Abrir menu principal

Alterações

912 bytes adicionados ,  19h00min de 17 de setembro de 2015
sem resumo de edição
A '''etnografia''' (do [[Língua grega|grego]] ''έθνος'', ''ethno'' - nação, povo e ''γράφειν'', ''graphein'' - escrever) é por excelência o método utilizado pela [[antropologia]] na coleta de dados. Baseia-se no contato inter-subjetivo entre o antropólogo e o seu objeto, seja ele uma [[índio|tribo indígena]] ou qualquer outro grupo social sob o qual o recorte analítico seja feito.
 
A base de uma pesquisa etnográfica é o trabalho de campo. Neste caso, este trabalho de campo se dá por meio do contato intenso e prolongado (que pode durar até mesmo mais de um ano) do pesquisador com a cultura do grupo para descobrir como se organizam seu sistema de significados culturais. <ref>[{{citar web|título=Etnografia | url = http://www.portaleducacao.com.br/educacao/artigos/38212/etnografia |publicado =Portal Educação| acessado = 17 de setembro de 2015}}</ref> O etnógrafo pode ser considerado um instrumento humano. Com um problema de pesquisa, uma teoria de interação ou cde omportamento social e uma variedades de guias conceituais em mente, o etnógrafo se envereda em uma cultura ou situação social para explorá-lo, coletar e analizar dados. O trabalho de campo, de muitas formas, é mais complicado que um estudo de laboratório, mas também pode ser muito compensador. <ref>Fetterman, David D (2010). "a wilderness guide". [[Ethnography: step-by-step]], ed. 3, p. 33.</ref>
 
[[Bronislaw Malinowski]], na introdução de seu clássico estudo ''Os [[Argonautas do Pacífico Ocidental]]'' (publicado em [[1922]]), marcou a história da antropologia moderna ao propôr uma nova forma de etnografia, envolvendo detalhada e atenta ''observação participante'', apesar de Malinowski nunca ter utilizado o termo. Sob sua trilha vieram outras etnografias clássicas, como ''Naven'' de [[Gregory Bateson]], ''Nós, os Tikopia'' de [[Raymond Fyrth]].
 
Principalmente a partir da antropologia interpretativa ou [[Pós-modernismo|pós-moderna]], autores como [[James Clifford]], [[Clifford Geertz]] e [[George Marcus]], com sua antropologia "multi-situada sited"(ou multi-localizada) passaram a discutir o papel político, literário e ideológico da antropologia e de sua escrita, em esforços verdadeiramente [[Metalinguagem|metalingüísticos]] e [[Intertextualidade|intertextuais]].
 
Exemplos famosos de Etnografias contemporâneas são ''[[Xamanismo]], [[Colonialismo]] e o Homem Selvagem'', de [[Michael Taussig]] e ''Os Araweté: Os Deuses Canibais'' de [[Eduardo Viveiros de Castro]].
 
Além da antropologia, métodos da pesquisa etnográfica são utilizados por diferenças áreas, como [[sociologia]], [[psicologia]] e até mesmo [[design]]<ref>{{citar web|título=An ethnography prime | url=http://www.aiga.org/ethnography-primer/ |publicado=AIGA| acessado = 17 de setembro de 2015}}</ref>. Mais recentemente, grandes empresas, ao tentar entender melhor seus clientes realmente desejam começaram a usar pesquisas etnográficas. A Microsoft é um dos maiores empregadores de etnógrafos. <ref>[{{citar web|título=Here's Why Companies Are Desperate To Hire Anthropologists | url=http://www.businessinsider.com/heres-why-companies-aredesperateto-hireanthropologists-2014-3 |publicado=Business Insider]| acessado = 17 de setembro de 2015}}</ref>.
 
==Ver também==
66

edições