Diferenças entre edições de "Terceira Epístola aos Coríntios"

180 bytes removidos ,  19h38min de 12 de junho de 2016
sem resumo de edição
m (Título em it. cat.)
A '''Terceira Epístola aos Coríntios''' é um texto [[pseudepígrafo]] do [[apóstolo]] [[Paulo de Tarso|Paulo]]. É uma das partes dos [[Atos de Paulo]] e foi concebido como sendo uma resposta dele à ''[[Epístola dos Coríntios a Paulo]]''. A versão sobrevivente mais antiga é a do [[Papiro de Bodmer]] X.
 
Sua criação foi obviamente sugerida pela carta perdida de Paulo citada em {{citar bíblia|livro=I Coríntios |capítulo=5|verso=9}} e {{citar bíblia|livro=I Coríntios |capítulo=7|verso=1}}. Ela foi composta por um [[presbítero]] da [[Igreja cristã|Igreja]] em aproximadamente 160-170 dC e é um ataque disfarçado a alguns erros principais do [[Gnosticismo]]. Esta correspondência sempre teve circulação independente, mas recentemente se provou que o documento foi incorporado nos [[Atos de Paulo]].<ref name = "Enc">{{1913CE|Catholic Encyclopedia (1913)/Apocrypha}}, seção 5 (''"APOCRYPHAL EPISTLES"'')</ref>
 
== Relação com o Cânon ==
[[Imagem:Prague castle-st paulus.jpg|direita|200px|thumb|Estátua de [[Paulo de Tarso|São Paulo]] na capela do [[Castelo de Praga]] com citação de {{citar bíblia|livro=I Coríntios |capítulo=15|verso=10}}]]
Na tradição ocidental, esta [[epístola]] nunca foi considerada como sendo [[Cânone|canônica]] e no século IV dC passou fazer parte dos [[apócrifos do Novo Testamento]]. Escritores [[latim|latinos]] e [[Língua grega|gregos]] são completamente omissos sobre esta carta, embora cópias nestas línguas tenham sido encontradas.<ref name = "Enc"/>
 
Na tradição ocidental, esta [[epístola]] nunca foi considerada como sendo [[Cânone|canônica]] e no século {{séc|IV dC}} passou fazer parte dos [[apócrifos do Novo Testamento]]. Escritores [[latim|latinos]] e [[Língua grega|gregos]] são completamente omissos sobre esta carta, embora cópias nestas línguas tenham sido encontradas.<ref name = "Enc"/>
Já na tradição oriental, na [[Igreja Ortodoxa Síria]], [[Aphrahat]] (ca. 340 dC) a considerou como canônica e [[Efrém da Síria]] (m. 373 dC) aparentemente concordou<ref>{{citar livro |editora= |título=The Canon Debate |sobrenome=McDonald & Sanders editors |isbn= |ano=2002 |páginas=492}}, citando como referência {{citar livro |nome=Bruce M. |sobrenome=Metzger |isbn= |ano= |editora= |título=Canon of the NT |páginas=219, 223}}, cf. 7, 176, 182</ref><ref>{{1913CE|Catholic Encyclopedia (1913)/St. Ephraem}}</ref> pois escreveu um comentário sobre isso. Ela está incluída na [[Doutrina de Addai]], embora não esteja na ''[[Peshitta]]'', a tradução [[Língua siríaca|siríaca]] da Bíblia, ainda que nela também não conste [[II João]], [[III João]], [[II Pedro]], [[Epístola de Judas]] e o [[Apocalipse]], textos universalmente reconhecidos como sendo canônicos (veja [[Antilegomena]]). Embora parte da ''Bíblia Armênia de Oskan'' de 1666, ela estava num apêndice da ''Bíblia armênia de Zohrab'' de 1805 que seguiu o cânon da [[Vulgata]] e atualmente não faz mais parte do Novo Testamento da [[Igreja Apostólica Armênia]].<ref>{{citar web |url=http://www.sain.org/Armenian.Church/Bible.txt |publicado=Sain.org |autor= |obra= |título= |data= |acessodata= |língua= }}</ref> Ela também não constava na lista de textos canônicos de Anania Shirakatsi no século VII, mas apareceu nas listas de Mechitar de Ayrvank (século XIII) e Gregório Tat'ew (século XIV).<ref>{{citar web |url=http://www.islamic-awareness.org/Bible/Text/Canon/armenianlist.html |publicado=Islamic-awareness.org |autor= |obra= |título=Canons & Recensions Of The Armenian Bible |data= |acessodata= |língua=inglês}}</ref>
 
