Diferenças entre edições de "Cristina Maria Isabel de Orléans e Bragança"

informações errôneas
(Na seção "descendência", nomes conforme respectivos artigos. Ademais os listados nasceram após 1889, portanto se direito legal ao uso de "D." ou "Dom")
(informações errôneas)
Etiquetas: Editor Visual Remoção considerável de conteúdo
Pelo lado familiar materno, Cristina é descendente, em quinta geração, de [[dom (título)|dom]] [[João VI de Portugal]], hexaneta de [[Miguel I de Portugal]] e sobrinha-hexaneta de [[Pedro I do Brasil]]. Seus padrinhos foram seu tio paterno, [[Baudouin, Príncipe de Ligne]] (1918-1985), e sua tia materna, a [[Elisabeth, Duquesa de Hohenberg|duquesa de Hohenberg]]. Cristina, assim como seus filhos, está na linha de sucessão ao trono luxemburguês.
 
==Controvérsia==
Ainda que pertencente a uma das mais nobres e antigas famílias belgas, segundo alguns monarquistas seu casamento com Antônio não possuiria "''égalité de naissance''", visto que os príncipes de Ligne não são de condição “régia”, isto é, fazem parte da alta nobreza, porém, não gozam do predicado de "alteza real" e tampoco foram "mediatizados". Fato que faz com que os Ligne figurem na terceira parte do ''Genealogisches Handbuch des Adels''. Caso esta alegação seja levada em consideração, a descendência de Antônio e Cristina estaria automaticamente excluída da linha de sucessão da Casa Imperial do Brasil, haja vista as exigências introduzidas pela princesa [[Isabel do Brasil|Isabel]], quando da renúncia de seu filho primogênito em 1908, por motivo de seu consórcio com a condessa [[Elisabeth Dobrzensky de Dobrzenicz]]. Exigência essa que foi expressa pela princesa Isabel em carta à [[Baronesa de Loreto]]: "Como porém não era de família régia, demoramos nosso consentimento até que o Luís se casasse, e agora entendemos anuir."(Carta da princesa Isabel à Baronesa de Loreto citado por Lourenço Luiz Lacombe em "Isabel a Princesa Redentora", 1988. p. 275 e 276.).
 
==Educação==
Utilizador anónimo