Abrir menu principal

Alterações

22 bytes adicionados ,  04h44min de 9 de março de 2016
m
Neste ínterim, Leo Felipe tentou ingressar no curso de Artes Visuais, mas não teve sucesso. Então optou pelo [[Jornalismo]], graduando-se em 2003. Depois passou a escrever, publicando os livros ''AUTO'' (2004) e ''O Vampiro'' (2006),<ref name="Culturíssima"/><ref>[http://www.coletiva.net/noticias/2006/11/apresentador-leo-felipe-e-o-convidado-do-primeira-pessoa/ "Apresentador Leo Felipe é o convidado do ''Primeira Pessoa''"]. ''Coletiva'', 03/11/2006</ref> e colaborando com a revista ''Noize'' e o jornal ''Pois é'' com artigos sobre música, arte, cinema e outros temas.<ref>Felipe, Leo. [http://issuu.com/noize/docs/noize64_dez_jan_fev_2014/30 "HEROISEMQUERER"]. In: ''Noize'', 2014; 64 (7):30-38</ref><ref>Felipe, Leo. [http://noize.com.br/o-resumo-dos-ultimos-capitulos-anna-pavlova-e-thurston-moore/ "Coluna | O resumo dos últimos capítulos: Anna Pavlova e Thurston Moore"]. ''Noize'', 20/04/2012</ref><ref>Felipe, Leo. [http://noize.com.br/estranho-mundo-die-antwoord/ "Coluna | Estranho mundo: Die Antwoord"]. ''Noize'', 06/04/2012</ref><ref> [http://www.fotolog.com/jornal_poise/26619066/ "Leo Felipe no Pois é"]. ''Jornal Pois é'', 20/03/2008</ref> Em 2014 lançou ''A Fantástica Fábrica'', que narra sem rodeios a fervilhante trajetória do Garagem Hermética. O livro é produto de dez anos de trabalho. Partes de seu material foram sendo publicadas no seu [[blog]] e em outros veículos à medida que iam sendo redigidas. A partir da boa repercussão, o autor decidiu reunir suas histórias em um livro, que recebeu ampla divulgação e muitas críticas positivas.<ref name="Garagem"/><ref name="Noize"/><ref name="Galera">Galera, Daniel. [http://oglobo.globo.com/cultura/garagem-historica-12525348 "Garagem histórica"]. ''O Globo'', 18/05/2014 </ref><ref name="Senhor F"/><ref name="Cultura"/><ref name="fabico"/> As [[psicodelia|psicodélicas]] ilustrações do livro são de Diego Medina, ex-[[Video Hits]].<ref name="fabico">Santos, Laura Pacheco dos. [http://issuu.com/jornaldauniversidade/docs/ju_171_-_junho_2014/12 "O velho Garagem"]. In: ''Jornal da Universidade'', 2014; XVII (171):12</ref> Segundo o autor, "quando pensei na transição do blog para o livro, vi que não podia me autocensurar. Apesar de ter coisas muito fortes, alterei o mínimo possível".<ref>Pedrazza, Danilo & Velazquez, Matheus. [http://ladob.espm.br/index.php/8-minorias/9-garagem-hermetica-entre-bebidas-festas-blogs-e-livros "Garagem Hermética: Entre Bebidas, Festas, Blogs E Livros"]. ''Lado B'', 2015</ref> André Araújo, na revista ''[[Noize]]'', assim o analisou:
 
::''"O livro de Leo Felipe vem de certa forma preencher um vácuo na história da [[cultura pop]] porto-alegrense. Enquanto o pessoal da Oswaldo <sup>Ver nota</sup> <ref>Refere-se à avenida Oswaldo Aranha, entre os anos 70 e 80 o centro da contracultura local.</ref> recebeu, com méritos, extensa reflexão e registro, a geração dos anos 90 parece que nunca recebeu a atenção necessária em relação aos seus [[mito fundador|mitos de origem]]. [...] Interessante na verdade é que Leo Felipe não assume aqui ares de historiador ou jornalista-testemunha do berço de uma cena cultural tão rica como a do Garagem. O livro de Leo Felipe é um legítimo ''memoir'', que conta muito mais a sua história pessoal do que a distanciada de um bar. Sorte que ambas coexistem e se confundem fortemente. [...] Mas não se enganem: poderia ser um saco ficar lendo sobre a ascensão e decadência de um jovem nos seus vinte e poucos anos, seja ela física, moral ou financeira. No caso de ''A Fantástica Fábrica'' é sensacional. Muito pela tradução perfeita que Leo Felipe consegue fazer do ''[[ethos]]'' noventista"''.<ref name="Noize">Araújo, André. [http://noize.com.br/resenha-livro-a-fantastica-fabrica/#1 "Resenha: A Fantástica Fábrica"]. ''Noize'', 22/06/2014</ref>
 
Fabrício Silveira, do grupo de pesquisa CultPop, vinculado ao Programa de Pós-Graduação da [[UNISINOS]], também deixou impressão favorável:
 
