Fausta: diferenças entre revisões

198 bytes adicionados ,  19h46min de 30 de janeiro de 2016
sem resumo de edição
|floruit =
}}
'''Fausta''' ({{lang-la|''Flavia Maxima Fausta''}}; [[Roma]], [[289]] - [[326]]) foi uma [[imperatriz-consorte romana]], esposa do [[imperador romano|imperador]] [[Constantino I]] e filha do imperador [[Maximiano (imperador)|Maximiano]]. Para selar a aliança entre eles pelo controle da [[Tetrarquia]], em 307, Maximiano casou a filha com o co-imperador Constantino, que se afastou de sua primeira esposa, [[Minervina]]. Constantino e Fausta já estavam prometidos desde 293.
 
== História ==
Fausta teve um importante papel na queda do pai, que morreu em 310 depois de fracassar em uma conspiração contra a vida de Constantino. Maximiano decidiu envolver sua filha no complô, mas ela revelou o plano para o marido, atrapalhando os planos. Maximiano morreu, por suicídio ou assassinato, em julho do mesmo ano.
 
[[File:2 Solidi, Fausta, pietas of the emperess, Trier, 324 AD - Bode-Museum - DSC02727.JPG|thumb|left|Moeda com a imagem da rainha no [[Museu Bode]], em [[Berlim]].]]
 
A imperatriz Fausta era tida em alta estima por Constantino e a prova disso foi que em 323 ela foi proclamada ''[[augusta (honorífico)|augusta]]''; antes disso ela já era [[nobilíssima]]. Porém, três anos depois, logo depois da execução de [[Crispo (filho de Constantino)|Crispo]], seu filho mais velho com Minervina, Constantino mandou matá-la. As duas mortes estão inter-relacionadas: Fausta tinha ciúmes de Crispo, como atesta a obra anônima ''Epitome de Caesaribus''<ref>41.11–12; De acordo com algumas fontes, ela teria acusado Crispo de [[estupro]] e Constantino mandou matá-lo por isso. Stephenson lembra que se Fausta tivesse relatado uma história falsa de traição e foi morta depois por causa do remorso de Constantino, o ''[[damnatio memoriae]]'' contra Crispo não foi, na realidade, repelido.</ref> ou, alternativamente, o [[adultério]] dela, talvez com o enteado - que tinha a mesma idade dela -, também já foi sugerido. Fausta foi executada por sufocamento num banho muito quente<ref>{{citar web|url=http://www.roman-emperors.org/fausta.htm |publicado=Roman Emperors| título = Fausta |data=09/09/1997|acessodata=20/07/2013}}</ref>, uma forma de execução que não aparece mais nenhuma outra vez nas fontes. David Woods propõe uma conexão entre o banho quente com as técnicas da época para provocar o [[aborto]]<ref>Woods,"On the death of the empress Fausta", ''Greece and Rome'' '''45''' (1998:70–86).</ref>, o que sugeriria um filho indesejado, provavelmente fruto do adultério, de acordo com a biografia de Constantino de Paul Stephenson<ref>Stephenson 2010:222.</ref>.