Diferenças entre edições de "Valentim de Carvalho"

19 bytes adicionados ,  10h06min de 22 de abril de 2016
Predefinição: esboço
(Predefinição: esboço)
 
== Os estúdios ==
Tornaram-se emblemáticos para a música portuguesa os seus estúdios em [[Paço de Arcos]], onde gravaram os seus discos muitos dos grandes nomes da música de Portugal e estrangeiro, como [[Amália Rodrigues]], [[Carlos Paredes]], [[António Variações]], ou [[RollingUHF Stones(banda)|UHF]]. Ou mais recentemente, bandas como [[Os Pontos Negros]], [[Tiago Guillul]], [[GCDayer]], Os Golpes ou os Prana.
 
==Internacionalização==
Nos anos [[1980]], a [[EMI]] decide instalar-se em [[Portugal]], e cria em conjunto com a Valentim a editora EMI-Valentim de Carvalho Música, Lda., que conjugaria a edição dos discos da EMI com a gravação de artistas portugueses numa só empresa.<ref name="oje" /> Em 1994, a Valentim vende a sua participação na EMI-VC à EMI, e esta designação manteve-se até há poucos anos em que a empresa passou a chamar-se EMI Music Portugal. A EMI continuou a distribuir os produtos das discografias da própria Valentim - [[Popular]] e [[NorteSul]] - que se dedica exclusivamente à produção de televisão e ao comércio de discos na sua rede de lojas.
 
A Valentim de Carvalho (rede de lojas-distribuição) foi comprada pelo grupo [[JRP SGPS]], que tinha participações na Oficina do Livro, na Editorial Notícias, e na LNK Vídeo. As lojas foram à falência. A Valentim de Carvalho associou-se à Iplay para a distribuição do seu catálogo. Continua a lançar novos discos com as etiquetas EVC, Norte Sul ou Anjodaguarda. Mantém-se também como estúdio de televisão e venda de instrumentos musicais.
Em 1994, a Valentim vende a sua participação na EMI-VC à EMI, e esta designação manteve-se até há poucos anos em que a empresa passou a chamar-se EMI Music Portugal.
 
A EMI continuou a distribuir os produtos das discografias da própria Valentim - [[Popular]] e [[NorteSul]] - que se dedica exclusivamente à produção de televisão e ao comércio de discos na sua rede de lojas.
 
A Valentim de Carvalho (rede de lojas-distribuição) foi comprada pelo grupo [[JRP SGPS]], que tinha participações na Oficina do Livro, na Editorial Notícias, e na LNK Vídeo. As lojas foram à falência.
 
A Valentim de Carvalho associou-se à Iplay para a distribuição do seu catálogo. Continua a lançar novos discos com as etiquetas EVC, Norte Sul ou Anjodaguarda.
 
Mantém-se também como estúdio de televisão e venda de instrumentos musicais.
 
{{referências}}
 
{{Portal3|Música Portuguesa}}
 
{{esboço-gravadora}}
 
[[Categoria:Empresas produtoras de televisão de Portugal]]
6 393

edições