Diferenças entre edições de "Carro sobre lagarta anfíbio"

236 bytes adicionados ,  21h20min de 15 de dezembro de 2015
(-Categoria:Marinha do Brasil; ± 3 categorias usando HotCat)
== Histórico de combate ==
[[Ficheiro:100329-M-6001S-166.jpg|miniaturadaimagem|esquerda|Fuzileiros americanos desembarcando de um AAV.]]
Cerca de 20 LVTP-7s construídos nos [[Estados Unidos]], foram utilizados ​​pela [[Argentina]] durante a [[Operação Rosário]] (invasão das [[ilhas Falklands]] em 1982), com todos os veículos retornando para o continente argentino antes do fim da guerra. De 1982 a 1984, os LVT-7s foram implantados com os ''United States Marine Corps'' como parte da [[Força Multinacional no Líbano]]. Conforme os Marines se tornaram cada vez mais envolvidos nas hostilidades, vários veículos sofreram danos menores a partir de estilhaços e pequenas armas de fogo. Em 25 de outubro de [[1983]], os LVT-7s dos USMC realizaram um desembarque anfíbio de grande sucesso na ilha de [[Granada (país)|Granada]], como parte da [[Invasão de Granada|Operação Urgent Fury]]. Foram muito utilizados na [[Guerra do Golfo]] de [[1991]] e na [[Invasão do Iraque em 2003]], e tem sido criticado por oferecer pouca proteção para a tripulação e os soldados, em comparação com outros veículos, como o M2 Bradley. Oito deles foram desativados ou destruídos durante a [[Batalha de Nasiriyah]], onde enfrentaram [[Lança-granadas-foguete|RPGs]], [[morteiro]]s, [[Carro de combate|carros de combate]], e [[artilharia]]. Pelo menos um veículo foi destruído pelo fogo amigo de aviões de ataque [[A-10 Thunderbolt II|A-10 Warthog]]. AAV-7A1s também foram utilizados ​​extensivamente na [[Unified Task Force]], Além da Argentina também o Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil utiliza os LVT7 armados com torreta de canhão 20mm controlada remotamente e com capacidade expandida para transporte de 35 militares completamente equipados.
 
== Ver também ==
Utilizador anónimo