Lâmpada fluorescente: diferenças entre revisões

346 bytes adicionados ,  19h19min de 22 de julho de 2016
citações
(Foram revertidas as edições de 2804:14C:87B5:88E3:6054:9118:5239:8AC devido a vandalismo (usando Huggle) (3.1.20))
(citações)
[[Ficheiro:Fluorescent_beat_effect.ogv|thumb|Lâmpada piscando. Efeito visualizável pela gravação em vídeo 24 [[fps]].]]
 
A '''lâmpada fluorescente'''<ref>{{Citar web|url=https://engenheironaweb.com/2016/06/28/tipos-de-lampadas/|titulo=Tipos de Lâmpadas|data=2016-06-28|acessodata=2016-07-22|obra=Engenheiro na Web}}</ref> é um tipo de [[lâmpada]] criada por [[Nikola Tesla]], introduzida no mercado consumidor em 1938. Ao contrário das [[lâmpada incandescente|lâmpadas de filamento]], possui grande eficiência por emitir mais [[Electromagnetismo|energia eletromagnética]] em forma de [[luz]] do que [[calor]].
 
== Funcionamento ==
[[Ficheiro:Starterp.jpg|esquerda|thumb|Arrancador de lâmpada fluorescente (relé térmico automático)]]
 
As [[lâmpadas]] fluorescentes funcionam de modo semelhante aos tubos de descarga de gás néon, possuem um par de [[Eletrodo|elétrodos]] em cada extremo. O tubo de vidro é coberto com um material à base de [[fósforo]]. Este, quando excitado com [[radiação ultravioleta]] gerada pela [[ionização]] dos gases, produz [[luz visível]]. Internamente são carregadas com [[Gás inerte|gases inertes]] a baixa [[pressão]], as mais comuns utilizam o [[árgon]]. Além da cobertura de fósforo, existem elétrodos em forma de filamentos nas suas extremidades. Sua função é pré-aquecer seu interior para reduzir a [[tensão elétrica]] necessária à ionização, dando a partida no processo de bombardeamento por [[íons]] positivos dos gases no interior do tubo.<ref>{{Citar web|url=https://engenheironaweb.com/2016/06/28/tipos-de-lampadas/|titulo=Tipos de Lâmpadas|data=2016-06-28|acessodata=2016-07-22|obra=Engenheiro na Web}}</ref>
 
Quando a composição interna for à base de [[vapor de mercúrio]], portanto não condutiva, deve ser aplicado um [[gradiente]] de tensão de algumas centenas de [[volt]]s ao mesmo tempo que as extremidades são aquecidas. Acontecendo a descarga iónica, portanto a emissão de luz U.V. e esta excitando o fósforo da parede do tubo de vidro, não há mais necessidade de alta tensão entre os extremos do tubo, sendo reduzida para menos de 100 V, no caso de lâmpadas de baixa potência e no máximo 175 V em caso de lâmpadas de alta potência.