Abrir menu principal

Alterações

6 527 bytes adicionados, 19h36min de 20 de setembro de 2016
sem resumo de edição
| imagem = RIAN archive 5634 Antiaircrafters guarding the sky of Leningrad.jpg
| descr = Duas [[Defesa antiaérea|armas antiaéreas]] soviéticas perto da [[Catedral de Santo Isaac]], no [[Centro Histórico de São Petersburgo e Conjuntos Monumentais Relacionados|Centro de Leninegrado]]
| conflito = [[Frente Oriental (Segunda Guerra Mundial)|Frente Oriental]], [[Segunda Guerra Mundial]]
|data= [[8 de Setembro]] de [[1941]] - [[27 de Janeiro]] de [[1944]]
| local = [[Leninegrado]], na [[URSS]]
| campanha =
}}
 
<!-- ARTIGO -->
O {{PEPB|Cerco a Leninegrado|Cerco a Leningrado}} (em [[Língua russa|russo]]: блокада Ленинграда, ''Blokada Leningrada'') foi um [[cerco|cerco militar]] à então cidade de [[Leningrado]] (atualmente, [[São Petersburgo]]), na então [[União Soviética]] (atualmente, [[Rússia]]), pelas tropas da [[Alemanha Nazista]], [[Itália]] e [[Finlândia]] durante a [[Segunda Guerra Mundial]]. Durou cerca de 900 dias, de [[8 de Setembro]] de [[1941]] a [[27 de Janeiro]] de [[1944]].<ref name="gov.spb.ru">''Site'' do governo de [[São Petersburgo]], ''Сопротивление города. "Дорога Жизни". Художественные сокровища города во время блокады. Пискаревское кладбище.'' [http://gov.spb.ru/history/spb_XX/spb_blockade <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref><ref name="saint-petersburg">Site ''www.saint-petersburg.com'' (de uma companhia privada de turismo), ''The 900-day Siege of Leningrad'' [http://www.saint-petersburg.com/history/siege.asp <nowiki>[em linha]</nowiki>]</ref>
 
[[Ficheiro:RIAN archive 324 In besieged Leningrad.jpg|300px|thumb|Uma rua de Leningrado em 1942.]]
== Ofensiva alemã ==
A conquista de Leningrado era um dos três objetivos estratégicos para a [[Operação Barbarossa]] e o principal alvo do [[Wehrmacht|exército alemão]] do norte. A justificativa estratégica para o ataque a Leningrado era basicamente político, como era a ex capital da [[Rússia]] e um dos berços da [[Revolução Russa de 1917|Revolução Comunista]]. Havia também uma importância militar, já que a cidade era a base para a [[Frota do Báltico]] [[União Soviética|soviética]] e um grande centro industrial.<ref>Carell, Paul (1963), ''Unternehmen Barbarossa — Der Marsch nach Russland''</ref> Em 1939, Leningrado era responsável por 11% de toda a produção industrial soviética.<ref>[http://www.britannica.com/EBchecked/topic/518092/Saint-Petersburg Saint Petersburg-The Soviet Period],"Saint Petersburg." Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica Online. Encyclopædia Britannica, 2011. Web. 19 de julho de 2011.</ref>
A [[27 de Junho]] de 1941, o Conselho de disputas dos trabalhadores de Leningrado decidiu mobilizar milhões de pessoas para a construção de fortificações. Várias defesas foram construídas. Uma das fortificações percorria desde o [[rio Luga]] até [[Chudovo]], [[Gatchina]], [[Uritsk]], [[Pulkovo]] e depois através do [[rio Neva]]. A outra defesa passava através de [[Petergof]] até Gatchina, Pulkovo, [[Kolpino]] e [[Koltushy]].
 
