Diferenças entre edições de "Instituto da Nobreza Portuguesa"

1 198 bytes removidos ,  01h14min de 16 de janeiro de 2016
→‎Criação e objectivos do Instituto da Nobreza Portuguesa: - coisas suspeitas sem fonte que as sustente, até o preço dos títulos vieram apregoar aqui - SPAM
(→‎Criação e objectivos do Instituto da Nobreza Portuguesa: - coisas suspeitas sem fonte que as sustente, até o preço dos títulos vieram apregoar aqui - SPAM)
 
== Criação e objectivos do Instituto da Nobreza Portuguesa ==
O Instituto da Nobreza Portuguesa, fundado em [[2004]] por determinação de [[Duarte Pio de Bragança]], tem a sua sede no [[Palácio dos Marqueses de Fronteira]], parte da [[Fundação das Casas Fronteira e Alorna]].<ref>http://www.fronteira-alorna.pt/</ref> Os objectivos do Instituto são promover a conservação e divulgação do património cultural da Nobreza Portuguesa e principalmente reconhecer aos interessados que se lhe dirigirem o direito ao uso de [[títulos nobiliárquicos]] e de [[brasão de armas|brasões de armas]]. No fundo, o Instituto tem como função regular todos os assuntos do foro nobiliárquico, aplicando o direito nobiliárquico historicamente fixado pela tradição e leis anteriores a [[1910]], nunca criando títulos novos.
 
O Instituto da Nobreza Portuguesa integra membros efetivos e agregados. Como membros efetivos apenas são aceites nobres titulares (ou seja detentores de títulos nobiliárquicos); no caso dos membros agregados já são aceites nobres de qualquer grau (incluindo por exemplo os membros da fidalguia de cota de armas).
 
Para requerer o reconhecimento ao direito de promessa de qualquer título ou brasão foi sempre necessário, tal como sucedia antes com os Direitos de Mercê de títulos, o pagamento duma taxa (como também sucedeu e sucede ainda hoje em [[Espanha]] com o [[:es:Títulos nobiliarios otorgados por Juan Carlos I#Impuestos|respetivo imposto]]), a qual, em 2013, é de 500,00 €.
 
{{quote2|Há pelo menos 235 pessoas que levam o assunto a sério ao ponto de, nos últimos seis anos e meio, terem recorrido ao Instituto da Nobreza Portuguesa: 86 viram reconhecidos os seus títulos de nobres, 144 registaram os seus brasões e cinco pessoas levaram esta entidade de direito privado a consagrar que tinham direito a ser tratadas por "Dom".
212 007

edições