Abrir menu principal

Alterações

56 bytes removidos ,  13h50min de 15 de agosto de 2016
Ajustes parâmetros obseletos, typos fixed: obtem → obtêm utilizando AWB
As culturas [[Pré-história|pré-históricas]] que se estabeleceram em terras búlgaras incluem a cultura [[Neolítico|neolítica]] de [[Hamangia]] e a [[cultura de Vinca]] (5º a 3º milênio a.C.), a [[cultura de Varna]], no final do Neolítico (5 º milênio a.C.) e a [[cultura de Ezer]] da [[Idade do Bronze]]. A [[cronologia Karanovo]] serve como um indicador da pré-história dos [[Balcãs]].
 
Os [[trácios]], um dos três principais grupos ancestrais dos búlgaros modernos, divididos em várias tribos viveram até {{AC|500|nl}}, quando o rei {{Lknb|Teres|I}} uniu a maioria deles no [[Reino Odrísio]]. Foram conquistados por [[Alexandre, o Grande]] e mais tarde pelos [[Roma Antiga|romanos]]. Depois de emigrar de sua pátria original, alguns grupos [[Eslavos meridionais|eslavos do sul]] ocuparam o território da Bulgária moderna, no {{séc|VI}} e se misturaram com os trácios [[Romanização|romanizados]]. Finalmente, a elite dos búlgaros juntou todos eles no Primeiro Império Búlgaro.<ref name=EB1911>{{citacitar web|url= http://www.britannica.com/EBchecked/topic/84090/Bulgaria/129471/History|título= History of Bulgaria|fechaaccesoacessodata= 13 de janeiro de 2011|fechadata= 2010|obra= [[Encyclopædia Britannica]]|idioma= inglês}}</ref> No {{séc|IX}}, os búlgaros e [[eslavos]] também foram mesclados.<ref name="Bulgaria">{{citacitar web|url= http://www.britannica.com/EBchecked/topic/84090/Bulgaria|título= Bulgaria|fechaaccesoacessodata= 12 de janeiro de 2011|fechadata= 2010|obra= Encyclopædia Britannica|idioma= inglês}}</ref>
== Império Búlgaro ==
O Império Búlgaro ({{lang-bg|Българско царство||''Balgarsko tsarstvo''}} {{IPA|[ˈbɤl.gɐr.skʊ ˈʦar.stvʊ]}}) é um termo usado para descrever dois períodos na história [[Idade Média|medieval]] da Bulgária, durante os quais ela agiu como uma potência regional na [[Europa]] em geral e no [[Bálcãs|sudeste europeu]] em particular. Os dois "impérios búlgaros" não são tratadas como entidades separadas, mas sim como um estado restabelecido após o período de domínio do estado bizantino sobre seu território.<!-- trazido de [[Império Búlgaro]] (http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Imp%C3%A9rio_B%C3%BAlgaro&oldid=29503560) -->
Os sucessores de Asparuque fortaleceram o Estado búlgaro: [[Tervel da Bulgária|Tervel]] {{nwrap|r.|700/701|718/721}}, firmou limites e estabeleceu a Bulgária como uma grande potência militar depois de derrotar um exército árabe de {{fmtn|26000}} homens em 717, eliminando assim a ameaça de invasão em larga escala pelos países árabes para a [[Europa Central]] e [[Europa Oriental|Oriental]].<ref>{{Cita Harvard|Teófanes|1883|pp= 397, 25–30}}</ref>
 
No início do {{séc|IX}}, durante o reinado de [[Crum da Bulgária|cã Crum]], o Império Búlgaro chegou a estender-se a parte da [[Panónia]] e [[Transilvânia]]. Crum {{nwrap|r.|802|814}},<ref>{{Cita Harvard|Runciman|1930|p= 52}}</ref> duplicou o território do país, assassinando o imperador {{Lknb|Nicéforo|I, o Logóteta}} na [[Batalha de Plisca]]<ref name = Theophanes>{{Cita Harvard|Teófanes|1883|loc= cap. 61}}</ref> e introduziu o primeiro código civil escrito, válido aos eslavos e búlgaros. Os búlgaros [[cristianização da Bulgária|abraçaram o cristianismo]] de [[rito bizantino]], após a conversão de {{Lknb|Bóris|I|da Bulgária}} {{nwrap|r.|852|889}}.
 
