Diferenças entre edições de "Pedro Faleiro"

Sem alteração do tamanho ,  15h23min de 20 de março de 2016
sem resumo de edição
* Catarina Galvão ([[Estremoz]], c. 1445 - ?), casada com Pedro Colaço Godinho (c. 1440 - ?), que deve ser o Pedro Colaço que, a 5 de Outubro de 1483, foi [[Escrivão]] das [[Sisa]]s do [[Outeiro de Miranda]], e a 3 de Dezembro de 1486, [[Inquiridor]] e [[Contador]] de [[Moura]], certamente filho do Pedro Colaço que, a 24 de Abril de 1466, foi Escrivão das Sisas da [[vila]] de Outeiro de Miranda, em substituição de João Gomes, que renunciara, e que deve ser o Pedro Colaço, [[Escudeiro]], morador em [[Arraiolos (freguesia)|Arraiolos]], que, a 20 de Maio de 1438, foi nomeado novamente para o cargo de Juiz das Sisas desta vila, e reconfirmado no cargo a 10 de Julho de 1451, e de sua mulher, com geração
* Pedro Faleiro; a 6 de Fevereiro de 1472, D. Afonso V de Portugal concede Carta de Privilégio de Fidalgo a Pedro Faleiro, filho do Doutor Pedro Faleiro, para todos os [[caseiro]]s, servidores, amos, [[mordomo]]s e apaniguados que servirem com [[capa]]s e [[saia]]s, e estiverem nas suas [[quinta]]s e casais encabeçados e nas suas [[herdade]]s, isentando-os de pagarem [[imposto]]s e encargos [[Concelho|concelhios]] nos lugares onde morarem, de irem com [[Prisão|presos]] e [[dinheiro]]s, de serem [[tutor]]es e [[curador]]es, de pagar [[jugada]], postos por [[besteiro]]s do conto, da vintena do [[mar]] e do direito de [[pousada]]; a 25 de Junho de 1483, D. [[João II de Portugal]] recebeu Pedro Faleiro como seu [[Escudeiro]]; a 8 de Agosto de 1513, D. Martinho mandou Pedro Rosado dar a Manuel Vieira, [[Capitão]] da [[barca]] de Pedro Faleiro, 5 [[arroba]]s e 22 [[arrátel|arráteis]] de [[vaca]] para mantimento de sete homens, que leva na barca, por tempo de um mês
* Rui Galvão, [[Cónego]] e [[Mestre-Escola]] da [[Sé Velha de Coimbra|Sé de Coimbra]]; a 30 de Abril de 1463, D. Afonso V de Portugal doou ao Doutor Pedro Faleiro, seu Desembargador, enquanto sua mercê for, uma tença anual de 4$800 reais para o estudo de seu filho Rui Galvão; a 20 de Setembro de 1486, o [[Cabido]] da [[Sé]] de [[Coimbra]] autorizou Luís Barradas, [[Arcediago]] da Sé, e Rui Galvão, Cónego da mesma, a ausentarem-se cinco anos para frequentarem o estudo da [[Universidade de Salamanca]], recebendo anualmente 20$000 reais o primeiro e 17$000 reais o segundo (Arquivo da [[Universidade de Coimbra]], Livro 1 de Acordos do Cabido 1, Fólios 98 e 98v)
 
{{referências}}
Utilizador anónimo