Diferenças entre edições de "Vírus da esgana canina"

73 bytes adicionados ,  15h57min de 14 de fevereiro de 2016
sem resumo de edição
(Criação de página)
 
O '''vírus da esgana canina''' (CDV, do inglês ''Canine Distemper Virus''), também conhecido como '''vírus da cinomose canina''', é um vírus com invólucro de [[Ácido ribonucleico|ARN]] de cadeia simples e polaridade negativa pertencente ao género ''[[Morbillivirus]]'', à família ''[[Paramyxoviridae]]'' e à ordem ''[[Mononegavirales]]''. Apesar do vírus ser primariamente conhecido pela doença que causa em cães, a [[Cinomose|esgana]] ou cinomose, o vírus infecta uma variedade de hospedeiros incluindo lobos, guaxinins, hienas, leões, furões, focas e macacos. <ref>{{citar periódico|ultimo = Bieringer|primeiro = M|titulo = Experimental Adaptation of Wild-Type Canine Distemper Virus (CDV) to the Human Entry Receptor CD150|jornal = PLoS ONE|doi = 10.1371/journal.pone.0057488|url = |acessadoem = |coautores = Jung Woo Han; Sabine Kendl; Mojtaba Khosravi; Philippe Plattet; Jürgen Schneider-Schaulies}}</ref> O vírus da esgana canina têmtem elevada importância veterinária e ambiental.
 
== Patologia ==
O vírus da esgana canina provoca uma doença do mesmo nome caracterizada por uma infecção sistémica, com especial incidência no sistema gastrointestinal, [[sistema respiratório]] e [[sistema nervoso]].<ref>{{citar periódico|ultimo = Beineke|primeiro = A|titulo = Pathogenesis and immunopathology of systemic and nervous canine distemper|jornal = Veterinary Immunology and Immunopathology|doi = 10.1016/j.vetimm.2008.09.023|url = |acessadoem = 23/10/2015|coautores = Seehusen F; Baumgärtner W}}</ref> Após exposição, o vírus infecta inicialmente os [[Linfonodo|nódulos linfáticos]] bronquiais e as [[Tonsila|amígdalas]] seguido por um estado de virémia que leva a um reduzido número de [[Linfócito|linfócitos]] circulantes e plaquetas. Febre, inflamação ocular anorexia são sintomas comuns desta fase. Doze dias após contacto incialinicial com o vírus, sistomassistemas gastrointestinais, como diarreia, vómito e perda de apetite, e sintomas respiratórios, como apneia e tosse, começam a aparecer acompanhados por infecções secundárias de patogénios oportunistas.<ref>{{citar periódico|ultimo = Leisewitza|primeiro = A L|titulo = Canine distemper infections, with special reference to South Africa, with a review of the literature|jornal = Journal of the South African Veterinary Association|doi = 10.4102/jsava.v72i3.635|url = |acessadoem = |coautores = A Carterb, M van Vuurenc, L van Blerkd}}</ref> Complicações do sistema nervoso comuns nesta infecçãoinfeção incluem a inflamação do [[Cérebro humano|cérebro]] e da medula espinal que levam a espasmos musculares e episódios de extensa salivação e movimentos involuntários da [[mandíbula]].<ref>{{citar periódico|ultimo = Creevy|primeiro = Kate|titulo = Overview of Canine Distemper|jornal = The Merck Veterinary Manual: Veterinary Professionals: Generalized Conditions|doi = |url = http://www.merckvetmanual.com/mvm/generalized_conditions/canine_herpesviral_infection/overview_of_canine_herpesviral_infection.html|acessadoem = 21/10/2015}}</ref> Esta convulçõesconvulsões pioram com o desenvolvimento da doença, culminando na morte do animal em 50% dos casos em cães adultos e 80% em cachorros<ref>{{citar web|URL = https://acadogs.com/Canine_Distemper.html|título = CANINE DISTEMPER|data = |acessadoem = |autor = |publicado = American Canine Association, Inc.}}</ref>.
 
== Epidemiologia ==
A transmissão do vírus da esgana é normalmnetenormalmente feita por via de pequenas gotículas explidasexpelidas pelo animal infectadoinfetado, denominadas de [[Aerossol|aerossóis]], ou por exposição a exsudados respiratórios.
 