Em 864, Boris&nbsp;I aboliu o [[tengriismo]], substituindo-o pelo [[Igreja Ortodoxa|cristianismo ortodoxo oriental]],<ref>Georgius Monachus Continuants. ''Chronicon'', ''Corpus Scriptorum Historiae Byzantinorum'', [[Bona]], 1828—97</ref> e introduziu o [[alfabeto cirílico]], desenvolvido na [[Escola Literária de Preslav]] e na [[Escola Literária de Ácrida|de Ócrida]].<!-- ref name="Paul Cubberley 1996"/ --> O alfabeto cirílico, junto com a antiga [[língua búlgara]], constituíram a principal linguagem escrita da Europa Oriental (''[[lingua franca]]''), a linguagem é atualmente conhecido como [[antigo eslavo eclesiástico]]. Assim, a adoção da nova fé também envolveu o uso do eslavo como língua da liturgia e da administração. A [[cristianização da Bulgária|cristianização]] e a eslavização deram ao Império Búlgaro uma área de grande influência. O Estado atingiu o seu apogeu político e cultural de sua história<ref>{{Cita Harvard|Fine|1991|pp= 144-148}}</ref> com o reinado de {{Lknb|Simão|I|da Bulgária}} {{nwrap|r.|893|927}}, cujo plano, que esteve perto de ser realizado, era unir sob seu domínio as monarquias búlgaras e bizantinas. Simeão foi o primeiro monarca a adotar o título de [[tsar búlgaro]] (derivado do título romano ''caesar'', [[César (título)|césar]]).
 
Simeão foi capaz de ganhar a supremacia militar sobre o Império Bizantino na [[Batalha de Bulgarófigo]] e, finalmente, na [[Batalha de Anquíalo (917)|Batalha de Anquíalo]], uma das batalhas mais sangrentas da [[Idade Média]],<ref name=Dimitrov1>{{citacitar librolivro|apellidossobrenome= Bojidar|nombrenome= Dimitrov|título= Bulgaria Illustrated History|idioma= inglês|editorialeditora= Boriana Publishing House|añoano= 2002|isbn= 9545000449}}</ref> e uma das suas vitórias mais decisivas. Seu reinado viu também o desenvolvimento de uma cultura eslava cristã rica e única, que se tornou um exemplo para outros povos eslavos da Europa Oriental e também incentivou a continuação da existência da nação búlgara, apesar das forças que a ameaçavam.
 
[[Imagem:Map Byzantine Empire 1045-pt.svg|thumb|upright=1.2|Divisão administrativa do [[Império Bizantino]] c. 1045]]
 
Após a morte de Simeão, o declínio da autoridade real, lutas de sucessão dinásticas e ataques externos de povos como os [[croatas]], [[sérvios]], [[húngaros]] e [[pechenegues]], e a propagação da religião dos [[bogomilos]].<ref>{{citacitar web|url= http://www.britannica.com/EBchecked/topic/84090/Bulgaria/42725/The-spread-of-Christianity|título= The spread of Christianity|fechaaccesoacessodata= 13 de janeiro de 2011|fechadata= 2010|obra= Encyclopædia Britannica|idioma= inglês}}</ref><ref>{{Cita Harvard|Browning|1975|pp= 194 y 195}}</ref> foram minando o Estado búlgaro, levando a sucessivas invasões, [[Invasão da Bulgária por Sviatoslav|primeiro por]] parte do [[Principado de Kiev]] e, em seguida, do [[Império Bizantino]], que terminou com a captura da capital, [[Preslav]], pelo [[exército bizantino]].<ref>{{citacitar web|url= http://oldru.narod.ru/biblio/ldt6_10.htm|título= Лев Диакон. История|fechaaccesoacessodata= 13 de janeiro de 2011|fechadata= 2008|obra= Narod.ru|autor= Leo Diaconus|idioma= russo}}</ref> No mandato de [[Samuel da Bulgária|Samuel]], a Bulgária recuperou alguns destes ataques e conseguiu vencer a [[Sérvia]], [[Bósnia (região)|Bósnia]]<ref>{{Cita Harvard|Шишић|1928|p= 331}}</ref> e [[Dóclea]],<ref>{{citacitar web|url= http://www.vostlit.info/Texts/rus6/Dukljanin/frametext.htm|título= ЛЕТОПИСЬ ПОПА ДУКЛЯНИНА|fechaaccesoacessodata= 13 de janeiro de 2011|fechadata= 2003|obra= Vostlit.info|idioma= russo}}</ref> mas essa sequência de vitórias terminou em [[1014]], quando o Estado Búlgaro foi conquistado pelo imperador {{Lknb|Basílio|II Bulgaróctone}} na [[Batalha de Clídio]].<ref name="Skylitzes">{{Cita Harvard|Scylitzae|1973|p= 457}}</ref> Samuel morreu pouco depois da batalha, em 15 de outubro de 1014,<ref name="Skylitzes"/> e em 1018 o [[Conquista bizantina da Bulgária|Império Bizantino conquistou completamente]] o Primeiro Império Búlgaro. A Bulgária manteve-se sob a autoridade de [[Constantinopla]] durante quase dois séculos, entre 1018 e 1185.
 
