Diferenças entre edições de "Ilha de Páscoa"

2 bytes adicionados ,  03h16min de 31 de maio de 2016
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.70.70.5 (a palavra planeadas é correta; a localização está de acordo com a fonte citada.), com Reversão e avisos.
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.70.70.5 (a palavra planeadas é correta; a localização está de acordo com a fonte citada.), com Reversão e avisos.)
Na pré-história humana, até [[1200 a.C.]], a expansão polinésia é contada como uma das explorações marítimas mais dramáticas. Povos vindos do continente asiático – agricultores, navegadores, aparentemente originários do arquipélago de Bismark, a nordeste da [[Nova Guiné]], atravessaram quase dois mil quilómetros de mar aberto, a bordo de canoas, para atingir as ilhas da [[Polinésia Ocidental]] de [[Fiji]], [[Samoa]] e [[Tonga]]. Os polinésios, apesar da ausência de [[bússola]], instrumentos de metal e [[escrita]], eram mestres da arte da [[navegação]] e da tecnologia de canoas à vela. Os seus ancestrais produziam uma cerâmica conhecida como ''estilo lapita''.<ref name="Colapso" />
 
Alguns historiadores acreditavam que as ilhas polinésias foram descobertas por acaso. Hoje, porém, há fortes indícios de que, tanto as descobertas como a colonização foram planejadasplaneadas por viajantes que, numa incursão predeterminada, navegavam rumo ao desconhecido. A rota mais provável para a colonização da Ilha De Páscoa deve ter sido a partir das ilhas de [[Mangareva]], [[Pitcairn]] e [[Ilha Henderson|Henderson]], as duas últimas funcionando como trampolins visto que uma viagem directa de Mangareva à Páscoa dura cerca de dezessete dias, principalmente transportando produtos essenciais para a sobrevivência da colónia. A transferência de muitas espécies de plantas e animais – de taro a bananas e de porcos a cães e galinhas, não deixa dúvidas sobre o planeamento da ocupação da Ilha De Páscoa pelos seus colonizadores.<ref name="Colapso" />
 
É incerta a data da ocupação da Ilha de Páscoa, tanto quanto é incerta a data da colonização das ilhas polinésias. Publicações sobre a Ilha de Páscoa registam a sua possível ocupação entre 300-400 d.C., com base em cálculos de tempo a partir de divergências linguísticas – técnica conhecida como glotocronologia, e em datações radiocarbônicas de carvão, além de sedimentos lacustres. Entretanto, especialistas na história de Páscoa questionam tais cálculos, considerados precários quando aplicados a idiomas complexos como o pascoense "(…) conhecido por nós principalmente através de, e possivelmente contaminado por, informantes taitianos e marquesanos."<ref name="Colapso" />
[[Ficheiro:RapaNui L7 03jan01.jpg|thumb|esquerda|[[Imagem de satélite]] da Ilha de Páscoa em 2001.]]
 
Páscoa é uma [[ilha]] vulcânica, seu território tem a forma triangular e é o pedaço de terra mais isolado do mundo, no limite da [[Polinésia Oriental]]. Segundo [[Jared Diamond]], três erupções vulcânicas deram origem à Ilha há milhões de anos, em épocas diferentes. Desde então, os vulcões permanecem adormecidos. O mais antigo deles é o Poike, que entrou em erupção há cerca de 600 mil anos, formando o canto lestesul do triângulo. Da segunda erupção surgiu o Rano Kau, no canto sulsudoeste da ilha. Por último, a erupção do Terevaka, localizado no canto norte do triângulo.<ref name="Colapso" />
 
A ilha ocupa uma área de 170&nbsp;km² e sua elevação é de 510 metros. A sua topografia é suave, sem vales profundos, exceto suas crateras e encostas íngremes e cones de escória vulcânica.<ref name="Colapso" />
14 510

edições