Abrir menu principal

Alterações

128 bytes removidos, 19h47min de 28 de setembro de 2015
m
Foram revertidas as edições de 179.179.206.165 (usando Huggle) (3.1.16)
Pão de batata do cm champions c o mc tom de moletom na Eliana c o mc gu no RUBÃO e alimento=cachaça {{reciclagem|data=junho de 2010}}
{{sem-fontes|data=junho de 2010}}
O [[termo]] {{PU-FO43|ideia|idéia}} é usado em duas acepções: como [[sinônimo]] de [[conceito]] ou, num sentido mais lato, como [[expressão]] que traz implícita uma presença de [[intencionalidade]].
Para [[Platão]], a ideia que fazemos de uma coisa provém do princípio geral, do «[[mundo inteligível]]», que constitui a [[Ideia Universal]], categoria que está na base da sua [[filosofia]], o [[idealismo]]. Assim, a ideia da coisa é uma [[projeção]] do [[saber]]: ao verem a coisa, os [[olho]]s, emitindo [[raios]] de [[luz]], projetam a imagem dessa mesma coisa, que existe em nós como princípio universal (extromissão). Esta [[doutrina]] é designada por «[[idealismo]]».
 
A dengue e os musquito.
Para [[Aristóteles]], a ideia da coisa provém da [[Experiência (filosofia)|experiência]] [[experiência sensível|sensível]], do «mundo dos [[fenómeno]]s [[Contingência|contingentes]]»: as coisas emitem cópias de si próprias, através da luz, cópias assimiladas pelos [[sentido]]s e interpretadas pelo saber inato ou adquirido (intromissão), doutrina que funda o conceito de «[[realismo]]».
 
 
Existem ainda as ideias adventícias, que surgem do mundo exterior através da experiência, e as ideias factícias, que são as ideias formadas pelo próprio indivíduo através do pensamento. Segundo Descartes, as mais importantes são as ideias inatas, já que, nascidas com o ser humano, são como "sementes de verdade", postas por Deus no seu espírito para permitir conhecer algumas verdades da Natureza sem que os sentidos tivessem algum papel nessa descoberta.
 
 
== Outros conceitos de ideia ==