Mirabe: diferenças entre revisões

24 bytes removidos ,  12 de fevereiro de 2016
sem resumo de edição
m (Renato de carvalho ferreira moveu Mihrab para Mirabe: dicionarizado)
{{SemMais-fontes|data=maiofevereiro de 20102016}}
{{Título em itálico}}
[[FicheiroImagem:Mehrab majed-e-jomeh yazd femmes en priere.jpg|thumb|150px|''Mihrab''Mirabe na mesquita Masjed-e-jomeh em [[Yazd]], [[Irão]].]]
{{Sem-fontes|data=maio de 2010}}
[[Ficheiro:Mehrab majed-e-jomeh yazd femmes en priere.jpg|thumb|150px|''Mihrab'' na mesquita Masjed-e-jomeh em [[Yazd]], [[Irão]].]]
'''''Mihrab''''' ou '''mirabe''' ([[língua árabe|árabe]]: ‏محراب‎, ''miḥrāb'') é um termo que designa um [[nicho]] em forma de [[abside]] numa [[mesquita]]. Tem como função indicar a direção da cidade de [[Meca]] (''[[qibla]]''), para qual os [[muçulmano]]s se orientam quando realizam as cinco orações diárias ([[salá]]).
 
'''''Mihrab''Mirabe''' ou '''mirabemirabi'''{{harvref|Alves|2014|p=647}} ([[língua árabe{{langx|ar|árabe]]: ‏محراب‎, ||''miḥrāb''}}) é um termo que designa um [[nicho]] em forma de [[abside]] numa [[mesquita]]. Tem como função indicar a direção da cidade de [[Meca]] (''[[qibla]]''), para qual os [[muçulmano]]s se orientam quando realizam as cinco orações diárias ([[salá]]).
É no ''mihrab'' que se posiciona a pessoa que lidera as orações, cuja voz que difunde mais facilmente pela mesquita graças à existência deste nicho. De uma forma geral, cada mesquita possui apenas um ''mihrab'', que é frequentemente o ponto mais ricamente decorado (com motivos epigráficos ou vegetais). O ''mihrab'' pode ser feito em [[mármore]], [[azulejo]], [[pedra]] ou [[madeira]].
 
É no ''mihrab''mirabe que se posiciona a pessoa que lidera as orações, cuja voz que difunde mais facilmente pela mesquita graças à existência deste nicho. De uma forma geral, cada mesquita possui apenas um ''mihrab''mirabe, que é frequentemente o ponto mais ricamente decorado (com motivos epigráficos ou vegetais). O ''mihrab''mirabe pode ser feito em [[mármore]], [[azulejo]], [[pedra]] ou [[madeira]].
No tempo do profeta [[Maomé]] (''Muḥammad'') a ''[[qibla]]'' era assinalada com uma simples pedra. O ''mihrab'' surgiu pela primeira vez na época dos [[omíadas]], quando o [[califa]] [[al-Walid I]] ordenou a realização de trabalhos de restauração na [[Mesquita do Profeta]] em [[Medina]] no ano de [[706]]. As escavações realizadas numa mesquita em [[Wasit]], no [[Iraque]], que resultou da junção de duas mesquitas, revelaram que a parte mais antiga, datada do [[século VI]], não tinha ''mihrab'', enquanto que a parte mais recente já apresentava este elemento. A partir de então o ''mihrab'' expandiu-se para outros locais.
 
No tempo do profeta [[Maomé]] (''Muḥammad'') a ''[[qibla]]'' era assinalada com uma simples pedra. O ''mihrab''mirabe surgiu pela primeira vez na época dos [[omíadas]], quando o [[califa omíada|califa]] [[al-WalidUalide I]] ordenou a realização de trabalhos de restauração na [[Mesquita do Profeta]] em [[Medina]] no ano de [[706]]. As escavações realizadas numa mesquita em [[WasitVasit]], no [[Iraque]], que resultou da junção de duas mesquitas, revelaram que a parte mais antiga, datada do [[século {{séc|VI]]}}, não tinha ''mihrab''mirabe, enquanto que a parte mais recente já apresentava este elemento. A partir de então o ''mihrab''mirabe expandiu-se para outros locais.
Julga-se que o ''mihrab'' possa ter sido inspirado nos nichos das [[sinagoga]]s que assinalam o "[[Santo dos Santos]]". Na sinagoga de [[Dura-Europos]] ([[século III]] d.C.), descoberta em [[1935]], já estava presente um nicho onde se guardava a [[Torá]]. Tem sido também proposta uma relação com a abside das igrejas [[Igreja Copta|coptas]].
 
Julga-se que o ''mihrab''mirabe possa ter sido inspirado nos nichos das [[sinagoga]]s que assinalam o "[[Santo dos Santos]]". Na sinagoga de [[Dura-Europos]] ([[século {{séc|III]] d.C.}}), descoberta em [[1935]], já estava presente um nicho onde se guardava a [[Torá]]. Tem sido também proposta uma relação com a abside das igrejas [[Igreja Copta|coptas]].
Vários mirabes do mundo islâmico são conhecidos pela sua beleza. O da antiga [[mesquita de Córdova]], ainda preservado, é formado por [[mosaico]]s multicolores de vidro fundido, um trabalho realizado por artistas do [[Império Bizantino]] no [[século X]]. O ''mihrab'' da mesquita de [[Bijapur]], na [[Índia]], é talvez um dos maiores do mundo, com sete metros de altura e seis metros de largura. Decorado com [[caligrafia]] dourada, apresenta para alguns especialistas influências das igrejas cristãs [[Barroco|barrocas]] ([[Goa]], então controlada por portugueses, não fica muito longe do local).
 
Vários mirabes do mundo islâmico são conhecidos pela sua beleza. O da antiga [[mesquita de Córdova]], ainda preservado, é formado por [[mosaico]]s multicolores de vidro fundido, um trabalho realizado por artistas do [[Império Bizantino]] no [[século {{séc|X]]}}. O ''mihrab''mirabe da mesquita de [[Bijapur]], na [[Índia]], é talvez um dos maiores do mundo, com sete metros de altura e seis metros de largura. Decorado com [[caligrafia]] dourada, apresenta para alguns especialistas influências das igrejas cristãs [[Barroco|barrocas]] ([[Goa]], então controlada por portugueses, não fica muito longe do local).
 
=== Galeria ===
<gallery>
ImageImagem:Cordoba moschee innen4.jpg|''Mihrab''Mirabe da [[Mesquita de Córdova]]
ImageImagem:Mehrab masjed-e-jomeh esfahan.jpg|''Mihrab''Mirabe em mesquita de [[IsfahanIspaã]]
ImageImagem:La Aljafería - Oratorio y Mirhab.JPG|''Mirhab''Mirabe da AljaferíaAljaferia, [[Saragoça]]
ImageImagem:Mihrab in Hagia Sophia (high res).jpg|''Mihrab''Mirabe na [[Basílica de Santa Sofia]]
</gallery>
 
{{referências}}
 
== Bibliografia ==
 
* ALVES, Adalberto - ''Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa'', Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2013. ISBN 978-972-27-2163-9
* {{Citar livro|sobrenome=Alves|nome=Adalberto|título=Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa|ano=2014|editora=Leya|isbn=9722721798|ref=harv}}
 
* PETERSON, Andrew - ''Dictionary of Islamic Architecture''. Routledge, 1994. ISBN 0-415-06084-2.
* THORAVAL, Yves - ''ABCedário do Islão''. Lisboa: Público, 2003. ISBN 972-8179-48-0