Psicologia experimental: diferenças entre revisões

3 224 bytes removidos ,  16h06min de 14 de abril de 2016
m
Foram revertidas as edições de Joanamalundo para a última revisão de Önni, de 16h52min de 11 de fevereiro de 2016 (UTC)
(nada)
Etiquetas: Editor Visual Possível resumo indevido
m (Foram revertidas as edições de Joanamalundo para a última revisão de Önni, de 16h52min de 11 de fevereiro de 2016 (UTC))
4. Serviço Público: atividade para atender as necessidades públicas.{{Sem-fontes|data=dezembro de 2010| arte=| Brasil=| ciência=| geografia=| música=| Portugal=| sociedade=|1=|2=|3=|4=|5=|6=}}
Joana Malundo, estudante de psicologia
{{revisão}}
{{Psicologia‎}}
O objeto da '''psicologia experimental''' é o comportamento observável, a fim de testar modelos e teorias matemáticas sobre diversos aspectos do mesmo: prestar atenção, perceber, recordar, aprender, decidir, reagir emocionalmente e interagir. Os testes às teorias e modelos são experimentais, isto é, implicam a manipulação de [[variáveis]] ditas independentes e o registo rigoroso e a medição precisa do que acontece às [[variáveis]] dependentes. Por exemplo, manipular a intensidade da luz e registar e medir a velocidade de reacção de pressionar uma determinada tecla face a um estímulo sonoro. As observações que ocorrem nesses estudos experimentais permitem a formulação de [[leis]], tal como em física ou química. Porém, o rigor do conhecimento científico em psicologia experimental implica um rigoroso controlo das potenciais [[variáveis]] parasitas ou confundentes. Por exemplo, se se quiser saber em que medida manipular a intensidade da luz influencia a velocidade de reacção de pressionar uma determinada tecla face a um estímulo sonoro, terá de se controlar rigorosamente qualquer variação sonora no ambiente em que ocorre a experiência. Caso contrário não saberemos se as variações na velocidade de reacção são devidas às mudanças produzidas na intensidade luminosa ou às mudanças aleatórias da intensidade sonora.
 
Na psicologia experimental os conceitos são rigorosamente definidos, sendo as definições do tipo [[operacional]]. Do mesmo modo, os termos (ou nomes) usados para designar os [[conceitos]] são universais. Não é admitida a ambiguidade que ocorre com muita frequência em outras áreas da psicologia. A maioria dos estudos experimentais em psicologia ocorre em ambiente laboratorial, apesar de também poderem ser feitas experiências em ambiente natural, como pretexto para testar modelos desenvolvidos e testados em laboratório ou para gerar ideias que serão testadas nas condições de rigor draconiano dos laboratórios. Em psicologis social é frequente efectuarem-se testes "experimentais" em ambiente natural (tido "apanhados" realizados pelas cadeias de televisão) que geram hipóteses a testar posteriormente em laboratório.
Gestão e administração pública
 
A psicologia experimental pode recorrer tanto a sujeitos humanos como a outros animais, admitindo como paradigma de referência a [[teoria evolucionista]] das espécies.
Administração Pública é um conceito que abrange pelo menos três sentidos distintos, podendo ser entendido como o conjunto de estruturas estatais voltadas para o atendimento de necessidades da coletividade, como o conjunto de funções relacionadas com a gestão da máquina estatal e como área do conhecimento científico-social.
 
Depois de algum declínio da psicologia experimental em todo o mundo, após a [[Segunda Guerra Mundial]], em virtude do desenvolvimento da [[psicologia aplicada]], cada vez mais lírico-narrativa e distante das suas bases experimentais, a roçar o [[new age]] nas últimas décadas, sem eficácia demonstrável, a psicologia experimental está novamente a ganhar visibilidade e adeptos. Em Portugal, alguns centros universitários assumem cada vez maior protagonismo neste domínio: os laboratórios de Psicologia Animal (Prof. Doutor Armando Machado), Cognição Humana (Prof. Doutor Pedro B. Albuquerque), e Neuropsicofisiologia (Prof. Doutor Óscar Gonçalves) da [[Universidade do Minho]], bem como os laboratórios de Psicologia e de Etologia do [[Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA)]], em Lisboa, entre outros.
Em sentido prático ou subjetivo, administração pública é o conjunto de órgãos, serviços e agentes do Estado, bem como das demais pessoas coletivas públicas (tais como as autarquias locais) que asseguram a satisfação das necessidades coletivas variadas, tais como a segurança, a cultura, a saúde e o bem estar das populações. Uma pessoa empregada na administração pública diz-se servidor público ou funcionário público.
 
Com a actual [[reforma de Bolonha]] em curso, algumas universidades portuguesas apostaram numa criação ([[Universidade de Aveiro]]) ou numa adequação ([[Universidade do Minho]]) de cursos de licenciatura em psicologia de caracter mais experimental e numa perspectiva da psicologia enquanto ciência natural, tal como preconizaram os seus fundadores (ex.: [[Wundt]], [[Titchener]], [[William James]]).
A administração pública também designa o conjunto de funções para organizar a administração do Estado em todas as suas instâncias, funções essas regidas por um sistema de normas.
 
Como área de estudo, é uma subárea da administração, enfocando o desenvolvimento e sistematização de conhecimentos administrativos no âmbito das organizações públicas, tendo surgido há mais de um século. Um dos pioneiros da administração pública foi Woodrow Wilson.
 
Ainda na esfera das ciências sociais, o ramo do direito que tem por objeto as normas aplicáveis à administração pública é o direito administrativo.
 
