Diferenças entre edições de "Eletroencefalografia"

3 bytes removidos ,  12h49min de 5 de agosto de 2016
Troquei o idioma
m (Foram revertidas as edições de 186.214.238.57 para a última revisão de 81.84.222.83, de 20h31min de 16 de fevereiro de 2016 (UTC))
(Troquei o idioma)
 
== Procedimento ==
Colocando-se eléctrodoselétrodos em posições predefinidas ou na utilização do [[Eletroencefalografia_sistema_10-20|sistema internacional 10-20]] sobre o couro cabeludo do paciente, um amplificador aumenta a intensidade dos potenciais eléctricoselétricos que posteriormente serão plotados num gráfico analógico ou digital, dependendo do equipamento. As alterações dos padrões da normalidade, permitem ao médico fazer a correlação clínica com os achados do EEG (Eletroencefalografia). Podemos observar descargas de ondas anormais em forma de pontas por exemplo (picos de onda), complexos ponta-onda ou actividadesatividades lentas focais ou generalizadas. As indicações destes exames são: avaliação inicial de síndromes epilépticas, avaliação de coma, morte encefálica, intoxicações, encefalites, síndromes demenciais, crises não epilépticas e distúrbios metabólicos.
 
Padrões de atividade eletrográficos podem ser identificados, alterações tipo: os "grafoelementos epileptiformes", "ondas lentas", "atenuação", "depressão" da atividade elétrica ou "atividade periódica" nem sempre indicam patologias distintas. Uma mesma alteração eletroencefalográfica pode indicar diferentes enfermidades, apesar da regularidade de associação de alguns sinais, como por exemplo os que indicam as alterações de consciência do "[[coma]]" <ref>PINTO, Junior, Luciano R. Eletroencefalogramas básicos. SP, Roca, 1990</ref>