Abrir menu principal

Alterações

258 bytes adicionados ,  10h38min de 10 de dezembro de 2015
sem resumo de edição
{{Info/Música/artista
|nome = Genesis
|imagem = [[File:2484 - Washington DC - Verizon Center - Genesis - Throwing It All Away.JPG|270px]]
|legenda = A banda em concerto nos [[Estados Unidos]], 2007
|fundo = grupo_ou_banda
|país = {{GBR}}
|período = [[1967]] - [[1999]]; <small>(reuniões posteriores: 2006 - 2008)</small>
|gênero = [[Rock progressivo]]<br, />[[Rockart neoprogressivorock]], <br />[[Rockrock sinfôniconeoprogressivo]]<br, />[[Popsoft rock]], <br />[[Soft rock]]<br />[[Art rocksinfônico]]
|gravadora = [[Decca Records]]<br />[[Charisma Records]]<br />[[Virgin Records]]<br />[[EMI Records]]<br />[[Virgin EMI Records]]<br />[[Atlantic Records]]
|integrantes = [[Mike Rutherford]]<br />[[Tony Banks (músico)|Tony Banks]]<br />[[Phil Collins]]<br />[[Chester Thompson]]<br />[[Daryl Stuermer]]
|site = [http://www.genesis-music.com www.genesis-music.com]
}}
'''Genesis''' é uma banda [[Reino Unido|britânica]] de [[rock progressivo]] formada em [[1967]], quando os seus fundadores [[Anthony Phillips]], [[Peter Gabriel]], [[Mike Rutherford]] e [[Tony Banks (músico)|Tony Banks]] ainda estudavam na [[Charterhouse School]]. O grupo alcançou enorme sucesso nas [[década de 1970|décadas de 1970]], [[década de 1980|1980]] e [[década de 1990|1990]], e com aproximadamente 130 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo, é considerada uma das mais importantes bandas de rock de todos os tempos.<ref>{{cite news|url=http://www.themoscowtimes.com/sitemap/free/1997/12/article/collins-may-be-gone-but-genesis-plays-on/296344.html|title=Collins May Be Gone, But Genesis Plays On|work=[[The Moscow Times]]|date=December 18, 1997|accessdate=November 14, 2014|last=Majendie|first=Paul}}</ref>
 
Com aproximadamente 150 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo, Genesis é considerada uma das mais importantes bandas de rock de todos os tempos{{Carece de fontes}}. Sua carreira tem duas fases musicais diferentes. Na fase inicial, suas estruturas musicais complexas, instrumentação elaborada e apresentações teatrais a tornaram uma das bandas mais reverenciadas do [[rock progressivo]] na [[década de 1970]]. Criações clássicas da banda nesse período incluem a canção de 23 minutos "Supper's Ready" do álbum [[Foxtrot]] de [[1972]], além do [[álbum conceitual]] de [[1974]] ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]''. A partir da [[década de 1980]], sua música tomou um caminho distinto em direção ao [[música pop|pop]], tornando-a mais acessível para a cena musical.
 
Em [[18 de outubro]] de [[2006]], a [[BBC]] anunciou que os membros do Genesis, incluindo [[Phil Collins]], [[Mike Rutherford]] e [[Tony Banks (músico)|Tony Banks]], aceitaram reunir-se para uma turnê mundial e explorando a possibilidade de gravação de um novo material.<ref>{{en}} [http://news.bbc.co.uk/1/hi/entertainment/6064022.stm "Rockers Genesis plan reunion tour"]. ''British Broadcasting Corporation'', [[18 de outubro]] de 2006.</ref>.
 
== Integrantes ==
=== Última formação ===
*[[Tony Banks (músico)|Tony Banks]] - [[Teclado (música)|teclados]], [[guitarra]] (12 cordas) e [[vocal de apoio]] (1967 - 1998; 2006 - 2007)
*[[Mike Rutherford]] - [[baixo]], guitarra e vocal de apoio (1967 - 1998; 2006 - 2007)
*[[Phil Collins]] - [[Bateria (instrumento musical)|bateria]], vocal principal e de apoio (1970 - 1996; 2006 - 2007)
*[[Chester Thompson]] - bateria (1976 - 1996; 2006 - 2007)
*[[Daryl Stuermer]] - guitarra, baixo e vocal de apoio (1978 - 1996; 2006 - 2007)
 
