Diferenças entre edições de "Tao"

426 bytes adicionados ,  02h46min de 7 de julho de 2016
(Adicionei a parte q fala de C. S. Lewis)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
A bem da brevidade, de agora em diante vou me referir a essa concepção, em todas as suas formas – platônica, aristotélica, estóica, cristã e oriental –, simplesmente como "o Tao". Algumas das suas descrições que acabo de citar podem a muitos parecer meramente exóticas ou mesmo mágicas. Mas há entre elas algo em comum que não pode ser negligenciado. É a doutrina do valor objetivo, a convicção de que certas posturas são realmente verdadeiras, e outras realmente falsas, a respeito do que é o universo e do que somos nós. Aqueles que conhecem o Tao podem afirmar que chamar uma criança de graciosa e um ancião de venerável não é simplesmente registrar um fato psicológico sobre nossas momentâneas emoções paternas ou filiais, mas reconhecer uma qualidade que exige de nós uma certa resposta, quer a demos, quer não. De minha parte, não aprecio a companhia das crianças pequenas, mas, uma vez que falo de dentro do Tao, reconheço nisso um defeito meu – da mesma forma como um homem pode reconhecer-se daltônico ou desprovido de ouvido musical. E, uma vez que nossas aprovações e desaprovações são assim reconhecimentos do valor objetivo ou respostas a uma ordem objetiva, os estados emocionais podem portanto estar em harmonia com a razão (quando sentimos afeição por aquilo que merece aprovação) ou em desarmonia com ela (quando percebemos que a afeição é merecida mas não conseguimos senti-la). Nenhuma emoção e, em si mesma, um julgamento; nesse sentido, todas as emoções e sentimentos são alógicos. Mas eles podem ser razoáveis ou irrazoáveis na medida em que se conformam à Razão ou não conseguem conformar-se. O coração nunca toma o lugar da cabeça, mas ele pode, e deve, obedecer-lhe.
 
Outros veem essa concepção como ociosa, não qual o ser humano ao ausentar-se de comprometer-se com qualquer atividade, deixando apenas que o TAO seja o guia das circunstâncias, torna-se inoperante diante da natureza. Isto caracteriza fuga de responsabilidades, na qual é preferível torna-se inoperante e estagnado, à crescer sob o risco de responsabilidades. Veja abaixo uma tradicional interlocução do [[taoismo]]:
 
== O tao é a espontaneidade natural ==
Utilizador anónimo