Diferenças entre edições de "Bolo Souza Leão"

515 bytes adicionados ,  03h03min de 21 de junho de 2016
sem resumo de edição
{{Cozinha do Brasil}}
O '''Bolo Souza Leão'''<ref group="nota" name="nome"/> é considerado um dos mais antigos da extensa lista de doces [[brasil]]eiros, além de ter o título de Patrimônio Cultural e Imaterial do estado de [[Pernambuco]] - outorgado pela Lei nº 357 de 2007.<ref>{{citar web|URL=http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2012/06/bolo-souza-leao-e-considerado-o-melhor-das-festas-juninas-de-recife.html|título=Souza Leão: o bolo que é conhecido como o ‘rei dos bolos’|publicado=G1|acessodata=20 de junho de 2016}}</ref>
 
==História==
Acredita-se que a receita já seja conhecida há 140 anos e tenha sido introduzida na história da culinária pernambucana por intermédio de Dona Rita de Cássia Sousa Leão Bezerra Cavalcanti, esposa de um coronel proprietário de engenhos na região de [[Jaboatão dos Guararapes]].
 
A iguaria é preparada segundo uma receita que inclui [[mandioca]], [[leite de coco]], [[açúcar]], [[manteiga]] e ovos. O resultado é um bolo cremoso, com a consistência de um pudim muito firme. Alguns dos ingredientes do Bolo Souza Leão eram originalmente europeus. Estes, com o passar do tempo, foram substituídos por produtos nacionais, facilmente encontráveis na região. O [[trigo]] deu lugar à massa de mandioca e a manteiga francesa foi trocada por aquela produzida na própria cozinha do engenho.
[[Imagem:Restaurante de comida regional - Recife, Pernambuco.jpg|thumb|esquerda|O bolo Souza Leão tem forte presença nos cardápios dos restaurantes de comida regional do [[Recife]] (foto).]]
 
O nome do bolo vem da família pernambucana [[Sousa Leão]], que teria sido a criadora da receita no século XIX. Essa família tem suas raízes nos municípios de [[Jaboatão dos Guararapes]] e [[Moreno]].
 
Tradicionalmente, o Bolo Souza Leão é servido em ocasiões especiais, tendo-se apuro não só na escolha dos ingredientes e no preparo, como também no esmero em servi-lo. O costume é apresentar a iguaria em louças e porcelanas finas, com utensílios de prata e cristal. Contam que ele foi servido ao imperador [[Dom Pedro II]] e à sua esposa [[Teresa Cristina]] em 1859, quando passaram pelo estado de Pernambuco.<ref name="Fundaj">{{carececitar web|URL=http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar./index.php?option=com_content&view=article&id=488&Itemid=1|título=Bolo Souza Leão|publicado=Fundaj|acessodata=20 de junho de fontes2016}}</ref>
Devido à expansão dos ramos da família Souza Leão ao longo do tempo, muitas variações da receita são disputadas como sendo as melhores e originais. Essas variações se constituem na alteração das quantidades dos ingredientes principais ou no acréscimo de [[especiarias]], como [[canela]], [[erva-doce]], e [[castanha-de-caju]].
 
{{Referências}}
* {{Link||2=http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=488&Itemid=181|3=Bolo Souza Leão – Portal da Fundação Joaquim Nabuco}}
 
{{notas|refs=
{{nota de rodapé|Segundo as normas ortográficas vigentes da língua portuguesa, este nome deveria ser grafado '''Bolo Sousa Leão'''.|nome=nome}}
}}
 
 
{{esboço-culinária}}
19 937

edições