::"''"A Fantástica Fábrica'' é um livro delicioso. Não consegui parar de ler. Leo Felipe nos apresenta um relato corajosamente franco, irônico, às vezes, hilário, sobre o Garagem Hermética, bar que comandou durante boa parte da década de 1990. Tratava-se de um ponto de encontro obrigatório, um parque de diversões do ''underground'' rockeiro do cidade. Por ali passou muita gente (assombrações, [[Otto Guerra]], [[Edu K]] perneta, Júpiter Maçã, ilustres conhecidos, ilustres desconhecidos, ilustradores e cineastas independentes). Ali aconteceu muita coisa (brigas, amores, quedas, pinduras, concertos desastrosos, atraques policiais). O livro faz justiça a isto tudo. É como se o Garagem tivesse existido para se tornar um livro. Sem ser nostálgico nem saudosista, ''A Fantástica Fábrica'' faz um brinde à memória e à experiência que nos vinculam ao presente. É uma leitura altamente recomendável"''.<ref name="UNISINOS">Silveira, Fabrício. [https://projetocultpop.wordpress.com/2014/09/08/garagem-hermetica/ "Garagem Hermética"]. Grupo CultPop - UNISINOS, 08/09/2014</ref>
[[File:AAJR.jpg|thumb|left|250px|Apresentação da banda Aristóteles de Ananias Jr. no Programa ''Radar'', da TV Educativa.]]
[[File:Fundação Ecarta - pixação artística.jpg|thumb|250px|left|Prédio da Fundação Ecarta decorado com pixação e graffiti patrocinadas por Leo Felipe.]]
Logo após sua formatura no Jornalismo passou a apresentar o programa ''Radar'' da [[TV Educativa de Porto Alegre|TV Educativa]] do Rio Grande do Sul, dirigindo-o por por oito anos, da mesma maneira dando espaço para a produção emergente e alternativa da cena musical gaúcha. Enquanto isso, entre 2006 e 2009 foi curador do projeto ''República do Rock'' promovido pela Coordenação de Música da Secretaria Municipal de Cultura, e passou a se interessar mais fortemente pelas artes visuais, que admirava desde a juventude.<ref name="Culturíssima"/><ref name="Ecarta"/>
 