=== Ex-integrantes ===
*[[Peter Gabriel]] - [[vocal]] principal, vocal de apoio, [[flauta transversal]] e [[percussão]] (1967 - 1975)
*[[Steve Hackett]] - [[guitarra]] (1970 - 1977)
*[[Anthony Phillips]] - guitarra e vozes (1967 - 1970)
*[[Chris Stewart]] - [[Bateria (instrumento musical)|bateria]] (1967 - 1968)
*[[Jonathan Silver]] - bateria (1968 - 1969)
*[[Jonathan Mayhew]] - bateria e percussão (1970)
*[[Ray Wilson]] - vocal e guitarra acústica (1997 - 1998)
*[[Bill Bruford]] - bateria e percussão (1976, apenas ao vivo)
*[[Nick D'Virgilio]] - bateria e percussão (1997, apenas no estúdio)
*[[Nir Zidhyaku]] - bateria e percussão (1997 - 1998, no estúdio e ao vivo)
*[[Ant Drennan]] - guitarra (1997, apenas ao vivo)
 
== História ==
 
Em 2008 foi lançado um DVD duplo com o show ocorrido em Roma, no encerramento da turnê europeia. Ele mescla sucessos da formação clássica (In The Cage, Afterglow, Cinema Show, The Carpert Crawlers, Los Endos, etc.) com os hits comerciais dos Anos 80 e 90 (Land of Confusion, Invisible Touch, No Son of Mine, etc.).
 
=== Trabalhos relacionados ===
 
*[[1975]] - ''Voyage of the Acolyte'' é um álbum a solo de [[Steve Hackett]], mas para muitos é quase um álbum dos Genesis. Participam Hackett, [[Mike Rutherford]] e [[Phil Collins]] juntamente com [[John Hackett]] (flauta, sintetizador ARP, sinos), [[Nigel Warren-Green]] (violoncelo), [[Robin Miller]] (oboé, corne inglês), [[John Acock]] (Mellotron, acordeon, piano) [[John Gustafson]] (baixo) e [[Sally Oldfield]] (voz).
 
== Inspiração e influências ==
Uma ampla variedade de [[gênero musical|estilos musicais]] influenciaram a banda, desde a [[música clássica]] ao [[rock]] e [[jazz]]. Tony Banks inspirava-se em [[Alan Price]] do [[The Animals]], citando que ele ''foi a primeira pessoa que me fez tomar conhecimento do órgão no contexto do rock'' <ref>{{en}} [http://www.genesis-path.net/artMC7604.html "Genesis's Banks - A Current Account"]. ''Beat Instrumental'', abril de [[1976]]</ref>. Outros organistas influentes para Banks incluem [[Matthew Fisher]] ([[Procol Harum]]). Influências clássicas incluem [[Sergei Rachmaninoff|Rachmaninov]], [[Maurice Ravel|Ravel]], [[Gustav Mahler|Mahler]] e [[Dmitri Shostakovich|Shostakovich]].
 
Vários contemporâneos como [[The Beatles]], [[The Rolling Stones]] e [[Simon and Garfunkel]] também afetaram o som da banda. Collins citou [[Buddy Rich]] e [[Mahavishnu Orchestra]], enquanto a carreira anterior de Gabriel com o Genesis foi influenciada pela música de [[Nina Simone]] e [[King Crimson]] <ref>{{en}} [http://www.genesis-music.com/161272mm.htm "The Genesis File"]. ''Melody Maker'', 2006. [[16 de dezembro]] de [[1972]]</ref>. Os arranjos musicais do primeiro álbum ''From Genesis to Revelation'' foram influenciados pelo trabalho de [[Moody Blues]], [[Family]] e [[Bee Gees]].
 
Como um grupo que influenciou o crescimento do movimento [[rock progressivo]], o Genesis vem sendo citado como uma influência para várias outras bandas do estilo como [[Camel]], [[Kansas (banda)|Kansas]], [[Redrick Sultan]], [[It Bites]], [[IQ (banda)|IQ]], [[Happy the Man]], [[Marillion]], [[Opeth]], [[Ange]] e [[Goblin (banda)|Goblin]]. Várias bandas de tributo como [[Re-Genesis]], [[The Musical Box]] e [[In The Cage]] foram criadas para apresentar materiais antigos da banda da era Peter Gabriel.
 
