Diferenças entre edições de "Mumia Abu-Jamal"

11 bytes removidos ,  02h16min de 30 de outubro de 2015
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.79.64.30, com Reversão e avisos.
(Nova Jersia , para New Jersey)
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.79.64.30, com Reversão e avisos.)
Seguiu-se uma complexa e árdua batalha judicial e política logo após a sua sentença de morte em julho de 1982. A dimensão do caso, levou a que várias entidades e personalidades clamassem por justiça, em sua defesa, tais como : [[Congresso Nacional Africano]], [[Amnistia Internacional]], [[Parlamento Europeu]], Ordem Nacional dos Advogados (dos Estados Unidos), Coalizão Nacional pela Abolição da Pena de Morte, [[Jacques Derrida]], [[Stephen Jay Gould]], [[Jesse Jackson]], [[Danielle Mitterrand]], [[Salman Rushdie]], arcebispo [[Desmond Tutu]], [[Elie Wiesel]].
 
Em janeiro de 1999, os [[Rage Against the Machine]] e três outras bandas de rock promoveram um concerto em [[New Jersey|Nova Jérsia]] , em defesa de Jamal. A governadora Christine Whitman lamentou não poder proibir a atividade, e propôs um boicote à atividade. O espetáculo foi um grande sucesso de público e bilheteria.
Em 2008, o Tribunal de Apelação do 3º Distrito confirmou as condenações, mas pediu uma nova audiência de determinação de pena, declarando que o júri não havia recebido instruções apropriadas do juiz. Em 2011, o mesmo tribunal de apelação confirmou a condenação e a decisão de anular a sentença de pena de morte, e o promotor de Filadélfia anunciou que estava desistindo de exigir a pena de morte para o condenado. Em janeiro 2012, Mumia Abu Jamal saiu do corredor da morte.