Chris Amon: diferenças entre revisões

1 byte adicionado ,  14h46min de 3 de agosto de 2016
m
sem resumo de edição
m
 
|}}
'''Christopher Arthur Amon''' ([[Bulls (Nova Zelândia)|Bulls]], [[20 de julho]] de [[1943]] — [[3 de agosto]] de [[2016]]) foi um ex-piloto de [[Fórmula 1]] da [[Nova Zelândia]].
 
Seu pai era um rico agricultor e ele, aos dezoito anos, começou a correr conseguindo uma boa reputação como piloto em seu país. No final de 1962 foi convidado pelo ex-piloto inglês [[Reg Parnell]] para correr na [[Europa]]. Em 1963, estreou na Fórmula 1 no [[Grande Prêmio de Mônaco de 1963 (Fórmula 1)|GP de Mônaco]], porém teve que ceder sua vaga para o veterano francês [[Maurice Trintignant]]. A estreia "oficial" de Amon seria no [[Grande Prêmio da Bélgica de 1963 (Fórmula 1)|GP da Bélgica]], onde abandonou.
 
Em 1964 continuou na equipe de Parnell, tendo se mudado para a '''Ian Raby Racing''', que usava chassi da [[Brabham]], onde permaneceu até o ano seguinte, quando foi contratado pela [[Scuderia Ferrari|Ferrari]]. Em 1966, em dupla com [[Bruce McLaren]] vence as 24 Horas de Le Mans. Nos anos seguintes, continua sem bons resultados na Fórmula 1 apesar de ser reconhecidamente um piloto rápido e de talento.
Em 1967 vence, em dupla com [[Lorenzo Bandini]] as 24 Horas de Daytona e as 1000 Milhas de Monza. Na F-1, conquista 4 terceiros lugares antes de deixar a Ferrari no final de 1969, obtendo ainda um segundo lugar. Corre pela [[March Engineering|March]] em 1970 e no ano seguinte assina com a [[Matra]], pela qual consegue sua única vitória a bordo de um carro de Fórmula 1: o Grande Prêmio da Argentina de 1971 que, por ser uma prova extra-campeonato, não entra nas estatísticas da categoria. Com a saída da Matra das competições no ano anterior, Amon aceita o convite da [[Tecno Racing Team|Tecno]], mas o carro é muito ruim e o neozelandês marca apenas um ponto. Ainda em 1973, tenta participar do [[Grande Prêmio dos Estados Unidos de 1973 (Fórmula 1)|GP dos EUA]] pela [[Tyrrell Racing|Tyrrell]], mas o acidente fatal de [[François Cévert]] abala o piloto, que desiste de correr a prova.
 
Para 1974, cria sua própria equipe, mas o [[Amon F101]], apesar de exibir um bom potencial, não mostra confiabiliadeconfiabilidade e o neozelandês disputa apenas o [[Grande Prêmio da Espanha de 1974 (Fórmula 1)|GP da Espanha]]. No final do mesmo ano, aceita o convite de outra equipe tradicional, a [[British Racing Motors|BRM]] e disputa 2 corridas pela mesma, não se destacando em nenhuma. Em 1975 é contratado por Morris Nunn para desenvolver o carro de sua equipe, a [[Ensign Racing Team|Ensign]], onde também participa de 2 GP's. O ano seguinte começa animador para Amon, que obtém um 5º lugar na Bélgica e bons desempenhos na Suécia e Inglaterra, tendo abandonado com problemas mecânicos. O acidente quase fatal de [[Niki Lauda]] na Alemanha, naquele mesmo ano, faz com que ele recuse disputar a corrida e, com isto, perde o emprego na Ensign. A pedido de [[Walter Wolf]], que havia comprado um Willians, tenta uma vaga no grid para o [[Grande Prêmio do Canadá de 1976 (Fórmula 1)|GP do Canadá]], mas uma batida no treino classificatório faz com que Amon, então com 33 anos, abandonasse definitivamente a Fórmula 1 no final daquele ano.
 
Ele é tido por muitos como o melhor piloto da história da Fórmula 1 a nunca conquistar uma vitória em prova válida pelo campeonato. Sua reputação por má sorte era tanta que seu companheiro [[Mario Andretti]] uma vez bricou dizendo:
Em seu último ano na Fórmula 1, conheceu quando competia na CanAm um jovem piloto canadense que lhe pareceu muito talentoso, a ponto de recomendar ao seu ex-patrão, [[Enzo Ferrari]], que contratasse o novato. O nome do jovem: [[Gilles Villeneuve]].
 
FaleceuMorreu em 3 de agosto de 2016 vítima de [[Cancro|câncer]].<ref>{{citar web|URL=http://www.nzherald.co.nz/sport/news/article.cfm?c_id=4&objectid=11686692|título=
Motor racing legend Chris Amon dies|língua=inglês|data=3 de agosto de 2016|publicado=NZ Herald|acessodata=}}</ref>