Diferenças entre edições de "Lúcio Volúmnio Flama Violente"

3 365 bytes adicionados ,  20h35min de 24 de janeiro de 2016
[[Ficheiro:Woodcut illustration of Virginia, wife of Lucius Volumnius Flamma Violens - Penn Provenance Project.jpg|thumb|direita|upright=1|[[Xilogravura]] de [[Virgínia Volúmnia]], esposa de Lúcio Volúmnio Flama.]]
{{AP|Terceira Guerra Samnita}}
LúcioDepois Volúmnioque foiÁpio eleitoCláudio novamenteCego eme 296Lúcio a.C.,Volúmnio novamenteFlama comViolente Ápioforam Cláudioeleitos, Cego<refeles ordenaram que name=LivIX15>[[LívioQuinto Fábio Máximo Ruliano]], ''e [[AbPúblio UrbeDécio conditaMus libri|Ab(cônsul Urbeem condita]]''312 X, 15a.</ref>C.), Enquantocônsules Volúmiodo lideravaano aanterior, campanhacontinuassem em [[Sâmnio]], Ápiopor lideroumais oseis exércitomeses nacom poderes [[Etrúriaprocônsul|proconsulares]],. que novamente se revoltou quando chegou um grandeO exército samnita, liderado por [[Gélio InácioEgnácio]]<ref, name=LivIX15/>.sem Volúmiocondições recebeude ordenspermanecer deem ajudarseu Cláudiopaís, queofereceu nãoseus quisserviços aceitar,à mas[[Etrúria]], depoisque deaceito; ouvirsob seusa principaisliderança oficiaisdele, finalmenteos cedeu.[[úmbrios]] Porém,também nãose houvejuntaram harmoniaà entrecoalizão ose doismercenários e[[gauleses]] tãoforam logocontratados. oConvocando exércitouma conjuntoreunião derrotouentre otodos inimigo,os Flamalíderes regressouetruscos, emEgnácio marchadeclarou forçada,que àa [[Campânia]].guerra Ospela samnitasliberdade haviamera saqueadomelhor oque territórioa depaz [[Falerno]]servil e voltavamanunciou comsua ointenção butimde e osatacar prisioneirosRoma, quantoconseguindo Flamao osapoio interceptoudos e derrotouetruscos<ref name=LivX1619>[[Lívio]], ''[[Ab Urbe condita libri|Ab Urbe condita]]'' 18X, 16-20.19</ref>.
 
Ao receber notícias destes perigosos eventos, o Senado enviou Ápio Cláudio para a Etrúria à frente da Legio I e IX, além de {{formatnum|12000}} tropas aliadas, mas o resultado foi uma série de batalhas inconclusivas. O segundo cônsul para o mesmo ano, Lúcio Volúmnio Flama, estava apoiando os dois procônsules na destruição de Sâmnio quando os [[lucanos]] desertaram, influenciados por um apelo do povo comum de Sâmnio. Flama alega ter recebido uma carta de Cláudio pedindo sua ajuda, uma reivindicação depois negada por ele. Enviando Fábio Máximo para tratar dos lucanos, o próprio Flama seguiu para a Etrúria<ref name=LivX1619/>.
 
Cláudio não ficou satisfeito de vê-lo e ordenou que ele fosse embora, mas foi dissuadido pelos oficiais de seu próprio exército. Os homens realizaram uma votação verbal de magnitude que chegou a criar apreensão no acampamento inimigo e eles se prepararam para o combate. Os romanos partiram imediatamente para aluta, com Cláudio cedendo por não ter mais o que fazer. Os romanos atacaram tão ferozmente com Cláudio à frente, que se posicionou nas primeiras fileiras com seus homens e lutava invocando incessantemente a [[deus romano|deusa romana]] da guerra, [[Belona (deusa)|Belona]], com os braços erguidos para o céu. A luta terminou em uma vitória completa dos romanos, que expulsaram os inimigos de seu acampamento, matando {{formatnum|7300}} e tomando {{formatnum|2120}} prisioneiros<ref name=LivX1619/>{{efn|Lívio não cita o nome da batalha e nem a localiza na Etrúria.}}.
 
Enquanto isto, as forças reduzidas de Fábio Máximo e Décio Mus não foram capazes de conter os samnitas, que levantaram um outro exército para invadir e saquear a [[Campânia]]. Chegando lá depois de marchas forçadas, Flama soube que o exército samnita estava acampado perto do rio [[Volturno]], já no caminho de volta a Sâmnio. Na [[Batalha de Volturno]], o exército de Flama esperou numa emboscada do lado de fora do acampamento samnita. Ele havia infiltrado-o com espiões nativos na noite anterior, que informaram que os samnitas iniciariam a marcha ao raiar do dia. Ao amanhecer, Flama permitiu que parte do exército marchasse para fora, dividindo suas forças, antes de lançar um ataque com tal ferocidade que logo a batalha passou a se desenrolar dentro do acampamento. {{formatnum|7400}} prisioneiros romanos aprisionados pelos samnitas foram libertados e se juntaram ao combate. No final do dia, os romanos mataram {{formatnum|6000}}, tomaram mais {{formatnum|2500}} prisioneiros, incluindo quatro [[tribuno militar|tribunos militares]] e o comandante, Estácio Minácio, além de 30 estandartes. Eles redistribuíram os espólios capturados aos seus respectivos donos e o que não foi reivindicado foi dado aos soldados. As esperanças samnitas sofreram, nesta batalha, um golpe fatal.
 
Notícias chegaram em Roma, porém, que Gélio Egnácio havia conseguido levantar um outro exército no norte, composto por samnitas, etruscos, úmbrios e gauleses. O Senado, em ponto de desespero, preparou-se para mobilizar o que restava das forças romanas. Um alistamento de todos os homens, incluindo adolescentes, velhos e filhos de [[liberto (Roma Antiga)|liberto]]s foi determinado. Pela primeira vez, o Senado começou a debater uma despopulação completa de Sâmnio, uma medida que, contudo, jamais foi levada adiante.
 
== Anos finais ==