Diferenças entre edições de "Santa Casa de Misericórdia de Passos"

3 375 bytes removidos ,  07h36min de 23 de junho de 2016
-VDA http://www.scmp.org.br/breve-historico (Copyright © 2011, wayback 2011 disp.)
(-VDA http://www.scmp.org.br/breve-historico (Copyright © 2011, wayback 2011 disp.))
Como instituição filantrópica, 80% dos seus pacientes são atendidos pelo Sistema Único de Saúde, e a maioria dos leitos do hospital estão disponíveis a esta população, constituída na sua maioria, de pessoas carentes.<ref name="SCMP" />
 
 
== História ==
[[Ficheiro:Projecto da Santa Casa da Misericórdia de Passos - Ramos de Azevedo.jpg|thumb|Projeto do edifício da Santa Casa da Misericórdia de Passos pelo arquiteto [[Ramos de Azevedo]]]]
A Santa Casa de Misericórdia de Passos tem sua história entrelaçada ao nome do Major Jerônimo Pereira de Mello e Souza, que veio de [[Lavras do Funil]] para [[Santa Rita de Cássia,]] onde residia antes de se mudar para Passos. Mas foi uma espécie de "passense de adoção", pelo fato de ter se identificado com muitas coisas de nossa Vila. A construção da Igreja da Matriz e a Escola São José, que posteriormente se transformou no CIC, são algumas das obras que a cidade deve a ele. Era casado com D. Bárbara Peregrina de Cavalho Mello. Era ela, de fato, a verdadeira senhora de todas as riquezas, e as teria colocado a serviço social em nome do querido esposo.<ref name="SCMP" />
 
Em 13 de julho de 1859 a Câmara de Passos tomou conhecimento da ocorrência do surto de "bexigas" da Freguesia de Carmo do Rio Claro, que pertencia a Passos. Portanto, a fundação da Santa Casa de Misericórdia de Passos está mergulhada na crise da epidemia de bexigas, ou "peste das cataporas" que assolou a região entre 1859 e 1863, tornou-se grave em 1862 e acabou gerando o pânico quando atingiu o centro da cidade. Aí, as lideranças da cidade se mobilizaram, para dotar a cidade de um hospital que, na verdade, teria a dimensão de hospital regional já pois nas redondezas não havia qualquer outra casa de saúde.<ref name="SCMP" />
 
Em 16 de outubro de 1861 a Assembléia Provincial de Minas Gerais sancionou a Lei no 1115, criando um Hospital de Caridade em Passos. A iniciativa era exatamente de Jerônimo Pereira de Mello e Souza que usou de sua influência para pressionar os Deputados Provinciais. A lei estabelecia condições em seu artigo 3o: "O dispositivo na presente Lei, só terá efeito, depois que o cidadão Jerônimo Pereira de Mello e Souza tiver realizado sua promessa de doar em edifício adotado aos fins da Instituição, e com os precisos móveis e utensílios no valor de doze contos de réis e bem assim dotar o estabelecimento com um fundo de oito contos de réis que serão postos a prêmio em benefício da Casa".<ref name="SCMP" />
 
A Santa Casa foi instalada no sobrado residencial que ficava na rua das Flores, esquina do Beco do Padre Cintra (hoje R. Cel Neca Medeiros, esquina com Rua dos Maias). O Hospital foi inaugurado em 16 de abril de 1865, já então denominado de Santa Casa de Misericórdia.<ref name="SCMP" />
 
Em Passos, a irmandade se organizou em torno de um "Projeto de Compromisso" (uma espécie de certidão de nascimento) elaborado em 1864. A Irmandade, vinculada ao culto de Nossa Senhora das Dores a quem teve seu nome ligado, mereceu aprovação eclesiástica através da Provisão do Bispo de São Paulo, D. Sebastião Pinto do Rego, datado de 8 de novembro de 1864. <ref name="SCMP" />
 
== As Irmãzinhas na Santa Casa ==
 
As [[irmãs da Divina Providência]] eram as administradoras e gestoras do hospital até o ano de 1917, quando foram substituídas pela Irmãnzinhas da Imaculada Conceição, cuja fundadora foi Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, Santa Paulina, que esteve por três vezes em visita a Santa Casa. A congregação entregou a administração do hospital, em 1969, e o gerenciamento dos serviços de enfermagem, em 1972. Hoje desempenham um papel importante no Departamento de Assistência Religiosa e colaboram na Humanização Hospitalar.<ref name="SCMP" />
 
 
== Presente ==
 
 
O Hospital Regional do Câncer de Passos, é uma unidade da Santa Casa de Misericórdia de Passos, que atende pacientes de 52 municípios vizinhos. São oferecidos aos pacientes oncológicos, recursos que vão desde os medicamentos, tecnologias, profissionais em constante aperfeiçoamento, até o suporte psicossocial. O conjunto destes recursos é que torna possível uma assistência integral e que possibilita amenizar o sofrimento e reacender a esperança. O HRC é um hospital movido por solidariedade, e constantemente são realizadas campanhas de captação de recursos para atualização de métodos de tratamento, implantação de novas tecnologias, apoio psicológico, manutenção de aparelhos e aquisição de medicamentos oncológicos.<ref name="SCMP" />
 
 
== Projetos futuros ==
87 349

edições