Phil Collins foi o primeiro artista a fazer um cover de uma canção do Genesis, "Behind The Lines", incluída como terceira faixa de ''[[Face Value]]''. Durante apresentações solo, Gabriel executou ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]'' e ''Back in NYC'' enquanto Hackett apresentou "In That Quiet Earth", "Los Endos", "Horizons" e "Blood On The Rooftops". Hackett também apresentou "I Know What I Like (In Your Wardrobe)" em turnês solo e com o [[supergrupo]] [[GTR]] em [[1986]]. Ray Wilson realizou o maior número de canções da banda durante concertos solo. Em seus dois álbuns solo ao vivo, ''Live'' e ''Life and Acoustic'', podem ser encontradas "Carpet Crawlers", "Follow you Follow me", "I Can't Dance", "The Lamb Lies Down on Broadway", "No Son of Mine", "Shipwrecked" e "Mama". [[Jeff Buckley]] retrabalhou em "Back in NYC" em um álbum póstumo lançado em [[1998]], ''[[Sketches for My Sweetheart the Drunk]]''. A banda [[Suécia|sueca]] de [[death metal]] [[In Flames]] fez um cover de "Land of Confusion" no seu ''[[Trigger (EP)]]'', assim como o [[Disturbed]] em ''[[Ten Thousand Fists]]''. Houve, também, um cover de ''Mama'' da banda brasileira de power metal, Angra.
 
== Capas de álbuns ==
As capas de álbuns dos álbuns do Genesis incorporaram uma arte complexa para refletir os temas presentes nas composições. Seu primeiro álbum, ''[[From Genesis to Revelation]]'' era todo preto com o texto ''Genesis'' escrito em uma fonte gótica e verde no topo à esquerda. as capas foram modificas ao longo dos lançamentos. Os três álbuns seguintes tiveram suas capas desenvolvidas pelo artista gráfico [[Paul Whitehead]] (da [[Charisma Records]]). A capa de ''[[Foxtrot]]'' é talvez a mais popular entre os fãs; é mostrada uma figura feminina em um vestido vermelho e com uma cabeça de [[raposa]]. Whitehead alegou em entrevista que a inspiração para a personagem surgiu em na canção "Foxy Lady" de [[Jimi Hendrix]]<ref>[http://www.vandergraafgenerator.co.uk/paulw.htm "Entrevista com Paul Whitehead"]</ref> . Após Whitehead mudar-se para [[Los Angeles]], o Genesis assinou com a famosa agência [[Hipgnosis]], cujos artistas haviam criado capas conceituadas, como ''[[Dark Side of the Moon]]'' do [[Pink Floyd]] e ''[[Houses of the Holy]]'' de [[Led Zeppelin]]. A primeira capa da Hipgnosis para a banda foi para ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]'', contanto pela primeira vez com um modelo masculino, representando o personagem "Rael", protagonista da história do álbum.
 
No resto da [[década de 1970]], vários artistas da Hipgnosis contribuíram com capas para os álbuns de estúdio do Genesis. A capa de ''[[Trick of the Tail]]'' é uma representação de vários personagens no álbum. A começar por ''[[Duke (álbum)|Duke]]'', os álbuns da banda apresentavam caricaturas desenvolvidas pela ''Bill Smith Studios''. O álbum mais famoso da banda, ''[[Invisible Touch]]'', apresentava a arte de ''Assorted Images'', previamente desenvolvidas para capas de álbuns de [[Duran Duran]] e [[Culture Club]]. A capa de ''[[We Can't Dance]]'' apresenta o trabalho de Felicity Bowers. As capas de ''[[Calling All Stations]]'' e da compilação ''[[Turn It on Again: The Hits]]'' foram desenvolvidas pela ''Wherefore Art?''.
 
== Críticas ==
As raízes do [[rock progressivo]] tornaram o Genesis diferente de seus contemporâneos do [[rock]] como [[Led Zeppelin]] ou [[Black Sabbath]]. Inclusive, um artigo na ''[[Q Magazine]]'' trata de um quadrinho de [[1977]] de [[Ray Lowry]] de fãs "adormecidos, moribundos, [ou] comatosos com o nome da banda mostrado em uma cartaz sobre o palco, onde se lê "GENESNOOZE"<ref>trocadilho para "Genesis" + "Snoose", este último que significa tirar uma soneca, em [[Língua inglesa|inglês]]</ref><ref>Stuart Maconie. [http://www.genesis-path.net/art94-12 "Genesis: The Loathed and Loved"]. ''Q Magazine''. Dezembro de 1994.</ref>.
 
