Diferenças entre edições de "Arquitetura maia"

24 bytes adicionados ,  01h05min de 25 de agosto de 2016
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 189.40.68.121, com Reversão e avisos.)
[[Ficheiro:Temples of the Cross Group.jpg|thumbnail|esquerda|[[Imagem 3D]] do grupo de [[templo]]s de [[Palenque]] ao qual se integra o Templo da Cruz]]
 
Parece haver um certo aspecto repetitivo quanto aos vãos das construções nos quais os arcos (como curvas) são raros, mas frequentemente retos, angulados ou imbricados, tentando mais reproduzir a aparência de uma cabana maia, do que efetivamente incrementar o espaço interior. Como eram necessárias grossas paredes para sustentar o teto, alguns edifícios das épocas mais posteriores utilizaram arcos repetidos ou uma abóbada arqueada para construir o que os maias denominavam ''pinbal'', ou saunas, como a do Templo da Cruz em [[Palenque]]. Ainda que completadas as estruturas, a elas iam-se anexando extensos trabalhos de relevo ou pelo menos reboco para aplainar quaisquer imperfeições. Muitas vezes sob tais rebocos foram encontrados outros trabalhos de (era muito bem pensado) entalhes e dintéis e até mesmo pedras de fachadas. Comumente a decoração com faixas de relevos era feita em redor de toda a estrutura, provendo uma grande variedade de obras de arte relativas aos habitantes ou ao propósito do edifício. Nos interiores, e notadamente em certo período, foi comum o uso de revestimentos em reboco primorosamente pintados com cenas do uso cotidiano ou cerimonial<ref name="Arte e Arquitetura Maia"/>.
 
Há sugestão de que as reconstruções e remodelações ocorriam em virtude do encerramento de um ciclo completo do calendário maia de conta larga, de 52 anos. Atualmente, pensa-se que as reconstruções eram mais instigadas por razões políticas do que pelo encerramento do ciclo do calendário, já que teria havido coincidência com a data da assunção de novos governantes.
Utilizador anónimo