Abrir menu principal

Alterações

115 bytes removidos, 22h57min de 31 de agosto de 2016
m
Foram revertidas as edições de 168.121.224.201 para a última revisão de 189.105.163.17, de 02h41min de 13 de julho de 2016 (UTC)
== Prisão e morte ==
Com 22 anos, depois de regressar de uma viagem à França feita para estreitar contatos com a [[IV_Internacional|IV Internacional]], foi preso sem acusações dos órgãos repressivos na casa de sua mãe, em Santos, no dia 15 de julho de 1971. Levado para o [[DOI-CODI]] de São Paulo, na Rua Tutóia, foi, conforme o livro Direito à Memória e à Verdade, editado pela Comissão Especial de Mortos e
Desaparecidos do Ministério da Justiça, “torturado por cerca de 24 horas ininterruptas e abandonado sem tratamento médico numa solitária, a chamada ‘cela-forte’, ou ‘x-zero’ “ (Brasília, 2007, pp. 169-170).
 
P.s * Ler também o livro : " A VERDADE SUFOCADA" de Carlos A. B Ustra e saiba a outra versão da estória .
 
De acordo com presos políticos companheiros que viram seu estado após as torturas, como Eleonora de Oliveira Soares, Ricardo Prata Soares, Lauriberto Junqueira Filho e principalmente Guido Rocha, que esteve com ele na cela, Merlino sofreu fortes lesões e gangrena generalizada. Depois de ter seu estado agravado, foi levado ao Hospital Geral do Exército, onde veio a morrer em 19 de Julho de 1971.
109 614

edições