Diferenças entre edições de "Dirigir sob o efeito do álcool"

4 bytes removidos ,  14h11min de 28 de setembro de 2015
sem resumo de edição
Historicamente, a culpa foi instituído pela condução sintomas observados, tais como tecelagem, administração de testes de campo sobriedade, como uma caminhada um salto em linha reta para os dedos ou em pé sobre uma perna, por 30 segundos e opinião subjetiva do policial que o prendeu de deficiência. O Departamento de Transportes dos Estados Unidos explica o campo de teste de sobriedade ", uma bateria de três testes administrados e avaliados de forma padronizada e validada a obtenção de indicadores de imparidade e estabelecer a causa provável para prisão." A partir da introdução na Noruega em [[1936]] do mundo o primeiro, por si só lei que tornou crime a uma unidade com mais de uma determinada quantidade de álcool no organismo, testes químicos objetivo gradualmente completado o anterior puramente subjectivas. Limites para testes químicos são específicos para a concentração de álcool no sangue ou a concentração de álcool no hálito.
 
Com o advento de um teste científico para o [[teor de álcool no sangue]] (TAS), a aplicação de regimes mudou-se para a pinagem culpabilidade para a ofensa à responsabilidade objectiva com base na condução com mais de uma quantidade prescrita de álcool no sangue, embora isso não impede a existência simultânea de os testes mais subjetiva. BAC é mais convenientemente medido como uma porcentagem simples de álcool no sangue, em peso. Ela não depende de quaisquer unidades de medida. Na Europa, é geralmente expresso em miligramas de álcool por 100 mililitros de sangue. No entanto, [[100]] mililitros de sangue pesa essencialmente o mesmo que 100 mililitros de água, que pesa 100 gramas com precisão. Assim, para todos os fins práticos, isto é o mesmo que o CCB simples adimensional medido como uma porcentagem. Desde 2002 é ilegal em todos os 50 estados americanos a conduzir com uma TAS de 0,08% ou superior.
 
A validade do equipamento de teste / métodos e relações matemáticas para a medição da respiração e de álcool no sangue têm sido criticados.
130 160

edições