Ao deixar a TVE em 2011, foi convidado pela [[Fundação Ecarta]] para assumir a gerência e a [[curadoria]] da sua galeria de arte, imediatamente expandindo suas atividades e projetando o nome do espaço,<ref name="Culturíssima"/> que em 2012 recebeu o ''[[Prêmio Açorianos]]'' na categoria Destaque Espaço Institucional de Divulgação Cultural.<ref>[http://www.sinpro-rs.org.br/idiomas/noticias.asp?id_noticia=1066&key_noticia=28M7104L5mD68JIEIn51 "Ecarta ganha Prêmio Açorianos como espaço institucional"]. SINPRO/RS, 09/05/2012</ref><ref>[http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smc/default.php?reg=21&p_secao=180 "Premiados no VI Açorianos de Artes Plásticas"]. Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre</ref> Integrou em 2011 o conselho curatorial da ''Casa M'', projeto da 8ª [[Bienal do Mercosul]], fez da parte da comissão de seleção do ''Prêmio IEAVI'', mantido pelo [[Instituto Estadual de Artes Visuais]],<ref>Bienal Mercosul. [http://bienalmercosul.siteprofissional.com/pt/participante/134 ''Leo Felipe''].</ref><ref name="Ecarta">Fundação Ecarta. [http://www.fundacaoecarta.org.br/galeria/curriculos/leoo.html ''Leo Felipe'']. </ref><ref>[http://www.cultura.rs.gov.br/v2/2013/09/eduardo-veras-leo-felipe-e-ana-baldisserotto-assinam-curadoria-de-exposicoes-do-ieavi/ "Eduardo Veras, Léo Felipe e Ana Baldisserotto assinam curadoria do IEAVi"]. Assessoria de Comunicação da Casa de Cultura Mario Quintana, 24/09/2013</ref> é diretor da rádio [[Mínima FM]], onde apresenta o programa ''Elefante'', voltado a uma programação cultural, com música e entrevistas,<ref name="Culturíssima"/><ref name="Ecarta"/> ministra palestras e seminários e faz curadorias independentes, entre outros projetos.<ref>Maya, Bruno. [http://cineesquemanovo.org/2014/leo-felipe-ministra-o-quinto-seminario-do-cen-2011/ "Leo Felipe ministra o quinto seminário do CEN 2011"]. Cine Esquema Novo, 2011</ref><ref>[http://mundocult.com.br/projeto-urbe-na-casa-de-cultura-mario-quintana/ "Projeto URBE na Casa de Cultura Mário Quintana"]. ''Mundo Cult'', 25/09/2014</ref><ref>[http://www.rockgaucho.com.br/noticias/diego-medina-ex-video-hits-leva-seu-mundo-psicodelico-ao-museu-do-trabalho.html "Diego Medina (ex-Video Hits) leva seu mundo psicodélico ao Museu do Trabalho"]. ''Rock Gaúcho'', 19/02/2015</ref><ref>Galeria Arte&Fato. "O Texto de Leo Felipe". Disponível em [<nowiki>http://artefatogaleria.blogspot.com.br/2015/04/o-texto-de-leo-felipe.html</nowiki>]</ref><ref>[http://feest.com.br/bate-papo-caminhos-do-rock-com-os-jornalistas-daniel-soares-e-leo-felipe-projeto-republica-do-rock-especial-dia-mundial-do-rock-porto-alegre-rs-14-07 "Batepapo Caminhos do Rock, com os jornalistas Daniel Soares e Leo Felipe Projeto República do Rock Especial Dia Mundial do Rock"]. ''Feest'', jul/2013</ref><ref>Sarau Elétrico. [http://www.saraueletrico.com.br/edicoes.php ''Edições anteriores''].</ref><ref>[http://www.ccmq.com.br/2014/04/semana-da-cultura-do-rs-no-uruguai-abre-com-artes-visuais/ "Semana da Cultura do RS no Uruguai abre com Artes Visuais"]. Casa da Cultura Mario Quintana, s/d.</ref> É também conhecido [[DJ]], há mais de dez anos produtor e animador da festa ''Pulp Friction'', que ocorre uma vez por mês no [[Bar Ocidente]] e já se tornou tradicional na noite porto-alegrense.<ref name="Cadernos"/><ref>[http://www.maisportoalegre.com/sabado-tem-pulp-friction-no-ocidente/ "Sábado tem Pulp Friction no Ocidente"]. ''Mais Porto Alegre'', 11/07/2014</ref><ref>Brigatti, Gustavo. [http://zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2013/09/baladas-se-firmam-na-noite-de-porto-alegre-com-personalidade-e-publico-fiel-4260341.html "Baladas se firmam na noite de Porto Alegre com personalidade e público fiel"]. ''Zero Hora'', 06/09/2013</ref>
O seu interesse pela contracultura se expressou também no ambiente acadêmico. Em 2013 obteve o [[Mestrado]] em História, Teoria e Crítica de Arte pela [[Universidade Federal do Rio Grande do Sul]] com a dissertação ''Rock My Art, ou O Novo Esteticismo de "Por que Choras?", ou O dia em que Edu K entrou para a História da Arte'',<ref name="Culturíssima">Teló, Luiz Paulo. [http://culturissima.com.br/especial/a-franqueza-de-leo-felipe/ "A Franqueza de Leo Felipe"]. ''Culturíssima'', 24/05/2015</ref> que analisa a [[performance]] ''Por que Choras?'', de [[Telmo Lanes]] e [[Rogério Nazari]], que teve acompanhamento do grupo de rock [[DeFalla]], "apontando momentos do século XX em que o campo das artes visuais foi cruzado com o da cultura popular massiva representada pelo rock", propondo "reflexões acerca do fazer da própria [[História da Arte]] e das maneiras de produção da chamada pós-crítica".<ref>Felipe, Leonardo Azevedo. [https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/87668/000911766.pdf?sequence=1 ''Rock My Art, ou O Novo Esteticismo de "Por que Choras?", ou O dia em que Edu K entrou para a História da Arte'']. Dissertação de Mestrado. UFRGS, 2013</ref>
 
No texto '"O Legado da Contracultura", relacionado à exposição ''Um firme e vibrante NÃO'', sob a curadoria dele e de Jorge Bucksdricker, que enfocou exatamente este universo e circulou por [[Pelotas]], [[Caxias do Sul]] e Porto Alegre,<ref>[http://diariodamanhapelotas.com.br/site/exposicao-sobre-contracultura-chega-a-pelotas-em-itinerancia-promovida-pela-galeria-ecarta/ "Exposição sobre contracultura chega a Pelotas em itinerância promovida pela galeria Ecarta"]. ''Diário da Manhã'', 17/06/2015</ref> Leo Felipe deixou sua visão sobre a importância de um movimento que ele conhece por dentro:
 
::''"A revolução proposta pela contracultura é de uma abrangência que vai do molecular ao social, do psicológico ao ambiental. Não é a revolução vinda da classe proletária, são os filhos burgueses da [[tecnocracia]] que se rebelam questionando um modelo desenvolvimentista de progresso que nos desconecta da natureza e do ser. Num contraditório jogo de forças, a transgressão da contracultura não está imune à cooptação, assimilação ou diluição, já que sempre fará parte da cultura contra a qual tentar insurgir-se. [...] A contracultura nos ensinou como criar sistemas alternativos de circulação e difusão da informação: imprensa alternativa, [[arte postal]], os [[fanzine]]s, modelos que sugerem que para combater o inimigo é preciso aprender a usar suas armas. ''A informação quer ser livre'', o aforismo [[hacker]] do escritor [[Stewart Brand]] (postulado lá por 68, claro), se torna um axioma para o século digital, a despeito de todas as tentativas de controle"''.<ref>Felipe, Leo. [http://www.nonada.com.br/2014/11/o-legado-da-contracultura/ "O Legado da Contracultura"]. ''Nonada'', 14/11/2014</ref>
 
{{Referências|col=2}}