O marechal [[Wilhelm Ritter von Leeb]] lideraria as forças alemãs no ataque ao norte. A [[Luftwaffe|força aérea alemã]] iniciou então um intenso bombardeio na região.
Uma outra defesa contra os finlandeses foi construída no norte dos arredores de Leninegrado. 190&nbsp;quilômetros de [[barricada]]s de madeira, 700&nbsp;quilômetros de [[trincheira]]s [[antitanque]], 5 mil quilômetros de trincheiras de terra e madeira, instalações de [[ferro]] e [[betão]] e 25 mil quilômetros de trincheiras abertas foram construídas por civis, sendo inclusive o canhão do cruzador ''[[Cruzador russo Aurora|Aurora]]'' montado na montanha de Pulkovo, no sul de Leninegrado. Contudo, quando as forças soviéticas na frente noroeste no fim de Junho foram derrotadas nas Repúblicas Soviéticas do Báltico, a [[Wehrmacht]] tinha forçado a sua passagem por [[Ostrov]] e [[Pskov]].
 
A [[27 de Junho]] de 1941, o Conselho de disputas dos trabalhadores de Leningrado decidiu mobilizar milhões de pessoas para a construção de fortificações. Várias defesas foram construídas. Uma das fortificações percorria desde o [[rio Luga]] até [[Chudovo]], [[Gatchina]], [[Uritsk]], [[Pulkovo]] e depois através do [[rio Neva]]. A outra defesa passava através de [[Petergof]] até Gatchina, Pulkovo, [[Kolpino]] e [[Koltushy]].
A [[10 de Julho]], ambas as cidades foram capturadas e os alemães alcançaram [[Kunda]] e [[Kingisepp]], de onde avançaram para Leninegrado a partir de [[Narva]], da região Luzhski e a partir do sudoeste e também do norte e sul do [[Lago Ilmen]] de modo a isolar Leninegrado do leste e juntar os finlandeses na margem leste do [[Lago Ladoga]]. O [[bombardeamento]] de Leninegrado começou a [[4 de Setembro]]. O bombardeamento a [[8 de Setembro]] causou 178 [[incêndio]]s. No início de Outubro, os alemães recusaram-se a assaltar a cidade e a diretiva de Hitler a [[7 de Outubro]], assinada por [[Alfred Jodl]], foi uma lembrança para não aceitar uma [[capitulação]] por parte dos soviéticos.<ref>Lubbeck, William; Hurt, David B. (2010), At Leningrad's Gates: The Story of a Soldier with Army Group North, Casemate, ISBN 1-935149-37-7</ref>
 
Uma outra defesa contra os finlandeses foi construída no norte dos arredores de Leninegrado. 190&nbsp;quilômetros de [[barricada]]s de madeira, 700&nbsp;quilômetros de [[trincheira]]s [[antitanque]], 5 mil quilômetros de trincheiras de terra e madeira, instalações de [[ferro]] e [[betão]] e 25 mil quilômetros de trincheiras abertas foram construídas por civis, sendo inclusive o canhão do cruzador ''[[Cruzador russo Aurora|Aurora]]'' montado na montanha de Pulkovo, no sul de Leninegrado. Contudo, quando as forças soviéticas na frente noroeste no fim de Junho foram derrotadas nas Repúblicas Soviéticas do Báltico, a [[Wehrmacht]] tinha forçado a sua passagem por [[Ostrov]] e [[Pskov]]. A [[10 de Julho]], ambas as cidades foram capturadas e os alemães alcançaram [[Kunda]] e [[Kingisepp]], de onde avançaram para Leninegrado a partir de [[Narva]], da região Luzhski e a partir do sudoeste e também do norte e sul do [[Lago Ilmen]] de modo a isolar Leninegrado do leste e juntar os finlandeses na margem leste do [[Lago Ladoga]]. O [[bombardeamento]] de Leninegrado começou a [[4 de Setembro]]. O bombardeamento a [[8 de Setembro]] causou 178 [[incêndio]]s. No início de Outubro, os alemães recusaram-se a assaltar a cidade e a diretiva de Hitler a [[7 de Outubro]], assinada por [[Alfred Jodl]], foi uma lembrança para não aceitar uma [[capitulação]] por parte dos soviéticos.<ref>Lubbeck, William; Hurt, David B. (2010), At Leningrad's Gates: The Story of a Soldier with Army Group North, Casemate, ISBN 1-935149-37-7</ref>
 