Muito do criticismo com a banda na [[década de 1970]] era centrado por volta de todo o rock progressivo no geral, que para muitos era considerado "intelectual" e "pretensioso". As aparições teatrais de Gabriel eram consideradas incoerentes para muitos fãs do rock, inclusive para alguns fãs da banda. Isso foi exemplificado nas apresentações ao vivo de suporte do último álbum com o vocalista na banda, ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]'', desenvolvido independentemente por Gabriel; é uma obra difícil de se entender e aceitar, o que causou atrito com os outros membros do Genesis.
 
A transição da banda de tocar longas e complexas composições para um material mais compacto e "comercial" também não foi bem recebido pela crítica. Uma revisão de ''[[And Then There Were Three]]'' relatou "em resumo, esta composição é sombra mais pálida das realizações anteriores do grupo. O prejuízo não é somente irreversível, foi largamente endossado: ''...And Then There Were Three...'' é o primeiro disco de ouro do Genesis nos Estados Unidos"<ref>Michael Bloom. [http://www.rollingstone.com/artists/genesis/albums/album/104990/rid/5944592/ "And Then There Were Three"]. RollingStone. [[10 de agosto]] de [[1978]]</ref>. Phil Collins é geralmente criticado pela transformação da banda do rock progressivo para o rock comercial e [[música pop|pop]], tocando o mesmo que ele desenvolveu em sua carreira solo.
 
== Integrantes ==
=== Última formação ===
*[[Tony Banks (músico)|Tony Banks]] - [[Teclado (música)|teclados]], [[guitarra]] (12 cordas) e [[vocal de apoio]] (1967 - 1998; 2006 - 2007)
*[[Mike Rutherford]] - [[baixo]], guitarra e vocal de apoio (1967 - 1998; 2006 - 2007)
*[[Phil Collins]] - [[Bateria (instrumento musical)|bateria]], vocal principal e de apoio (1970 - 1996; 2006 - 2007)
*[[Chester Thompson]] - bateria (1976 - 1996; 2006 - 2007)
*[[Daryl Stuermer]] - guitarra, baixo e vocal de apoio (1978 - 1996; 2006 - 2007)
 
=== Ex-integrantes ===
*[[Peter Gabriel]] - [[vocal]] principal, vocal de apoio, [[flauta transversal]] e [[percussão]] (1967 - 1975)
*[[Steve Hackett]] - [[guitarra]] (1970 - 1977)
*[[Anthony Phillips]] - guitarra e vozes (1967 - 1970)
*[[Chris Stewart]] - [[Bateria (instrumento musical)|bateria]] (1967 - 1968)
*[[Jonathan Silver]] - bateria (1968 - 1969)
*[[Jonathan Mayhew]] - bateria e percussão (1970)
*[[Ray Wilson]] - vocal e guitarra acústica (1997 - 1998)
*[[Bill Bruford]] - bateria e percussão (1976, apenas ao vivo)
*[[Nick D'Virgilio]] - bateria e percussão (1997, apenas no estúdio)
*[[Nir Zidhyaku]] - bateria e percussão (1997 - 1998, no estúdio e ao vivo)
*[[Ant Drennan]] - guitarra (1997, apenas ao vivo)
 
== Discografia ==
*[[2004]] - ''The Platinum Collection''
*[[2007]] - ''Turn It On Again - The Hits: Tour Edition''
 
=== Trabalhos relacionados ===
 
*[[1975]] - ''Voyage of the Acolyte'' é um álbum a solo de [[Steve Hackett]], mas para muitos é quase um álbum dos Genesis. Participam Hackett, [[Mike Rutherford]] e [[Phil Collins]] juntamente com [[John Hackett]] (flauta, sintetizador ARP, sinos), [[Nigel Warren-Green]] (violoncelo), [[Robin Miller]] (oboé, corne inglês), [[John Acock]] (Mellotron, acordeon, piano) [[John Gustafson]] (baixo) e [[Sally Oldfield]] (voz).
 
