Miscigenação: diferenças entre revisões

63 bytes adicionados ,  22h48min de 8 de junho de 2016
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.83.82.165 (Primeiro, porque a causa direta é a convivência; depois, não foram vários. ), com Reversão e avisos.)
Etiqueta: Edição via aplic. móvel
 
Os africanos trazidos e escravizados no Brasil pertenciam a um leque enorme de etnias e nações. A maior parte eram [[banto]]s, originários de [[Angola]], [[Congo]] e [[Moçambique]]. Porém, em lugares como a [[Bahia]], predominaram os escravizados da região da [[Nigéria]], [[Daomé]] e [[Costa da Mina]] em alguns momentos, principalmente no [[século XVIII]]. Alguns escravizados [[islamismo|islâmicos]] eram [[Alfabetização|alfabetizados]] em [[língua árabe|árabe]] e já traziam para o Brasil uma rica e variada bagagem cultural. O governo libertou os escravizados no final do século XIX, mas não lhes deu assistência social, e, por vários motivos, incluindo a necessidade de mão-de-obra e a ambição de "branquear" a população nacional, estimulou a vinda de imigrantes europeus. Havia entre os governantes do País a ideia de que se os imigrantes se casassem com pardos e negros, iriam "esbranquecer" a população brasileira. A famosa pintura ''A Redenção de Cam''<ref>[http://www.scielo.br/pdf/mana/v10n1/a03v10n1.pdf Qual o "retrato do Brasil"? Raça, biologia, identidades e política na era [[genoma|genõmica]]], por Ricardo Ventura Santos e Marcos Chor Maio. ''Mana'', 10(1):61-95, 2004</ref>, feita em [[1895]] por [[Modesto Brocos|Modesto Brocos y Gómez]], sintetiza a ideia pairante na época: através da miscigenação, os brasileiros ficariam a cada geração mais brancos.
 
Bom sabemos que agora miscigenação é uma mistura de cores.
 
{{referências}}
Utilizador anónimo