A administração pública tem como objetivo trabalhar a favor do interesse público, e dos direitos e interesses dos cidadãos que administra. Na maior parte das vezes, a administração pública está organizada de forma a reduzir processos burocráticos. Também é comum existir a descentralização administrativa, no caso da administração pública indireta, que significa que alguns interessados podem participar de forma efetiva na gestão de serviços.
 
Um indivíduo que trabalha na administração pública é conhecido como gestor público, e tem uma grande responsabilidade para com a sociedade e nação, devendo fazer a gestão e administração de matérias públicas, de forma transparente e ética, em concordância com as normas legais estipuladas. Quando um agente público incorre em uma prática ilegal contra os príncipios da Administração Pública, ele pode ser julgado por improbidade administrativa.
 
A adminitração pública no Brasil já passou por três fases: a fase patrimonialista (durante a era do Império), burocrática (na era Vargas) e gerencial (fase mais recente que está sendo implementada).
 
Muitas pessoas prestam concurso quando querem exercer um cargo na administração pública.
 
2.1. Administração pública direta e indireta
 
2.1.1. Administraçã o pública direta
 
A administração pública pode ser direta ou indireta. A administração pública direta é desempenhada pelos Poderes da União, pelos Estados, Distrito e Municípios. Estes órgãos não são dotados de personalidade jurídica própria. As despesas inerentes à administração são contempladas no orçamento público e ocorre a desconcentração administrativa, que consiste na delegação de tarefas.
 
2.1.2. Administração pública indireta
 
A administração pública indireta é a transferência da adminsitração por parte do Estado a outras pessoas jurídicas, sendo que essas pessoas jurídicas podem ser fundações, empresas públicas, organismos privados, etc. Neste caso ocorre a descentralização administrativa, ou seja, a tarefa de administração é transferida para outra pessoa jurídica.
 
2.2. Etimologia
 
São indicadas por Oswaldo Aranha Bandeira de Mello duas versões para a origem do vocábulo administração. A primeira é que esta vem de ad (preposição) mais ministro, mais are (verbo), que significa servir, executar; já a segunda indica que, vem de ad manus trahere, que envolve ideia de direção ou gestão. Nas duas hipóteses, há o sentido de relação de subordinação, de hierarquia. O mesmo autor demonstra que a palavra administrar significa não só prestar serviço e executá-lo, como também dirigir, governar, exercer a vontade com o objetivo de obter um resultado útil; até em sentido vulgar, administrar quer dizer traçar um programa de ação e executá-lo.
 
2.3. Modelos
 
Na Europa, existem basicamente quatro modelos de gestão da administração pública, o modelo nórdico (Dinamarca, Finlândia, Suécia e Países Baixos), o modelo anglo-saxão (Reino Unido e Irlanda), o modelo renano ou continental (Áustria, Bélgica, França, Alemanha e Luxemburgo) e o modelo mediterrâneo (Grécia, Itália, Portugal e Espanha).
 
Fora da Europa, países de colônia inglesa quase em sua totalidade adotam o modelo anglo-saxão. Na América Latina a preferência é o modelo mediterrâneo, a exemplo do Brasil. Na Ásia, especialmente no Japão e na Coreia do Sul adotam um modelo semelhante ao renano e ao mediterrâneo.
 
2.3.1. Modelo mediterrâneo
 
O modelo mediterrâneo é mais focado no sistema de carreira, se caracteriza pelo baixo status do funcionalismo, forte intervenção da política na administração e níveis elevados de proteção ao emprego.
 
2.3.2. Modelo nórdico e anglo-saxão
 
O modelo nórdico e anglo-saxão são semelhantes com algumas diferenças, é mais focado no sistema de emprego, adota o alto status do funcionalismo público, baixa intervenção da política na administração, níveis elevados de empregabilidade e seguro-desemprego. Em relação aos níveis de emprego, os modelos nórdico e anglo-saxão apresentam níveis elevados, sendo o nórdico melhor para a redução das desigualdades. No caso nórdico, é adotada uma alta descentralização e independência dos serviços (modelo de agência).
 
2.3.3. Modelo renano ou continental
 
O modelo renano apresenta um meio termo, adota elevado status do funcionalismo público com alta interferência de sindicatos, que são considerados uma categoria especial. Qualquer um dos poderes (executivo, legislativo ou judiciário) tem como atividade típica a administração pública. Esta não se encontra definida em um documento único, mas sim em códigos e leis esparsas. Portanto, as fontes do Direito são: leis, doutrinas, jurisprudência e costumes.
 
Administração Pública no sentido subjetivo (ou formal) é definida como quem administra, a Administração Pública no sentido objetivo (ou material) é definido como as atividades administrativas.
 
Existem Quatro funções administrativas fundamentais:
 
1. Fomento: incentivo à iniciativa privada de utilidade pública;
 
2. Intervenção: regula e fiscaliza a atividade econômica privada;
 
3. Poder de Polícia: condiciona e limita os direitos individuais em benefício do interesse geral;
 
4. Serviço Público: atividade para atender as necessidades públicas.{{Sem-fontes|data=dezembro de 2010| arte=| Brasil=| ciência=| geografia=| música=| Portugal=| sociedade=|1=|2=|3=|4=|5=|6=}}
{{revisão}}
{{Psicologia‎}}
{{Wikilivros|Psicologia}}kjkjkj
 
== Referências e {{Links externos}} ==
{{Wikilivros|Psicologia}}kjkjkj
* [http://www.psicologiaexperimental.blogs.sapo.pt/ Psicologia Experimental]
* [http://webs.psi.uminho.pt/labspsi/lca/ Laboratório de Aprendizagem e Comportamento Animal da Universidade do Minho]
118 644

edições