== Videografia ==
*[[2005]] - ''The Video Show'' - Lançado em DVD.
*[[2008]] - ''When In Rome 2007'' - Lançado em DVD.
 
== Inspiração e influências ==
Uma ampla variedade de [[gênero musical|estilos musicais]] influenciaram a banda, desde a [[música clássica]] ao [[rock]] e [[jazz]]. Tony Banks inspirava-se em [[Alan Price]] do [[The Animals]], citando que ele ''foi a primeira pessoa que me fez tomar conhecimento do órgão no contexto do rock'' <ref>{{en}} [http://www.genesis-path.net/artMC7604.html "Genesis's Banks - A Current Account"]. ''Beat Instrumental'', abril de [[1976]]</ref>. Outros organistas influentes para Banks incluem [[Matthew Fisher]] ([[Procol Harum]]). Influências clássicas incluem [[Sergei Rachmaninoff|Rachmaninov]], [[Maurice Ravel|Ravel]], [[Gustav Mahler|Mahler]] e [[Dmitri Shostakovich|Shostakovich]].
 
Vários contemporâneos como [[The Beatles]], [[The Rolling Stones]] e [[Simon and Garfunkel]] também afetaram o som da banda. Collins citou [[Buddy Rich]] e [[Mahavishnu Orchestra]], enquanto a carreira anterior de Gabriel com o Genesis foi influenciada pela música de [[Nina Simone]] e [[King Crimson]] <ref>{{en}} [http://www.genesis-music.com/161272mm.htm "The Genesis File"]. ''Melody Maker'', 2006. [[16 de dezembro]] de [[1972]]</ref>. Os arranjos musicais do primeiro álbum ''From Genesis to Revelation'' foram influenciados pelo trabalho de [[Moody Blues]], [[Family]] e [[Bee Gees]].
 
Como um grupo que influenciou o crescimento do movimento [[rock progressivo]], o Genesis vem sendo citado como uma influência para várias outras bandas do estilo como [[Camel]], [[Kansas (banda)|Kansas]], [[Redrick Sultan]], [[It Bites]], [[IQ (banda)|IQ]], [[Happy the Man]], [[Marillion]], [[Opeth]], [[Ange]] e [[Goblin (banda)|Goblin]]. Várias bandas de tributo como [[Re-Genesis]], [[The Musical Box]] e [[In The Cage]] foram criadas para apresentar materiais antigos da banda da era Peter Gabriel.
 
Phil Collins foi o primeiro artista a fazer um cover de uma canção do Genesis, "Behind The Lines", incluída como terceira faixa de ''[[Face Value]]''. Durante apresentações solo, Gabriel executou ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]'' e ''Back in NYC'' enquanto Hackett apresentou "In That Quiet Earth", "Los Endos", "Horizons" e "Blood On The Rooftops". Hackett também apresentou "I Know What I Like (In Your Wardrobe)" em turnês solo e com o [[supergrupo]] [[GTR]] em [[1986]]. Ray Wilson realizou o maior número de canções da banda durante concertos solo. Em seus dois álbuns solo ao vivo, ''Live'' e ''Life and Acoustic'', podem ser encontradas "Carpet Crawlers", "Follow you Follow me", "I Can't Dance", "The Lamb Lies Down on Broadway", "No Son of Mine", "Shipwrecked" e "Mama". [[Jeff Buckley]] retrabalhou em "Back in NYC" em um álbum póstumo lançado em [[1998]], ''[[Sketches for My Sweetheart the Drunk]]''. A banda [[Suécia|sueca]] de [[death metal]] [[In Flames]] fez um cover de "Land of Confusion" no seu ''[[Trigger (EP)]]'', assim como o [[Disturbed]] em ''[[Ten Thousand Fists]]''. Houve, também, um cover de ''Mama'' da banda brasileira de power metal, Angra.
 