Já na tradição oriental, na [[Igreja Ortodoxa Síria]], [[AphrahatAfraates]] (ca. 340 dC) a considerou como canônica e [[Efrém da Síria]] (m. 373 dC) aparentemente concordou<ref>{{citar livro |editora= |título=The Canon Debate |sobrenome=McDonald & Sanders editors |isbn= |ano=2002 |páginas=492}}, citando como referência {{citar livro |nome=Bruce M. |sobrenome=Metzger |isbn= |ano= |editora= |título=Canon of the NT |páginas=219, 223}}, cf. 7, 176, 182</ref><ref>{{1913CE|Catholic Encyclopedia (1913)/St. Ephraem}}</ref> pois escreveu um comentário sobre isso. Ela está incluída na [[Doutrina de Addai]], embora não esteja na ''[[Peshitta]]'', a tradução [[Língua siríaca|siríaca]] da Bíblia, ainda que nela também não conste [[II João]], [[III João]], [[II Pedro]], [[Epístola de Judas]] e o [[Apocalipse]], textos universalmente reconhecidos como sendo canônicos (veja [[Antilegomena]]). Embora parte da ''Bíblia Armênia de Oskan'' de 1666, ela estava num apêndice da ''Bíblia armênia de Zohrab'' de 1805 que seguiu o cânon da [[Vulgata]] e atualmente não faz mais parte do Novo Testamento da [[Igreja Apostólica Armênia]].<ref>{{citar web |url=http://www.sain.org/Armenian.Church/Bible.txt |publicado=Sain.org |autor= |obra= |título= |data= |acessodata= |língua= }}</ref> Ela também não constava na lista de textos canônicos de Anania Shirakatsi no século {{séc|VII}}, mas apareceu nas listas de Mechitar de Ayrvank (século {{séc|XIII}}) e Gregório Tat'ew (século {{séc|XIV}}).<ref>{{citar web |url=http://www.islamic-awareness.org/Bible/Text/Canon/armenianlist.html |publicado=Islamic-awareness.org |autor= |obra= |título=Canons & Recensions Of The Armenian Bible |data= |acessodata= |língua=inglês}}</ref>
 
== Conteúdo ==
[[Imagem:Russian Resurrection icon.jpg|thumb|esquerda|190px|[[Ressurreição dos mortos]]]]
O texto está estruturado como uma tentativa de corrigir as alegadas falhas de interpretação da [[Primeira Epístola aos Coríntios|Primeira]] e da [[Segunda Epístola aos Coríntios]], que o autor (geralmente chamado de "pseudo-Paulo"), teria conhecido pela ''[[Epístola dos Coríntios a Paulo]]'' (também apócrifa). De acordo com ela (que é o capítulo anterior nos [[Atos de Paulo]]), quando a carta foi escrita Paulo estava na prisão por causa de Stratonice, a esposa de Apolofanes.
 
O texto está estruturado como uma tentativa de corrigir as alegadas falhas de interpretação da [[Primeira Epístola aos Coríntios|Primeira]] e da [[Segunda Epístola aos Coríntios]], que o autor (geralmente chamado de "pseudo-Paulo"), teria conhecido pela ''[[Epístola dos Coríntios a Paulo]]'' (também apócrifa). De acordo com ela (que é o capítulo anterior nos [[Atos de Paulo]]), quando a carta foi escrita Paulo estava na prisão por causa de StratoniceEstratonice, a esposa de Apolofanes.
Objetivamente, a epístola procura corrigir a interpretação da frase {{citar bíblia |citação=Ora digo isto, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino dos céus, nem a corrupção herdar a incorrupção|livro=I Coríntios |capítulo=15|verso=50}}, que, segundo alguns acreditavam, ensinaria que a [[ressurreição dos mortos]] não poderia ser física. Acredita-se que este argumento dos gnósticos ganhou tanto terreno que alguns cristãos [[ortodoxia doutrinária|ortodoxo]]s sentiram necessidade de criar esta epístola falsa para contê-los.<ref name = "Enc"/> Os [[Gnosticismo|gnósticos]] sabidamente citavam esta parte de [[I Coríntios]], enfurecendo cristãos - como [[Ireneu de Lyon]] - que defendiam que a ressurreição seria física e não espiritual. Segundo Ireneu esta passagem é "sempre citada pelos heréticos para apoiar suas tolices" ([[Contra Heresias]] V.9).<ref>{{citar livro |nome=[[Ireneu de Lyon|Ireneu]] |título=Adversus Haereses | volume=V.9 | url=http://www.newadvent.org/fathers/0103509.htm | isbn= | ano= | editora=Newadvent.org | páginas= | língua=inglês}}</ref>
 
Objetivamente, a epístola procura corrigir a interpretação da frase {{citar bíblia |citação=Ora digo isto, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino dos céus, nem a corrupção herdar a incorrupção|livro=I Coríntios |capítulo=15|verso=50}}, que, segundo alguns acreditavam, ensinaria que a [[ressurreição dos mortos]] não poderia ser física. Acredita-se que este argumento dos gnósticos ganhou tanto terreno que alguns cristãos [[ortodoxia doutrinária|ortodoxo]]s sentiram necessidade de criar esta epístola falsa para contê-los.<ref name = "Enc"/> Os [[Gnosticismo|gnósticos]] sabidamente citavam esta parte de [[I Coríntios]], enfurecendo cristãos - como [[Ireneu de Lyon]] - que defendiam que a ressurreição seria física e não espiritual. Segundo Ireneu esta passagem é "sempre citada pelos heréticos para apoiar suas tolices" ([[Contra Heresias]] V.9).<ref>{{citar livro |nome=[[Ireneu de Lyon|Ireneu]] |título=Adversus Haereses | volume=V.9 | url=http://www.newadvent.org/fathers/0103509.htm | isbn= | ano= | editora=Newadvent.org | páginas= | língua=inglês}}</ref>
 
== Ver também ==