Abrir menu principal

Alterações

5 bytes removidos, 05h26min de 18 de agosto de 2016
Além da família Miloslavski, outros dois elementos ficaram insatisfeitos com a ascensão de Pedro e proeminência de Matveiev: a czarevna [[Sofia Alexeievna da Rússia]] e os [[Streltsy|Streltsi]]. Sofia era uma das filhas de Aleixo e Maria Miloslavskaia, sendo uma mulher inteligente e ambiciosa que surpreendentemente tinha conseguido certa proeminência política durante o reinado de Teodoro e temia perder sua influência sob Pedro com os Naryshkin no poder, defendendo os interesses de Ivan.<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=41–43}} </ref> Já os Streltsi eram um exército profissional criado por [[Ivã IV da Rússia|Ivan IV]] no século XVI para defender o governo, formado por "russos que viviam à moda antiga [...] detestavam inovações e se opunham a reformas. [...] Ignoravam a política, mas, quando acreditavam que o país estava se desviando dos caminhos tradicionais, convenciam-se facilmente de que sua interferência nos assuntos de Estado era necessária".<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=44–45}} </ref> Eles acreditavam que os Naryshkin tinham matado Teodoro e forçado o afastamento de Ivan, algo que permitiria a chegada de estrangeiros no poder e o fim dos valores antigos, além da punição deles próprios.<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=46}} </ref>
 
Ivan Miloslavski, Sofia e outros começaram a provocar os Streltsi para criar instabilidade.<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=48}} </ref> A revolta estourou em 25 de maio quando dois apoiadores da czarevna espalharam a notícia falsa de que Ivan tinha sido morto pelos Naryshkin, explodindo a fúria dos Streltsi que partiram para o Kremlin com a intenção de matar a família da czarina. O governo foi pego de surpresa e não teve tempo de reação antes da força revoltosa chegar na frente do [[Palácio das Facetas]].<ref> {{harvnb|Massie|2015|pp=49–50}} </ref> Natália apareceu pouco depois no alto das escadas segurando as mãos de Ivan e Pedro para acalmar a agitação; ela tremia assustada, porém o jovem czar mais jovem permaneceu calmo e não demonstrou medo.<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=51}} </ref> Logo em seguida apareceram Matveiev e o patriarca Joaquim, que conversaram com a multidão calma e compreensivamente dizendo que eles tinham sido enganados e não havia motivo de preocupações. Os ânimos pareceram esfriar e os dois homens voltaram para dentro, porém o príncipe Miguel Dolguruki, filho do comandante dos Streltsi, tinha ficado furioso com o incidente e repreendeu asperamente os homens do alto da escada. Isso inflamou o exército novamente e eles partiram escada acima para atacar.<ref> {{harvnb|Massie|2015|pp=52–53}} </ref>
 
Os Streltsi primeiro pegaram Dolguruki, que foi esquartejado ali mesmo. Em seguida eles entraram no palácio e pegaram Matveiev, arrastando-o para fora na frente de Pedro e Ivan até ser morto pela turba mesmo com as tentativas de Natália de impedir a violência.<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=53}}; {{harvnb|Riasanovsky|2000|p=214}} </ref> Pelo resto do dia e nos dois dias seguintes, o exército tomou o palácio e matou boiardos e membros da família da czarina, incluindo seu irmão Afanásio, porém não foram capazes de encontrar seu objetivo principal: Ivan Naryshkin, irmão de Natália que havia falado mal dos Miloslavski, era alvo de rumores de que teria maltratado Sofia e envenenado Teodoro, e que ao longo da confusão tinha conseguido se esconder.<ref> {{harvnb|Massie|2015|pp=54–55}} </ref> Durante todo esse tempo, Pedro permaneceu intocado isolado em um quarto.<ref> {{harvnb|Massie|2015|p=54}} </ref> Ao final do terceiro dia, os Streltsi exigiram a entrega de Ivan Naryshkin ou mais boiardos morreriam, com Natália sendo forçada a ceder e entregar o irmão, que foi torturado e amputado até finalmente ser morto.<ref> {{harvnb|Massie|2015|pp=55–56}} </ref>