Diferenças entre edições de "Rio Branco"

1 byte adicionado ,  18h06min de 11 de abril de 2016
m
acertos
(textos)
m (acertos)
 
Sua população, de acordo com o [[Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística]] (IBGE), era de {{fmtn|370550}} habitantes, fazendo de Rio Branco a [[Lista de municípios da Região Norte do Brasil por população|sexta cidade mais populosa]] da [[Região Norte do Brasil|Região Norte do Brasil]]. Sua área territorial é de {{fmtn|9222.58}} km², sendo o quinto município do estado em tamanho territorial.<ref name ="IBGE_Área"/> De toda essa área, 50,70&nbsp;km² estão em [[perímetro urbano]], o que classifica Rio Branco como sendo a [[Lista das maiores áreas urbanas do Brasil por município|62ª maior do país]].<ref name="Embrapa_AC">{{citar web|url= http://www.webcitation.org/query?url=http%3A%2F%2Fwww.urbanizacao.cnpm.embrapa.br%2Fconteudo%2Fuf%2Fam.html&date=2011-06-03 |titulo=Acre |autor=[[Embrapa Monitoramento por Satélite]] |acessodata=3 de junho de 2011}}</ref>[[Rio Branco]] Está Entre As 100 Melhores Cidade Para Investir Em Imóveis.
 
[[Ficheiro:Bairro Centro Rio Branco.jpg|thumb|vista parcial do centro de Rio branco]]
O povoamento da região de Rio Branco se deu no início do [[século XIX]], com a chegada de nordestinos. O desenvolvimento do município ocorreu durante um grande período dado pelo [[Ciclo da Borracha]].<ref name="Ciclo Envira">{{citar web |url=http://www.webcitation.org/query?url=http%3A%2F%2Fwww.ferias.tur.br%2Finformacoes%2F223%2Fenvira-am.html&date=2011-06-04 |titulo= Envira no FériasTur |autor=Ferias Tur |acessodata=21 de janeiro de 2011}}</ref> Nesta época ocorreu ainda uma miscigenação da população, com traços do branco nordestino com índios Kulinaã, sendo que houve também influência de povos vindos de outras regiões do mundo, como [[Turquia|turcos]], [[Portugal|portugueses]], [[Líbano|libaneses]] e outros.
[[Imagem:Barao do rio branco 00.jpg|esquerda|150px|thumbnail|José Paranhos Júnior, o [[barão do Rio Branco]].]]
 
A capital ganhou este nome em homenagem a José Maria da Silva Paranhos Júnior, que tornou-se amplamente conhecido pelo seu [[título nobiliárquico]]: [[Barão]] do Rio Branco.<ref name="BdRB">{{citar web|url=http://www.ac.gov.br/wps/portal/acre/Acre/estado-acre/municipios/!ut/p/c5/rZHbcoIwEIafxRcgGyCBXqKEyCHxQFDkhqFO60CLOlNHRp6-8capOuXK3ctvvk32X1Qg3fvqXO-qU33YV98oRwUtY5vOVzHHwPnYh3CShKFSPjiMaL6hJfxTHtzbC4tpez72MhlhAPMV9o27kXA1x6tAyjACy7yz3WCmqZlOJomjIB7Dg_08fdheoxzsMm0ux7D_6pdNn5ppknWy2XbCD2bKZ5YAIpS_Eil0-KQ8OLEORJ9d4OdNf3LBvCiV_WU3etzj6a3hC6yvNxvO4coHUpbTQ_uBNqhw_ubBQE9RnEOytDi3kXrhxhEq6vfW6LatAQbFFiHUJjYlDnExyqfo2Ga6zglduvJTeKNfHhrYfw!!/dl3/d3/L2dBISEvZ0FBIS9nQSEh/|título=Rio Branco|autor=Governo do Acre|publicado=[[Internet Archive]]|acessodata=25 de Setembro de 2010|idioma=[[português brasileiro]]}}</ref> Antes estabalecidaestabelecida no Seringal Volta do Empreza, a prefeitura teve sua sede transferida em [[1909]] para onde se localizava o Seringal Empreza.<ref name="BdRB" /> Em [[1912]] a Vila Pennápolis, que se chamava assim em homenagem ao então [[Presidente do Brasil]], [[Afonso Augusto Moreira Pena|Afonso Pena]] teve seu nome alterado para Rio Branco, em homenagem ao diplomata que anexara o [[Estado do Acre|Acre]] ao Brasil.<ref name="BdRB" />
 
O [[José Maria da Silva Paranhos Júnior|Barão do Rio Branco]] nasceu em 20 de Abril de 1845 no [[Rio de Janeiro]]. Iniciou-se na carreira política como [[Ministério Público do Brasil|promotor]] e [[deputado]], ainda no Império. Assumiu o [[Ministério das Relações Exteriores do Brasil|Ministério das Relações Exteriores]], de [[3 de dezembro]] de [[1902]] até sua morte, em [[1912]]. Além de [[diplomacia|diplomata]], foi [[geografia|geógrafo]] e [[história|historiador]]. Junto com [[Joaquim Francisco de Assis Brasil|Assis Brasil]] e [[José Plácido de Castro]], teve papel de destaque na [[Questão do Acre]], que culminou com a assinatura do [[Tratado de Petrópolis]], entre Brasil e [[Bolívia]], pondo fim ao conflito dos dois países em relação ao território do [[Acre]], que passou a pertencer ao Brasil mediante compensação econômica e pequenas concessões territoriais.
1 691

edições