Diferenças entre edições de "Areobindo (senador)"

244 bytes adicionados ,  17h23min de 12 de abril de 2016
sem resumo de edição
|religião = Catolicismo
|ocupação = Oficial
|morte_data = {{morte|||546}}
|morte_local = [[Cartago]]
}}
'''Areobindo''' ({{langx|la|''Areobindus''}}; {{langx|el|Αρεόβινδος||''Areóbindos''}}; m. {{morte|||546}}), igualmente mencionado como '''Areobindas''', '''Ariobindas''', '''Ariovindas''' ou '''Areovindas''', foi um [[senador bizantino|senador]] e oficial bizantino do {{séc|VI}}, ativo durante o reinado do [[imperador bizantino|imperador]] [[Justiniano]] {{nwrap|r.|527|565}}. Notabilizou-se por seu envolvimento nos conflitos entre o [[exército bizantino|exército imperial]] e as [[Berberes|tribos berberes]] da recém-fundada [[Prefeitura pretoriana da África]], bem como por suas infrutíferas tentativas de supressão das inúmeras revoltas no seio do exército lideradas por [[Estotzas]] e então por [[Guntárico]].
 
== Bibliografia ==
[[Imagem:East_Numidia.jpg|thumb|upright=1.05|esquerda|África romana, com as [[província romana|províncias]] de [[Bizacena]], [[Zeugitânia]] e [[Numídia (província romana)|Numídia]]]]
 
DoisEm mesesmarço depoisde 546, os mouros da Numídia e Bizacena uniram forças e marcharam contra Cartago, secretamente encorajados pelo general bizantino [[Guntárico]] e acompanhados por [[João (rebelde)|João]] e os rebeldes anteriormente sob liderança de Estotzas, que por este período estava morto. Ciente do ocorrido, Areobindo convocou Guntário e outros oficiais subordinados com seus homens à Cartago, onde colocou o primeiro como comandante das forças coligadas. Guntário secretamente negociou com Antalas para assassinar Areobindo e dividir igualmente suas riquezas entre eles, enquanto o último, por sua vez, negociou com [[Cutzinas]], líder dos mouros de Bizacena, com quem conseguiu firmar um acordo; Cutzinas prometeu trair Antalas e seus homens quando o confronto iniciasse.<ref name=Mar108 />
 
Areobindo, contudo, revelou isso para Guntárico, que, para ganhar tempo, aconselhou-o a tomar os filhos de Cutzinas como reféns. Enquanto Areobindo e Cutzinas continuaram trocando mensagens, Guntárico planejou provocar a morte do governador em combate, para retirar-lhe as suspeitas, ao sugerir que marchasse contra os mouros acampados nas imediações da capital provincial. Após deliberações decidiu-se que as tropas marchariam e atacariam no alvorecer do dia seguinte, porém, quando o momento chegou, Areobindo, que estava preocupado por sua pouca experiência militar e nada entusiasmado, demorou-se em se armar e fazer os demais preparativos, causando a postergação do ataque para o dia seguinte.{{harvref|Martindale|1992|p=108-109}}