Diferenças entre edições de "Ciclo do ouro"

528 bytes adicionados ,  15h25min de 12 de junho de 2016
→‎A descoberta do diamante: Pequeno acréscimo
m (Foram revertidas as edições de 177.222.144.6 para a última revisão de Salebot, de 14h13min de 8 de junho de 2016 (UTC))
(→‎A descoberta do diamante: Pequeno acréscimo)
 
=== A descoberta do diamante ===
Desde 1714, já havia relatos da descoberta de diamantes e [[topázio]]s no arraial do Tijuco (hoje, [[Diamantina]]). A descoberta de diamantes em 1729, ao norte da capitania de Minas Gerais, fez com que ali se constituísse outro pólo de exploração mineradora e de urbanização. As dificuldades para encontrar um sistema eficaz de extração, que diminuísse a incidência do contrabando, marcaram a política econômica em terras diamantinas. As medidas do Alvará de 11 de agosto de 1753 demonstram a tentativa de controle da região. <ref>[http://linux.an.gov.br/mapa/?p=3987 "Intendência dos Diamantes" - Arquivo Nacional. 2011]</ref>. Quando a presença de diamantes na região se tornou evidente, o governo português [[Monopólio|monopolizou]] a atividade, e a região passou a ser conhecida como Distrito Diamantino.<ref name="BUENO, E. 2003. p. 100">BUENO, E. ''Brasil: uma história''. 2ª edição revista. São Paulo. Ática. 2003. p. 100.</ref> Já a extração de diamantes na [[Chapada Diamantina]] só começou em meados do [[Século XIX|século XIX]].<ref name="institutodocarste.org.br"/>
 
=== O novo poder econômico para Coroa de Portugal ===
14 510

edições