Diferenças entre edições de "Instituto da Nobreza Portuguesa"

265 bytes removidos ,  11h11min de 3 de fevereiro de 2016
→‎Instituto da Nobreza Portuguesa: - falsificação grotesca de fonte, usou uma coisa de 2001 para fundamentar outra que só existiu depois de 2004
(→‎Conselho de Nobreza: Ainda sobraram uns aqui)
(→‎Instituto da Nobreza Portuguesa: - falsificação grotesca de fonte, usou uma coisa de 2001 para fundamentar outra que só existiu depois de 2004)
 
==Instituto da Nobreza Portuguesa==
O Instituto da Nobreza Portuguesa, fundado em [[2004]] por determinação de [[Duarte Pio de Bragança]], tem a sua sede em [[Lisboa]], no [[Palácio dos Marqueses de Fronteira]], parte da Fundação das Casas Fronteira e Alorna.<ref>http://www.fronteira-alorna.pt/</ref> Os objectivos do Instituto são promover a conservação e divulgação do património cultural da Nobreza Portuguesa e principalmente reconhecer aos interessados que se lhe dirigirem o direito ao uso, quando legítimo, de [[títulos nobiliárquicos]], [[Dom|tratamentos honoríficos]] e [[brasão de armas|brasões de armas]]. No fundo, o Instituto tem como função regular todos os assuntos do foro nobiliárquico, aplicando o direito nobiliárquico historicamente fixado pelas leis e costumes anteriores a [[1910]].<ref>Boletim do Instituto da Nobreza Portuguesa - 2001, págs. 7-8.</ref>
 
O Instituto da Nobreza Portuguesa integra membros efectivos e agregados. Como membros efectivos apenas são aceites nobres titulares (ou seja detentores de títulos nobiliárquicos); no caso dos membros agregados já são aceites nobres de qualquer grau (incluindo por exemplo os membros da fidalguia de cota de armas).<ref>Boletim do Instituto da Nobreza Portuguesa - 2001, pág. 10.</ref>
211 972

edições