== Ofensiva finlandesa ==
 
== Mantimentos ==
[[Ficheiro:RIAN archive 324 In besieged Leningrad.jpg|300px250px|thumb|Uma rua de Leningrado em 1942.]]
=== Comida ===
A [[2 de Setembro]], as rações foram reduzidas: os trabalhadores tinham 600 gramas de pão por dia, crianças e dependentes 400 gramas. Um grande número de milho, farinha e açúcar foi eliminado a 8 de Setembro devido a falha de medidas de defesa aérea. Contudo, durante vários dias depois de o cerco começar, era possível comer em alguns restaurantes "comerciais" que utilizavam 10% de toda a carne que a cidade consumia. A [[12 de Setembro]] de 1942 foi calculado que as provisões para ambos os exército e civis eram as seguintes:
* Gorduras - para 45 dias;
* Açúcar - para 60 dias;
[[Ficheiro:RIAN archive 216 The Volkovo cemetery.jpg|250px|miniaturadaimagem|Civis soviéticos se livrando dos corpos dos falecidos durante o cerco.]]
Ao mesmo tempo, uma nova redução nas rações teve lugar: os trabalhadores recebiam 500 gramas de pão, os empregados e crianças 300 gramas e os dependentes 250 gramas. A distribuição de [[carne]] foi diminuída mas a distribuição do açúcar e das gorduras foi aumentada. O exército e a Frota do Báltico tinham algumas rações de emergência mas não eram suficientes. A frota de Ladoga estava mal equipada e tinha sido bombardeada pela aviação alemã. Várias barcas com milho foram afundadas em Setembro. Contudo, uma parte significativa foi, mais tarde, recuperada por [[mergulhador]]es. Este milho foi, depois, utilizado na fabricação de [[pão]]. A [[aveia]] para os cavalos foi também utilizada, enquanto que os cavalos foram alimentados com folhas de árvores.
 
Devido à falta do fornecimento de energia, várias fábricas foram fechadas e, em Novembro, já não existia um serviço de [[elétrico]]s. A utilização de energia foi proibida em toda a cidade, exceto no quartel-general soviético, nos comités do distrito, nas bases de defesa aérea, e em algumas outras instituições. Pelo final de Setembro, o fornecimento de óleo e de carvão terminou. A utilização de árvores foi a única opção para energia. A [[8 de Outubro]], o comité executivo de Leninegrado (Ленгорисполком) e o comité executivo regional (облисполком) decidiram começar a cortar as árvores no distrito de Pargolovo e também no distrito de Vsevolzhskiy, no norte da cidade. Por volta de [[24 de Outubro]], apenas 1% do plano de corte de árvores tinha sido executado.<ref>Ganzenmüller, Jörg (2005), Das belagerte Leningrad 1941–1944, Ferdinand Schöningh Verlag, Paderborn, ISBN 3-506-72889-X</ref>
 
== O cerco ==
[[Ficheiro:Bundesarchiv Bild 146-1981-071-07A, Russland, Panzer VI "Tiger I".jpg|miniaturadaimagem|esquerda|Um tanque alemão [[Tiger I]] utilizado pela [[Wehrmacht]] durante o cerco.]]
A 30 de agosto de 1941 a cidade já estava completamente cercada. Leningrado passou a ser bombardeada dia e noite, por artilharia e aviões. O alto comando alemão decidiu que a cidade seria vencida pela fome e cortou todos os acessos por terra. Os soviéticos fizeram poucas tentativas de romper o cerco por dentro, tendo que aguentar intensos bombardeios diários. Ainda assim, os russos não cederam. Através do lago Ladoga, o [[exército vermelho]] conseguiu manter a cidade minimamente suprida, o suficiente para que sua população não morresse. Os russos chamariam este rota de "Estrada da Vida" (''Дорога жизни'').<ref>"[http://the-siege-of-leningrad.com/ St Petersburg – Leningrad in the Second World War]" 9 de maio de 2000. ''The Russian Embassy''.</ref>
 
