Abrir menu principal

Alterações

285 bytes adicionados ,  17h47min de 13 de fevereiro de 2016
Como apreciável cultor do conto idílico e prosador fluente, foi sempre destacado por autorizados críticos. [[Nunes da Rosa]], em ''[[O Telégrafo]]'', de [[18 de Maio]] de [[1942]], considera-o ''uma glória nacional'', pelo nível artístico do seu estilo. [[Júlio de Castilho]], o segundo [[Visconde de Castilho]], que foi [[Distrito da Horta|governador civil da Horta]], refere-se também apreciativamente ao seu estilo e qualidades de artista da linguagem. Como excelente prosador o classifica [[Vitorino Nemésio]].
 
Escritor regionalizanteregional, mas não regionalizante apenas, eé na vida do povo, do Faial e do [[ilha do Pico|Pico]], que encontra a temática para sua obra de ficcionista. Criou personagens de certo realismo e vigor psicológico, observadas na vida social rural.
 
Tentou o romance e o teatro. Não logrou, porém, essa obra teatral impor-se a uma vasta audiência. O seu drama ''Helena de Savignac'' foi representado na Horta em 1888. ''Luísa'', outro drama de colaboração com [[Manuel Zerbone]], lá se representara dois anos antes.
A par de [[Nunes da Rosa]], Florêncio Terra é um escritor açoriano digno de ser conhecido não apenas localmente, mas no plano da literatura lusófona.
 
Faleceu na cidade da Horta a [[25 de Novembro]] de [[1941]], deixando inédita boa parte da sua produção literária que aos poucos tem vindo a ser publicada.
 
A [[30 de Abril]] de [[1958]], a Câmara Municipal da Horta, por proposta do presidente Dr. Sebastião Goulart, deliberou que fosse colocada uma lápide na sepultura de Florêncio Terra e dado o seu nome ao Jardim Público da cidade.
 
A [[21 de Novembro]] de [[1987]], a mesma Câmara, então presidida por Herberto Dart, voltou a homenagear Florêncio Terra, mandando cunhar uma medalha evocativa e colocar uma fotografia sua no Salão Nobre dos Paços do Concelho.
 
A 18 de Maio de 2008, a Câmara Municipal da Horta , presidida por João Castro, prestou de novo louvores a este notável faialense organizando várias cerimónias e mandando descerrar um placa com o seu rosto em bronze no Jardim a que dá o nome.
 
==Referências==