=== Segundo Império Búlgaro ===
== Domínio otomano ==
{{Artigo principal|Bulgária otomana}}
A partir do {{séc|XIV}} até ao {{séc|XVIII}}, a Bulgária não existia como um Estado soberano. Com isso, os otomanos finalmente a subjugaram e a ocuparam.<ref>{{citacitar librolivro|autor= Lord Kinross|título= The Ottoman Centuries|idioma= inglês|editorialeditora= Morrow Quill|añoano= 1979}}</ref><ref name = "xixcnf">{{citacitar librolivro|apellidossobrenome= Crampton|nombrenome= R. J.|título= A Concise History of Bulgaria|idioma= inglês|añoano= 1997|editorialeditora= Cambridge University Press|isbn= 0-521-567-19-X}}</ref><ref name = "xouksi">{{citacitar librolivro|apellidossobrenome= Hupchick|nombrenome= Dennis P.|título= The Balkans: From Constantinople to Communism|añoano= 2002|idioma= inglês|editorialeditora= Palgrave Macmillan|isbn= 9780312217365}}</ref> Durante seu domínio, a população búlgara sofria muito com a opressão, a intolerância e a má governação.<ref>{{Cita Harvard|Schurman|2005|p= 140}}</ref> A nobreza foi eliminada e os camponeses explorados pelos otomanos,<ref name="Bulgaria"/> enquanto os búlgaros não tinham a igualdade jurídica com os otomanos muçulmanos e pagavam impostos mais altos do que eles.<ref>{{citacitar librolivro|apellidossobrenome= Crampton|nombrenome= R. J.|capítulo= Bulgaria 1878–1918|idioma= inglês|volumenvolume= 2|título= East European Monographs|añoano= 1983|isbn= 0880330295}}</ref> A cultura búlgara foi isolada da Europa, as suas realizações foram destruídas e os clérigos educados fugiram para outros países.<ref>{{Cita Harvard|Jiriček|2008}}</ref> Ao longo dos quase cinco séculos de domínio otomano, o povo búlgaro respondeu à opressão, reforçando a tradição do [[Haiduk]] ("[[bandoleirismo]]"),<ref name="Bulgaria"/> e tentou restaurar o seu Estado a organizar várias revoltas, destacando duas revoltas em Tarnovo (1598 e 1686) e a rebelião de Karposh (1689).
 
[[Imagem:Chelebowski varna.jpg|thumb|upright=1.1|esquerda|''[[Batalha de Varna]]'', por Stanislav Chelebowski.]]
Em 1393, pela vontade do sultão dos turcos, o patriarcado da [[Igreja da Bulgária]] foi removido e enviado diretamente ao [[Patriarcado Ecumênico de Constantinopla|Patriarca de Constantinopla]], o que levou a Igreja da Bulgária a helenizar e deixar seus ritos eslavos. A aristocracia búlgara que sobreviveu à conquista foi deportada para a [[Anatólia]] ou convertida ao [[Islã]]. No entanto, a maioria dos camponeses búlgaros manteve a sua religião cristã ortodoxa, exceto no sudoeste, onde se concentra uma minoria de muçulmanos convertidos, os [[Búlgaros muçulmanos|Pomacos]]. Os turcos foram instalados com a administração nas principais cidades do país. Os otomanos converteram a Bulgária no ''beyerlik Rumili'' governado por um {{ilink condicional|Beylerbey||[[Bei|Beylerbey]]}} residente em [[Sófia]]. Este território, que incluiu [[Mésia]], [[Trácia]] e a [[Macedônia (região)|Macedônia]], foi dividido em várias ''[[sandjak]]s'', cada um dos quais foi governado por um ''[[sanjakbey]]'', dependentes do ''Beylerbey''. Uma parte importante dos territórios conquistados foi distribuído para os adeptos do sultão, que fundaram feudos diretamente a ele subordinados.
 