== Capas de álbuns ==
As capas de álbuns dos álbuns do Genesis incorporaram uma arte complexa para refletir os temas presentes nas composições. Seu primeiro álbum, ''[[From Genesis to Revelation]]'' era todo preto com o texto ''Genesis'' escrito em uma fonte gótica e verde no topo à esquerda. as capas foram modificas ao longo dos lançamentos. Os três álbuns seguintes tiveram suas capas desenvolvidas pelo artista gráfico [[Paul Whitehead]] (da [[Charisma Records]]). A capa de ''[[Foxtrot]]'' é talvez a mais popular entre os fãs; é mostrada uma figura feminina em um vestido vermelho e com uma cabeça de [[raposa]]. Whitehead alegou em entrevista que a inspiração para a personagem surgiu em na canção "Foxy Lady" de [[Jimi Hendrix]]<ref>[http://www.vandergraafgenerator.co.uk/paulw.htm "Entrevista com Paul Whitehead"]</ref> . Após Whitehead mudar-se para [[Los Angeles]], o Genesis assinou com a famosa agência [[Hipgnosis]], cujos artistas haviam criado capas conceituadas, como ''[[Dark Side of the Moon]]'' do [[Pink Floyd]] e ''[[Houses of the Holy]]'' de [[Led Zeppelin]]. A primeira capa da Hipgnosis para a banda foi para ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]'', contanto pela primeira vez com um modelo masculino, representando o personagem "Rael", protagonista da história do álbum.
 
No resto da [[década de 1970]], vários artistas da Hipgnosis contribuíram com capas para os álbuns de estúdio do Genesis. A capa de ''[[Trick of the Tail]]'' é uma representação de vários personagens no álbum. A começar por ''[[Duke (álbum)|Duke]]'', os álbuns da banda apresentavam caricaturas desenvolvidas pela ''Bill Smith Studios''. O álbum mais famoso da banda, ''[[Invisible Touch]]'', apresentava a arte de ''Assorted Images'', previamente desenvolvidas para capas de álbuns de [[Duran Duran]] e [[Culture Club]]. A capa de ''[[We Can't Dance]]'' apresenta o trabalho de Felicity Bowers. As capas de ''[[Calling All Stations]]'' e da compilação ''[[Turn It on Again: The Hits]]'' foram desenvolvidas pela ''Wherefore Art?''.
 
== Críticas ==
As raízes do [[rock progressivo]] tornaram o Genesis diferente de seus contemporâneos do [[rock]] como [[Led Zeppelin]] ou [[Black Sabbath]]. Inclusive, um artigo na ''[[Q Magazine]]'' trata de um quadrinho de [[1977]] de [[Ray Lowry]] de fãs "adormecidos, moribundos, [ou] comatosos com o nome da banda mostrado em uma cartaz sobre o palco, onde se lê "GENESNOOZE"<ref>trocadilho para "Genesis" + "Snoose", este último que significa tirar uma soneca, em [[Língua inglesa|inglês]]</ref><ref>Stuart Maconie. [http://www.genesis-path.net/art94-12 "Genesis: The Loathed and Loved"]. ''Q Magazine''. Dezembro de 1994.</ref>.
 
Muito do criticismo com a banda na [[década de 1970]] era centrado por volta de todo o rock progressivo no geral, que para muitos era considerado "intelectual" e "pretensioso". As aparições teatrais de Gabriel eram consideradas incoerentes para muitos fãs do rock, inclusive para alguns fãs da banda. Isso foi exemplificado nas apresentações ao vivo de suporte do último álbum com o vocalista na banda, ''[[The Lamb Lies Down on Broadway]]'', desenvolvido independentemente por Gabriel; é uma obra difícil de se entender e aceitar, o que causou atrito com os outros membros do Genesis.
 
A transição da banda de tocar longas e complexas composições para um material mais compacto e "comercial" também não foi bem recebido pela crítica. Uma revisão de ''[[And Then There Were Three]]'' relatou "em resumo, esta composição é sombra mais pálida das realizações anteriores do grupo. O prejuízo não é somente irreversível, foi largamente endossado: ''...And Then There Were Three...'' é o primeiro disco de ouro do Genesis nos Estados Unidos"<ref>Michael Bloom. [http://www.rollingstone.com/artists/genesis/albums/album/104990/rid/5944592/ "And Then There Were Three"]. RollingStone. [[10 de agosto]] de [[1978]]</ref>. Phil Collins é geralmente criticado pela transformação da banda do rock progressivo para o rock comercial e [[música pop|pop]], tocando o mesmo que ele desenvolveu em sua carreira solo.
 
{{referências|Notas e Referências}}
14 130

edições