Diferenças entre edições de "Ícone (informática)"

4 bytes removidos ,  20h01min de 13 de julho de 2016
m
Foram revertidas as edições de 177.2.133.243 para a última revisão de !Silent, de 22h29min de 22 de maio de 2016 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de 177.2.133.243 para a última revisão de !Silent, de 22h29min de 22 de maio de 2016 (UTC))
O ícone surgiu da ideia de indicar rapidamente ao público o que determinada [[aplicação]] exerce ou apenas como uma fixação ideológica de sua respectiva marca, ou de seu desenvolvedor.
 
Muito cedo na história dos Sistemas Operacionais, os ícones passaram a ser utilizados como forma de de executar aplicativos a partir da sua Interface Gráfica - ou, dentro de um aplicativo, como forma de inicializar ou executar determinadas tarefas (em contraposição ao que era feito, nos primeiros Sistemas Operacionais, através de ordens mais ou menos complexas digitadas diretamente na Linha de Comando). Assim, ao invés de se digitar uma sequência complexa de caracteres a partir do teclado, bastava "clicar" uma ou duas vezes em determinado ícone a partir do mouse ou de um dispositivo apontador semelhante para se obter um determinado resultado ou ação.
 
Hoje em dia, os ícones se tornaram uma parte também estética, e além disso estratégica, do [[software]], levando em consideração, exemplos como ícones do [[Windows Live Messenger|MSN Messenger]] (''Microsoft'') e [[Windows Media Player]] (''Microsoft''), no [[QuickTime]] (''Apple'') ou em jogos como o famoso título [[The Sims 2]] (''Electronic Arts'') e [[Age of Empires]] (''Microsoft'').