A partir da segunda metade do {{séc|XVIII}}, a Rússia esteve ativamente envolvida nos [[Bálcãs]], pressionando o [[Império Otomano]] nas suas fronteiras, quebrando o isolamento dos búlgaros. Durante a guerra de 1768, os russos cruzaram a [[Moldávia]] e a [[Valáquia]] e invadiram a Bulgária, onde em [[Chumla]] obtemobtêm vitória militar, forçando os turcos a pedirem pela paz. O [[Tratado de Küçük Kaynarca]] concedia à Rússia a proteção dos cristãos ortodoxos do Império Otomano, o que se tornou uma desculpa para a intervenção futura da Rússia nos Balcãs. Em 1829, a [[Guerra de independência da Grécia|revolta dos gregos]] levaram os russos a ocupar grande parte da Bulgária e conquistar ''Adrianópolis'' (atual [[Edirne]]). O tratado de paz permitiu aos russos estabelecer um protetorado sobre a Moldávia e a Valáquia. No entanto, os búlgaros permaneceram sob o domínio otomano, apesar da invasão russa promover o despertar do nacionalismo nos Bálcãs.
 
Durante esse tempo, a [[burguesia]] búlgara, que consistia principalmente de comerciantes e artesãos, abriu as primeiras escolas e publicou os primeiros livros em língua búlgara. Sob pressão popular, a Igreja recuperou a liturgia eslava, e contra a vontade do patriarca de Constantinopla, o [[sultão]] otomano, em 1870, aceitou a criação de um [[Patriarcado da Bulgária]] independente. Apesar dessas concessões, as tensões nacionalistas continuaram a crescer: a chegada de muitos refugiados muçulmanos dos territórios conquistados pela Rússia ([[tártaros da Crimeia]] e [[circassianos]] do [[Cáucaso]]), levou a um descontentamento crescente, com os nacionalistas búlgaros começando a se organizar em [[Bucareste]].
{{Artigo principal|Guerras dos Balcãs}}
[[Imagem:Balkan Wars Boundaries.jpg|thumb|upright=1.2|Mudanças de fronteiras durante as guerras balcânicas.]]
Em 1911, o primeiro-ministro nacionalista [[Ivan Geshov]] formou uma aliança com a Grécia e a Sérvia, em conjunto, para atacar os otomanos. Em fevereiro de 1912, um tratado secreto foi assinado entre a Bulgária e a Sérvia e maio de 1912&nbsp;um tratado semelhante com a Grécia. [[Montenegro]] também foi trazido para o pacto. Os tratados previam a divisão da [[Macedônia (região)|Macedônia]] e da [[Trácia]] entre os [[Liga Balcânica|aliados]], embora as linhas de partição ficaram perigosamente vagas.
 
Depois de os otomanos se recusarem a implementar reformas nas áreas disputadas, a [[Primeira Guerra Balcânica]] eclodiu em outubro de 1912, em um momento em que os otomanos estavam presos em uma [[guerra Ítalo-Turca|grande guerra com a Itália]]. Os aliados na [[Líbia]] derrotaram facilmente os otomanos e apreenderam todo seu território europeu.<ref>Pundeff, 1992 pp 70-72</ref> A cidade de ''Adrianópolis'' (atual [[Edirne]]), caiu em março de 1913 e o [[Império Otomano]] se rendeu. Pelo [[Tratado de Londres (1913)|Tratado de Londres]] (30 de maio de 1913), os turcos deixaram quase todos os territórios europeus a oeste de Adrianópolis.
O [[atentado de Sarajevo|assassinato]] do arquiduque [[Francisco Fernando da Áustria-Hungria|Francisco Ferdinando]], em [[Sarajevo]], em 1914, provocou a ruptura nas relações entre a Áustria-Hungria e a Sérvia e pôs em marcha as alianças diplomáticas e militares que tinham sido feitas em décadas anteriores entre as [[Impérios Centrais|Potências Centrais]] da Áustria-Hungria e da Alemanha e seus aliados contra a [[Tríplice Aliança (1882)|Tríplice Aliança]], da França, Grã-Bretanha e Rússia e seus aliados.
 
