Diferenças entre edições de "Problema do mal"

736 bytes adicionados ,  04h11min de 2 de janeiro de 2016
por enquanto
(por enquanto)
{{Deus}}
{{Ateísmo}}
Na [[filosofia da religião]], o '''Problema do mal''' é a questão de como conciliar a existência do mal com o de uma divindade que é, tanto em termos absolutos ou relativos, onipotente, onisciente e [[Onibenevolência |benevolente]].<ref name="Stanford">The Stanford Encyclopedia of Philosophy, "[http://plato.stanford.edu/entries/evil The Problem of Evil]", Michael Tooley</ref><ref name="IepEvidential">The Internet Encyclopedia of Philosophy, "[http://www.iep.utm.edu/e/evil-evi.htm The Evidential Problem of Evil]", Nick Trakakis</ref> um "argumento do mal" tenta mostrar que a co-existência do mal e tal divindade é improvável ou impossível se colocado em termos absolutos. As tentativas de demonstrar o contrário tradicionalmente têm sido discutidas sob o título de [[teodiceia]].
Na [[filosofia da religião]] e [[teologia]], o '''problema do mal'''<ref>[http://estudobiblico.org/pt/estudos-biblicos/polemicos/802-por-que-deus-e-bom Por que Deus é bom?]</ref> é o problema de conciliar a existência do [[mal]] ou [[sofrimento]] no mundo com a existência de [[Deus]].<ref>{{Citar enciclopédia|first=Michael |last=Tooley |title=The Problem of Evil |encyclopedia=Stanford Encyclopedia of Philosophy |url=http://plato.stanford.edu/entries/evil/}}</ref> O problema é mais frequentemente analisado no contexto dos [[Deus pessoal|deuses pessoais]] das [[religiões abraâmicas]], mas também é relevante para as tradições [[politeísmo|politeístas]] que envolvem vários [[deidade|deuses]].
 
Uma ampla gama de respostas foram dadas para o problema do mal na teologia. Há também muitas discussões de problemas mal e associados em outros campos filosóficos, tais como ética secular,<ref>Nicholas J. Rengger, ''Moral Evil and International Relations'', in ''SAIS Review'' 25:1, Winter/Spring 2005, pp. 3–16</ref><ref>Peter Kivy, ''Melville's Billy and the Secular Problem of Evil: the Worm in the Bud'', in ''The Monist'' (1980), 63</ref><ref>{{cite book |last=Kekes |first=John |title=Facing Evil |publisher=Princeton UP |year=1990 |location=Princeton |url= |id= |isbn=0-691-07370-8}}</ref> e disciplinas científicas, tais como ética evolucionista.<ref name="Anders1994">Timothy Anders (1994). [http://books.google.com/books?id=vry4AAAAIAAJ ''The Evolution of Evil: An Inquiry Into the Ultimate Origins of Human Suffering'']. Open Court. ISBN 978-0-8126-9174-0.</ref><ref>J.D. Duntley and David Buss, "The Evolution of Evil," in {{citar livro |sobrenome=Miller |nome=Arthur |title=The Social Psychology of Good and Evil |editora=Guilford |ano=2004 |local=New York |páginas=102–133 |url=http://homepage.psy.utexas.edu/homepage/Group/BussLAB/pdffiles/The%20evolution%20of%20evil.pdf |id= |isbn=1-57230-989-X}}</ref> Mas, como normalmente entendido, o "problema do mal "é colocada em um contexto teológico.<ref name="Stanford"/><ref name="IepEvidential"/>
O problema do mal é uma das principais objeções ao [[teísmo]] tradicional.<ref name=swinburne05 /> O problema do mal vai exatamente contra a principal característica do Deus Pessoal, Perfeito e Onipotente: a Benevolência. Um Deus onipotente e benevolente que cria e permite o mal é paradoxal. A presença do mal pode, portanto implicar na ausência de Deus. Por causa do mal se nega a existência de Deus, de modo a responsabilizar o Deus pessoal pelo sofrimento das criaturas, que, sendo ele Onipotente, Onipresente e Onisciente, não deveria permitir se fosse realmente Benevolente.
 
“''Mas de onde vem o mal se Deus é bom e fez todas as criaturas boas?''” <ref> Confissões, VII, p.172 - Santo Agostinho</ref>
 
A existência do mal parece ser contraditória a com a existência de um Deus bondoso e poderoso, mas alguns religiosos argumentam que, para o homem ser feliz, ele necessita executar ações, atos de caridade e de heroísmo, que não seriam possíveis se não existisse o mal. Entretanto, a maioria dos teístas responde que um deus perfeito pode ainda permitir um certo mal, insistindo que a concessão de um bem maior, como o [[livre arbítrio]], não pode ser alcançada sem alguns males.<ref name=swinburne05>{{Citar enciclopédia|first=Richard |last=Swinburne |authorlink=Richard Swinburne |year=2005 |title=Evil, the problem of |editor=Ted Honderich |encyclopedia=The Oxford Companion to Philosophy |isbn=0199264791}}</ref> Uma defesa contra o problema do mal é estabelecer que os [[atributos divinos]] são logicamente consistentes com a existência do mal, mas que isso não significa que o mal derive deles, ou que deles se possa retirar uma explicação quanto as razões pelas quais o mal existe ou ocorre. Uma [[teodiceia]], por outro lado é uma tentativa de fornecer tais justificativas para a existência do mal.<ref>{{Citar enciclopédia|first=Ted |last=Honderich |authorlink=Ted Honderich |year=2005 |title=Theodicy |encyclopedia=The Oxford Companion to Philosophy |isbn=0199264791 |quote=''[[John Hick]], por exemplo, propõe uma teodiceia, enquanto [[Alvin Plantinga]] formula uma defesa. A idéia do livre arbítrio aparece freqüentemente em ambas as estratégias, mas de modos diferentes.''}}</ref>
[[Richard Swinburne]] sustenta que não faz sentido assumir que existe esse bem maior, a não ser que se saiba o que ele é, ou seja, até que tenhamos uma boa teodiceia <ref name=swinburne05 />. Muitos filósofos contemporâneos discordam. O Ceticismo teísta, que se baseia na posição de que seres humanos nunca podem esperar entender o divino, é talvez a mais popular resposta ao problema do mal entre os filósofos da religião contemporâneos.
 
{{Referências|col=2}}
 
 
{{Referências}}
{{tradução/ref|en|Problem of evil|oldid=235133469}}
 
16 801

edições