Abrir menu principal

Alterações

sem resumo de edição
Cada agência de classificação de risco possui uma [[taxonomia]] própria. Quanto maior for a probabilidade de [[moratória]] do agente, pior será a sua nota ou a sua classificação. Geralmente, utiliza-se a escala A, B, C, D. Na escala da [[Standard & Poor's]] e da [[Fitch]], a melhor classificação é AAA; a pior é D. Já na escala da [[Moody's]], a melhor classificação é Aaa; a pior é C. Notas acima de BBB- ou Baa3 dão ao agente o ''grau de investimento'', enquanto que os classificados abaixo dessa nota recebem o ''grau de especulação''.<ref name=Risco />
 
Essas agências operam mediante remuneração, sendo contratadas por empresas ou, eventualmente, [[estado]]s que desejam ser classificados.<ref name=BRA>[http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,agencia-que-rebaixou-pais-e-contratada-pelo-governo,180403e Agência que rebaixou pais é contratada pelo governo]. Por Mauro Zanatta. ''[[Estadão]]'', 25 de março de 2014.</ref><ref>Ministério da Fazenda. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. [http://dados.pgfn.fazenda.gov.br/dataset/pareceres/resource/23372012 Ementa: Contratação de serviços de avaliação de risco de títulos brasileiros (''rating'') da agência [[Fitch Ratings]] LTD.]</ref>
==História==
Esse tipo de atividade começa a existir em meados do [[século XIX]], nos [[Estados Unidos]], quando algumas empresas forneciam aos comerciantes informações sobre a [[solvabilidade]] dos seus clientes, avaliando a capacidade desses cliente para honrar os pagamentos devidos em uma determinada obrigação financeira, tendo em vista a qualidade dos fiadores.<ref name=UNCTAD>[[Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento]] (UNCTAD). [http://www.unctad.org/en/docs/gdsddf20081_en.pdf ''Compedium on Debt, Sustainability and Development''. Chapter VIII. "Credit Rating Agencies and their potential impact on developing countries"]. United Nations. Nova York e Genebra, 2009.</ref> <ref> FEIO, Diogo e CARNEIRO, Beatriz Soares, O Poder das Agências, matéria prima editores, Lisboa 2012. </ref>