Lâmpada incandescente: diferenças entre revisões

352 bytes adicionados ,  19h17min de 22 de julho de 2016
m (Foram revertidas as edições de 187.52.157.75 para a última revisão de Contreiras45, de 21h34min de 10 de junho de 2016 (UTC))
[[Ficheiro:Gluehlampe 01 KMJ.jpg|thumb|Lâmpada Incandescente]]
 
A '''lâmpada'''<ref>{{Citar web|url=https://engenheironaweb.com/2016/06/28/tipos-de-lampadas/|titulo=Tipos de Lâmpadas|data=2016-06-28|acessodata=2016-07-22|obra=Engenheiro na Web}}</ref> '''incandescente'''<ref>[http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=34507&op=all O fim das lâmpadas incandescentes em Portugal]</ref> é um dispositivo eléctrico que transforma [[energia elétrica]] em [[Luz|energia luminosa]] e [[Calor|energia térmica]] através do [[efeito Joule]]. Dada a sua simplicidade, foi o primeiro dispositivo prático que permitiu utilizar eletricidade para [[iluminação]], sendo durante as primeiras décadas de uso comercial da energia elétrica a principal forma de consumo daquela forma de energia.
==História==
Desde o início do {{séc|XIX}}, vários inventores tentaram construir fontes de luz à base de [[energia elétrica]]. [[Humphry Davy]], em 1802, construiu a primeira fonte luminosa com um filamento de [[platina]], utilizando-se do [[efeito Joule]], observado quando um [[resistor]] é aquecido pela passagem de uma [[corrente elétrica]] a ponto de emitir [[radiação eletromagnética|luz visível]]. Outros vinte e um inventores construíram lâmpadas incandescentes antes de [[Thomas Alva Edison]], que foi o primeiro a construir a primeira lâmpada incandescente comercializável em 1879, utilizando uma haste de [[carvão]] ([[carbono]]) muito fina que, aquecida acima de aproximadamente 900 [[Kelvin|K]], passa a emitir luz, inicialmente bastante avermelhada e fraca, passando ao alaranjado e alcançando o amarelo, com uma [[intensidade luminosa]] bem maior, ao atingir sua temperatura final, próximo do [[ponto de fusão]] do carbono, que é de aproximadamente 3 800 K.
Portaria Interministerial 1007 do [[Ministério de Minas e Energia]], do [[Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação]] e do [[Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior]], datado de dezembro de 2010, fixou índices mínimos de eficiência luminosa para construção, importação e comercialização das lâmpadas de uso geral em território brasileiro, definindo cronograma para a substituição das incandescentes por modelos mais eficientes, como as lâmpadas de [[LED]].<ref>http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2015/07/lampada-incandescente-de-60-watts-deixa-de-ser-vendida-inmetro-fiscaliza.html</ref>
 
As lâmpadas incandescentes acima de 75W deixaram de ser comercializadas em 30 de junho de 2014. As lâmpadas de 25 a 75 watts deixaram de ser produzidas dia 30 de junho de 2015, sendo comercializadas até 30 de junho de 2016.<ref>{{Citar web|url=https://engenheironaweb.com/2016/06/28/tipos-de-lampadas/|titulo=Tipos de Lâmpadas|data=2016-06-28|acessodata=2016-07-22|obra=Engenheiro na Web}}</ref>
 
== Proibição em Portugal ==