No geral, o cerco a Leningrado durou cerca de 872 dias e custou a vida de 1,5 milhões de pessoas (a maioria civis). A destruição e o número de fatalidades fez da batalha por Leningrado uma das mais sangrentas já travadas em uma cidade moderna. A fome foi uma das principais causas de mortes. Houve denúncias de que algumas pessoas praticaram canibalismo para sobreviver. O frio do inverno também era cruel. Em 1942, a temperatura chegou a −30 °C. Era comum ver centenas de cadáveres em cada rua e o bombardeio constante impediu os enterros.<ref>Barber, John; Dzeniskevich, Andrei (2005), ''Life and Death in Besieged Leningrad, 1941–44'', Palgrave Macmillan, New York, ISBN 1-4039-0142-2</ref> No final, muitos questionam a persistência de Hitler em continuar cercando a cidade. O general [[Fedor von Bock]], do exército alemão do centro, expressou sua frustração quanto a isso. Ele teria preferido concentrar todas as forças alemãs para capturar Moscou.
[[Ficheiro:RIAN archive 62126 Scouts During Second World War.jpg|miniaturadaimagem|Tropas soviéticas defendendo a cidade.]]
No outono de 1942, os soviéticos iniciaram a [[Ofensiva de Sinyavino]]. A luta, que aconteceu ao sul das regiões vizinhas de Leningrado, foi dura e terminou depois de três meses. Apesar dos russos terem sido detidos, eles conseguiram distrair os alemães, que tiveram de adiar uma grande operação que tinha como objetivo tomar Leningrado de uma vez por todas.<ref>{{cite book | last = Bergström | first = Christer | title = Jagdwaffe: The War in Russia, January–October 1942 | publisher = Classic Publications | year = 2003 | isbn = 1-903223-23-7}}</ref> No começo de 1943, foi a vez da [[operação Iskra]]. Novamente, vindos do sul do [[lago Ladoga]], os soviéticos desta vez foram mais bem sucedidos. Apesar de não terem rompido o cerco, conseguiram amenizar o bloqueio e fizeram passar suprimentos muito necessários.<ref>{{cite book
| last = Исаев (Isayev)
| first = Алексей Валерьевич
| title = Когда внезапности уже не было. История ВОВ, которую мы не знали. (em russo)
| url = http://militera.lib.ru/h/isaev_av6/
| publisher = М. Яуза, Эксмо
| year = 2006
| isbn = 5-699-11949-3
}}</ref>
 
Passaram-se então quase dois anos sem que nenhuma grande operação militar fosse feita por qualquer um dos lados. Leningrado continuava a ser bombardeada e a situação humanitária da população presa na cidade já estava critica. Porém, o [[Batalha de Moscovo|fracasso alemão em capturar Moscou]] e as derrotas no sul [[Batalha de Stalingrado|em Stalingrado]] e em [[Batalha de Kursk|Kursk]] viraram a maré da [[Frente Oriental (Segunda Guerra Mundial)|guerra no leste]] de vez em favor da União Soviética. Os russos então, no começo de 1944, mobilizaram quase 1 milhão de homens (o dobro do número de soldados alemães) e lançaram [[Ofensiva de Leningrado–Novgorod|uma grande ofensiva]] nas regiões dos [[oblast]]s de [[Oblast de Leningrado|Leningrado]], [[Oblast de Novgorod|Novgorod]], [[Oblast de Pskov|Pskov]] e [[Narva]]. Ao final deste combate, 300 mil soldados soviéticos estavam mortos ou feridos (junto com 71 mil alemães que também pereceram). A 27 de janeiro de 1944, as ultimas unidades do [[Wehrmacht|exército alemão]] abandonaram o cerco a Leningrado. Ao fim de março, boa parte das tropas nazistas também já haviam sido expulsas do norte da Rússia.<ref>{{cite book | last = Glantz | first = David M. | title = The Battle for Leningrad 1941-1944 | publisher = Kansas University Press | year = 2002 | isbn = 0-7006-1208-4}}</ref>
 
Enquanto recuavam de Leningrado, os alemães saquearam e queimaram tudo que viam pela frente. No final dos combates, o número de mortes pode ter chegado a um milhão (a maioria civis). Leningrado e as regiões vizinhas estavam em ruínas.<ref>[http://www.encspb.ru/en/article.php?kod=2804035086 Siege of 1941–1944]</ref>
[[Ficheiro:Стелла городу герою Ленинграду.jpg|miniaturadaimagem|100px|Um monumento em Leningrado em honra aos que lutaram e morreram na cidade.]]
{{Referências}}