Abrir menu principal

Alterações

156 bytes removidos, 05h09min de 2 de julho de 2016
sem resumo de edição
{{Info/Biografia
|bgcolour =
|nome =Manuel Butumita
|imagem =
|imagem_tamanho =
|imagem_legenda =
|nascimento_data =
|morte_data =
|nome_pai =
|nacionalidade = {{IB}}
|parentesco =
|ocupação =General e embaixador
|nome_título1 =<nowiki />
* [[Duque (Roma Antiga)|Duque]]
|filhos =
|religião =[[Cristianismo]]
|conhecido_por =<nowiki />
*Debelação da revolta de Cálices e [[Rapsomata]]
*Fundação do [[mosteiro de Cico]]
*Participação no [[cerco de Niceia]]
}}
 
 
=== Primeiras campanhas contra os turcos ===
 
[[Imagem:Hyperpyron of Alexius I, ca. 1092 or 1093-1118 AD.jpg|thumb|upright=1.05|[[Hipérpiro]] [[escifato]] de {{lknb|Aleixo|I Comneno}} {{nwrap|r.|1081|1118}}]]
 
Butumita aparece na ''[[A Alexíada]]'' de [[Ana Comnena]] em 1086, quando foi apontado como [[duque (Roma Antiga)|duque]] da frota bizantina por Aleixo, e enviado contra [[Abu'l Qasim]] {{nwrap|r.|1084|1092}}, o governador seljúcida semi-independente de Niceia.{{harvref|name=Kazh318|Kazhdan|1991|p=318}} Abu'l Qasim estava se preparando para lançar uma frota no [[mar de Mármara]] para enfrentar a [[marinha bizantina]]. Aleixo, determinado a evitar isso, enviou contra ele Butumita com a frota, enquanto [[Tatício]] se moveria contra sua base por terra. Os dois generais destruíram com sucesso a frota seljúcida e forçaram Abu'l Qasim a retirar-se para Niceia, onde concluiu uma trégua com o império.{{harvref|name=Skou181|Skoulatos|1980|p=181}}{{harvref|Sewter|2003|p=202–203}}
[[Imagem:Byzantium1st-crusade-pt.svg|thumb|upright=1|[[Império Bizantino]] e [[Mediterrâneo Oriental]] após a [[Primeira Cruzada]]]]
 
Em 1099, foi enviado pelos comandantes bizantinos no Chipre como um[[diplomacia enviadobizantina|emissário]] de paz para {{Lknb|Boemundo|I de Antioquia}}, mas foi detido por ele durante uma quinzena antes de ser liberado, e as negociações não foram iniciadas.<ref name=Skoul183 />{{harvref|Sewter|2003|p=362–363}} Poucos anos depois (ca. 1103), Butumita foi colocado como chefe de um grande exército enviado para garantir a [[Cilícia]] contra Boemundo. Após tomar [[Ataleia (Anatólia)|Ataleia]], os bizantinos tomaram [[Germanícia]] e as regiões circundantes. Butumita deixou para trás uma grande força sob Monastras para guarnecer a província e retornou para Constantinopla.<ref name=Kazh318 />{{harvref|Sewter|2003|p=358–360}}{{harvref|Skoulatos|1980|p=183–184}}{{harvref|Runciman|1987|p=300–301}}
 
Em 1111/1112, foi enviado como um embaixador para o [[Reino de Jerusalém]] para assegurar ajuda contra [[Tancredo da Galileia]], regente de Boemundo em [[Antioquia]], que se recusou a cumprir o [[tratado de Devol]] de 1108, que transformava o [[Principado de Antioquia]] num Estado vassalo bizantino.{{harvref|Kazhdan|1991|p=302, 318, 617, 2009}}{{harvref|Setton|2006|p=400}} Do Chipre, Butumita primeiro rumou para [[Condado de Trípoli|Trípoli]]. De acordo com ''A Alexíada'', o conde local, [[Bertrando de Toulouse]], prontamente concordou em ajudar as forças imperiais contra Tancredo, e até mesmo a prestar homenagem a Aleixo, quando chegasse para sitiar Antioquia.{{harvref|Skoulatos|1980|p=184}}{{harvref|Sewter|2003|p=440–441}} Em seguida, os enviados bizantinos prepararam-se para encontrar o rei de Jerusalém, [[Balduíno I de Jerusalém|Balduíno I]] {{nwrap|r.|1100|1118}}, que estava sitiando [[Tiro]]. Butumita tentou persuadir Balduíno oferecendo uma recompensa substancial em [[ouro]], e fazendo várias afirmações exageradas, incluindo que Aleixo já estava supostamente a caminho e tinha alcançado Selêucia. Balduíno, contudo, ao saber da falsidade das alegações de Butumita, perdeu a confiança nele. Ele fingiu a vontade de atacar Tancredo desde que recebesse os subsídios prometidos anteriormente. Butumita, no entanto, percebeu as intenções do rei, e se recusou a fazê-lo. Assim, a missão terminou em fracasso, e Butumita deixou [[Jerusalém]], retornando para Constantinopla via [[Trípoli (Líbano)|Trípoli]].{{harvref|Sewter|2003|p=441–441}}{{harvref|Skoulatos|1980|p=184–185}}{{harvref|Setton|2006|p=400–401}}
 
{{referências|col=23|refs=
 
<ref name=Kykkos>{{Citar web|url=http://kypros.org/Sxetikos/Monastiria/KykkosE-1.htm|título=Kykkos|acessodata=12-11-2013|língua3=en}}</ref>
*{{Citar livro|sobrenome=Sewter|nome=E. R. A.|título=The Alexiad|local=Londres e Nova Iorque|editora=Penguin Classics|ano=2003|isbn=978-0-14-044958-7|ref=harv}}
 
* {{Citar livro|sobrenome=Sinkević|nome=Ida|título=The Church of St. Panteleimon at Nerezi: architecture, programme, patronage|ano=2000|isbn=3895001295|local=Wiesbaden|editora=Reichert|ref=harv}}
 
*{{Citar livro|sobrenome=Skoulatos|nome=Basile|título=Les Personnages Byzantins de I'Alexiade: Analyse Prosopographique et Synthese|ano=1980|local=Louvain-la-Neuve|editora=Nauwelaerts|lingua3=en|ref=harv}}