Diferenças entre edições de "Drauzio Varella"

753 bytes removidos ,  16h53min de 29 de setembro de 2016
→‎Carreira como escritor: O parágrafo retirado contém, além de revelações sobre o enredo, a opinião própria do editor. O narra, de fato, uma história bonita, porém o artigo deve ser mantido neutro, sem sentenças do tipo 'recomendo ler'.
m (Foram revertidas as edições de 179.110.215.93 para a última revisão de Alch Bot, de 09h42min de 11 de julho de 2016 (UTC))
(→‎Carreira como escritor: O parágrafo retirado contém, além de revelações sobre o enredo, a opinião própria do editor. O narra, de fato, uma história bonita, porém o artigo deve ser mantido neutro, sem sentenças do tipo 'recomendo ler'.)
Etiquetas: Editor Visual Remoção considerável de conteúdo
 
== Carreira como escritor ==
Além das campanhas de prevenção, Drauzio Varella também é um premiado escritor, tanto de [[ficção]] para adultos quanto para crianças. Lançado em [[1999]], o livro ''Estação Carandiru'', que conta sobre seu trabalho com os presidiários do [[Casa de Detenção de São Paulo|Carandiru]], virou ''best-seller'' e recebeu o [[Prêmio Jabuti]] na categoria "não-ficção". Em [[2003]], a obra ganhou as telas do cinema num [[Carandiru (filme)|filme]] do diretor [[Hector Babenco]]. Seu outro livro, ''Nas ruas do Brás'', foi agraciado na Feira Internacional do Livro de [[Bolonha]], na [[Itália]] e também na [[Bienal do Livro do Rio de Janeiro]], em [[2001]], na categoria "revelação de autor de literatura infantil". Já ''Florestas do Rio Negro'' foi indicado ao Prêmio Jabuti em [[2002]].
Um trabalho que se destaca na galeria dos ótimos livros publicados é "POR UM FIO", no qual narra vários casos de superação, que fazem refletir sobre o significado da vida e da morte. Quando no último capítulo, cujo título é "MEU IRMÃO", no qual narra de maneira tão intensa e sofrida a doença do seu querido irmão, ANTÔNIO FERNANDO, o leitor fica comovido e cúmplice desta relação de grande amizade e união sincera dos irmãos, que lutaram até o último minuto pela cura, mostrando que persistir e ter fé é o que faz o paciente viver mais, até o dia final que não tem mais jeito, o coração vai parando de bater lentamente. Como dói a última frase do livro! Vale a pena ler para dar valor no que realmente importa na vida.
 
Além das campanhas de prevenção, Drauzio Varella também é um premiado escritor, tanto de [[ficção]] para adultos quanto para crianças. Lançado em [[1999]], o livro ''Estação Carandiru'', que conta sobre seu trabalho com os presidiários do [[Casa de Detenção de São Paulo|Carandiru]], virou ''best-seller'' e recebeu o [[Prêmio Jabuti]] na categoria "não-ficção". Em [[2003]], a obra ganhou as telas do cinema num [[Carandiru (filme)|filme]] do diretor [[Hector Babenco]]. Seu outro livro, ''Nas ruas do Brás'', foi agraciado na Feira Internacional do Livro de [[Bolonha]], na [[Itália]] e também na [[Bienal do Livro do Rio de Janeiro]], em [[2001]], na categoria "revelação de autor de literatura infantil". Já ''Florestas do Rio Negro'' foi indicado ao Prêmio Jabuti em [[2002]].
 
Em 2015 lançou ''Correr - o exercício, a cidade e o desafio da maratona'', também pela Companhia das Letras, onde narra suas diversas experiências em maratonas, modalidade que vem praticando há mais de 20 anos, além de outras estórias divertidas de suas corridas pelo mundo.
Utilizador anónimo