Diferenças entre edições de "Anti-imperialismo"

2 bytes adicionados ,  02h53min de 29 de fevereiro de 2016
→‎História: Corrigindo o nome Quênia em grafia em inglês para a grafia em português
(→‎História: Corrigindo o nome Quênia em grafia em inglês para a grafia em português)
Entretanto, os conflitos armados não puderam ser evitados, pois, em [[1946]], a [[França]] desacatou as ordens da ONU e iniciou uma campanha militar para reprimir os movimentos de independência na [[Indochina francesa]], esta campanha ficou conhecida como [[Guerra da Indochina]]. Em [[1954]], a França também organizou campanhas para reprimir a luta por independência estabelecida na [[Argélia]]. Em [[1956]], o [[Reino Unido]] aliado a [[Israel]] e a própria França, iniciou uma ofensiva contra o [[Egito]], com intuito de iniciar um processo de recolonização do mesmo (Um vez que o Egito tinha se separado do Reino Unido anteriormente, em 1952). Entretanto, todos estes movimentos militares foram reprimidos, o que motivou diversas colônias a aderir à ideologia e buscar separação da potência européia.
 
O apogeu do movimento surgiu nas décadas nas décadas de [[Década de 1960|60]] e [[Década de 1970|70]], com diversas guerras de independência acontecendo ao redor do mundo, como a do [[Vietnã]], [[Zâmbia]], [[KenyaQuênia]], [[Congo]], [[Togo]], [[Níger]], [[Tanzânia]], [[Indonésia]], [[Burkina Faso]], dentre outros.
 
Com o colapso da [[União das Repúblicas Socialistas Soviéticas|União Soviética]] em [[1991]], o movimento perdeu seu maior aderente, resultando na necessidade das demais nações de serem solidárias umas com as outras. O [[Globalização|processo de globalização]], de certa forma, até simplificou o processo. Entretanto, o pacote econômico conhecido como [[Consenso de Washington]], que fora adotado por diversas nações na [[década de 1990|década de 90]], foi uma catástrofe para diversos países anti-imperialistas do [[segundo mundo]].
Utilizador anónimo