograndenses. [[Juan Manuel de Rosas]], o ditador argentino, ofereceu apoio para que [[David Canabarro]] continuasse a luta.<ref>{{Citation | url = http://www.ahimtb.org.br/dcanabarro.htm | title = D Canabarro | publisher = AHIMTB | place = [[Brasil |BR]]}}.</ref> [[Juan Manuel de Rosas]] foi afastado do poder na Argentina em confronto de que participaram tropas brasileiras.
 
== Perenidade ==
126 596

edições