A Bulgária ficou de fora do primeiro ano da [[Primeira Guerra Mundial]] se recuperando da guerra dos Balcãs. A Alemanha e Áustria perceberam que precisavam ajudar a Bulgária, a fim de derrotar militarmente a Sérvia e, assim, abrir linhas de abastecimento da Alemanha para a Turquia, e reforçar a [[Frente Oriental (Primeira Guerra Mundial)|Frente Oriental]] contra a Rússia. A Bulgária insistiu em grandes ganhos territoriais, especialmente na Macedônia, que a Áustria relutou em conceder até que [[Berlim]] insistiu.
 
[[Imagem:BulgariaComienzosSigloXX.svg|thumb|upright=1.2|Evolução territorial da Bulgária da independência até o final da Primeira Guerra Mundial.]]
 
[[File:Flags of Nato, Bulgaria, European Union - Military club, Plovdiv, Bulgaria.JPG|thumb|Bandeiras da OTAN, da Bulgária e da União Europeia, lado a lado antes do Clube Militar [[Plovdiv]], Bulgária: símbolo de um múltiplo juntar as alianças europeias.]]
Em junho de 1990, realizaram-se as primeiras eleições livres, vencida pela ala moderada do Partido Comunista (o [[Partido Socialista Búlgaro]], BSP). Em julho de 1991, aprovou-se uma nova constituição, que reduziu os poderes presidenciais e permitiu que o primeiro-ministro ficasse sob a supervisão da assembleia legislativa. A [[economia planificada]] foi descartada e o [[setor privado]] foi legalizado. O novo sistema não pôde melhorar a qualidade de vida e acelerar o crescimento econômico, de fato, na década de 2000, a qualidade média de vida e desempenho econômico manteve-se menor em relação aos tempos do [[comunismo]].<ref>{{citacitar web|url= http://bg.mondediplo.com/article181.html|título= Разрушителният български преход|fechaaccesoacessodata= 13 de janeiro de 2011|fechadata= 2007|obra= Monde Diplo.com|autor= Vassil Prodanov|idioma= búlgaro}}</ref> Um pacote de reformas introduzidas em 1997, restaurou o crescimento econômico, mas levou a um aumento da [[desigualdade social]]. A Bulgária se tornou membro da [[Organização do Tratado do Atlântico Norte]] em 2004 e da [[União Europeia]] em 2007.
 
== Ver também ==
==Bibliografia==
{{Refbegin}}
*{{citacitar librolivro|apellidossobrenome=Zlatarski|nombrenome=Vasil N.|enlaceautorautorlink=Vasil Zlatarski|título=Medieval History of the Bulgarian State|editorialeditora=Science and Arts Publishers, 2nd Edition (Petar Petrov, Ed.), Zahari Stoyanov Publishers, 4th Edition, 2006|añoano=1918|ubicaciónlocal=Sofia|idioma=búlgaro|isbn=9547366284}}
*{{citacitar librolivro|apellidossobrenome=Бакалов|nombrenome=Георги|coautores=Милен Куманов|título=Електронна издание&nbsp;– История на България|editorialeditora=Труд, Сирма|añoano=2003|ubicaciónlocal=София|id=|isbn=9844830679|idioma=búlgaro}}
*{{citacitar librolivro|título=История и цивилизация за 11. клас|apellidossobrenome=Делев|nombrenome=Петър|coautores=Валери Кацунов, Пламен Митев, Евгения Калинова, Искра Баева, Боян Добрев|añoano=2006|idioma=búlgaro|editorialeditora=Труд, Сирма}}
*{{citacitar librolivro|url=http://www.mfa.government.bg/history_of_Bulgaria/|título=Българите и България|editorialeditora=Министерство на външните работи на България, Труд, Сирма|añoano=2005|idioma=búlgaro}}
{{Refend}}
 
== Ligações externas ==
* [[Wikisource:en:Essential History of Bulgaria in Seven Pages|Essential History of Bulgaria in Seven Pages]] {{en}}.
 
 
{{Bulgária/Tópicos}}