Cerca de 50% dos cães susceptíveissuscetíveis ao vírus da esgana são infectadosinfetados mas apresentam não apresentam sintomas clínicos. No entanto, em cachorros existe uma maior prevalência do vírus. <ref>{{Citar periódico|titulo = Canine distemper virus detection in asymptomatic and non vaccinated dogs|url = http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-736X2010000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en|jornal = Pesquisa Veterinária Brasileira|issn = 0100-736X|paginas = 132-138|volume = 30|numero = 2|doi = 10.1590/S0100-736X2010000200007|primeiro = Del|ultimo = Puerto|coautores = Helen}}</ref>
 
=== Portugal ===
Em Portugal Continental, para além de cães domésticos, o vírus da esgana também infecta animais selvagens, como sugerido pela detecçãodeteção de anticorpos específicos para o vírus da esgana em lobos e raposas-vermelhas. <ref>{{Citar periódico|titulo = Serologic Survey for Canine Distemper Virus and Canine Parvovirus in Free-ranging Wild Carnivores from Portugal|url = http://dx.doi.org/10.7589/0090-3558-45.1.221|jornal = Journal of Wildlife Diseases|data = 2015-01-02|paginas = 221-226|volume = 45|numero = 1|doi = 10.7589/0090-3558-45.1.221|idioma = EN|primeiro = Nuno|ultimo = Santos|coautores = Cláudia}}</ref>
 
== Organização molecular ==
O vírus da esgana é bastante semelhante ao [[vírus do sarampo]] e é composto por uma única molécula de [[Ácido ribonucleico|ARN]], linear de cadeia simples e polaridade negativa. Contém cerca de 15,.000 &nbsp;nucleótidos &nbsp;codifica oito proteínas: seis proteínas estruturais e duas não-estruturais. As proteínas estruturais são: &nbsp;'''N''' &nbsp;ou nucleoproteína; &nbsp;'''P''' &nbsp;ou fosfoproteína; &nbsp;'''M''' &nbsp;ou proteína da matrix; &nbsp;'''H''' &nbsp;ou hemaglutinina; &nbsp;'''F''' &nbsp;ou proteina de fusão e &nbsp;'''L''' &nbsp;ou ARN-polimerase dependente de ARN. As proteínas &nbsp;'''C''' &nbsp;e &nbsp;'''V''' &nbsp;(não-estruturais) são traduzidas alternavimentealternadamente do gene de P. O genoma de ARN encontra-se associado à nucleoproteína, formando uma longa cadeia helicoidal. Por sua vez, esta nucleocápside associa-se às proteinasproteínas L e P formando um complexo conhecido como o complexo '''ribonucleoproteico''' (RNP). Sendo um vírus com invólucro, o complexo RNP é circundado por um invólucro lipídcolipídico o que tem origem na membrana citoplasmática da célula hospedeira. Nesta membrana, encontram-se duas proteínas virais H e F. <ref>{{Citar periódico|titulo = Phylogenetic Characterization of Canine Distemper Viruses Detected in Naturally Infected Dogs in North America|url = http://jcm.asm.org/content/43/10/5009|jornal = Journal of Clinical Microbiology|data = 2005-10-01|issn = 0095-1137|pmid = 16207955|paginas = 5009-5017|volume = 43|numero = 10|doi = 10.1128/JCM.43.10.5009-5017.2005|idioma = en|primeiro = Ingrid D. R.|ultimo = Pardo|coautores = Gayle C.}}</ref><ref>{{Citar periódico|titulo = The Hemagglutinin of Canine Distemper Virus Determines Tropism and Cytopathogenicity|url = http://jvi.asm.org/content/75/14/6418|jornal = Journal of Virology|data = 2001-07-15|issn = 0022-538X|pmid = 11413309|paginas = 6418-6427|volume = 75|numero = 14|doi = 10.1128/JVI.75.14.6418-6427.2001|idioma = en|primeiro = Veronika von|ultimo = Messling|coautores = Gert}}</ref>
 
== Referências ==
38 326

edições