Diferenças entre edições de "Álbum"

18 bytes adicionados ,  18h33min de 17 de setembro de 2015
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição via aplic. móvel
O álbum de maior sucesso e popularidade de todos os tempos, além de ser o mais vendido (com mais de 60 milhões de unidades comercializadas) é ''[[Thriller]]'', do [[cantor]] e [[compositor]] [[Estados Unidos|norte-americano]] [[Michael Jackson]], lançado pela gravadora [[Epic Records]], em novembro de [[1982]].<ref>{{Citar livro |sobrenome=Stahl |nome=Matt |título=Unfree Masters: Recording Artists and the Politics of Work |subtítulo= |idioma=inglês |edição= |local= |editora=Duke University Press |ano=2012 |página=120 |páginas= |volumes= |isbn=0822353431 }}</ref>
 
Malaquias William == História ==
No início dos anos 60, já era possível constatar uma mudança no rádio brasileiro, a maioria das emissoras passava a compor sua programação à base de discos. É que, com a popularização da televisão, o rádio precisou encontrar uma nova linguagem mais econômica. Por volta de 1964, a Rádio Globo do Rio de Janeiro e a Rádio Bandeirantes de São Paulo tornaram-se líderes de audiência em seus respectivos estados depois de instituírem as bases de um novo formato radiofônico calcado em programação de estúdio com música, esporte e jornalismo. Nesse momento, os discos de [[rock]] ganhavam uma importância ainda maior no panorama musical brasileiro. Na década de 50, o compacto era o formato principal da indústria fonográfica brasileira. No lado A do disco era gravado a canção mais indicada a ser tocada no rádio e no lado B outra canção de menor apelo. Para Roy Shuker, "o single atraiu os jovens com baixo poder aquisitivo. Para as gravadoras, era mais econômico produzir um single que um álbum, além do single funcionar como um teste de mercado".
 
Utilizador anónimo