Abrir menu principal

Alterações

30 bytes removidos ,  00h49min de 17 de outubro de 2016
sem resumo de edição
Por volta dàs 22h00min, Lütjens ordenou que o ''Bismarck'' virasse 180° para tentar surpreender os dois cruzadores no encalço. Apesar da embarcação ter sido escondida por uma rajada de chuva, o radar do ''Suffolk'' detectou a manobra, permitindo que o navio escapasse.<ref>{{harvnb|Bercuson & Herwig|2003|p=132}}</ref> Os cruzadores mantiveram a posição durante a noite, mas continuaram a enviar a movimentação dos alemães. O clima ruim terminou na manhã de [[24 de maio]], revelando um céu limpo. Os operadores do hidrofone do ''Prinz Eugen'' detectaram às 5h07min duas embarcações não identificadas aproximando-se da formação a vinte milhas náuticas (37&nbsp;km), relatando "Ruídos de dois navios velozes a turbina à 280°".<ref>{{harvnb|Bercuson & Herwig|2003|pp=133–134}}</ref>
 
====Batalha do Estreito da Dinamarca====
{{Principal|Batalha do Estreito da Dinamarca}}
Vigias alemães avistaram às 5h45min fumaça no horizonte; era o ''Hood'' e o ''Prince of Wales'', comandados pelo vice-almirante Lancelot Holland. Lütjens ordenou postos de combate para as duas tripulações. Às 5h52min, a distância havia diminuído para 26&nbsp;km e o ''Hood'' abriu fogo, seguido um minuto depois pelo ''Prince of Wales''.<ref>{{harvnb|Garzke & Dulin|1985|pp=219–220}}</ref> O ''Hood'' atacou o ''Prinz Eugen'', que os britânicos achavam ser o ''Bismarck'', enquanto o ''Prince of Wales'' disparou contra o ''Bismarck''.{{nota de rodapé|Os britânicos não sabiam que os navios alemães haviam invertido suas posições no Estreito da Dinamarca. Vigias no ''Prince of Wales'' identificaram corretamente os navios, porém não informaram o almirante Holland.<ref>{{harvnb|Zetterling & Tamelander|2009|p=165}}</ref> }} O [[capitão de corveta]] Adalbert Schneider, o primeiro oficial da artilharia abordo do ''Bismarck'', pediu duas vezes por permissão para abrir fogo, porém Lütjens hesitou.<ref>{{harvnb|Zetterling & Tamelander|2009|p=167}}</ref> Lindemann interveio, exclamando "Não vou deixar meu navio ser atingido debaixo do meu traseiro".<ref name=bercuson151 >{{harvnb|Bercuson & Herwig|2003|p=151}}</ref> Ele exigiu a permissão de Lütjens, que cedeu e ordenou o contra-ataque às 5h55min.<ref name=bercuson151 />
 
==Destroços==
===Descoberta por Robert Ballard===
[[Ficheiro:Bismarck-KenMarshall.png|thumb|left|200px|Pintura de Ken Marshall mostrando o robô ''Argo'' explorando os destroços.]]
Os destroços do ''Bismarck'' foram descobertos em 8 de junho de 1989 pelo dr. [[Robert Ballard]], o [[Oceanografia|oceanógrafo]] responsável por encontrar o [[RMS Titanic|RMS ''Titanic'']]. O ''Bismarck'' foi encontrado a aproximadamente 4 791 m de profundidade<ref name=ballard221 >{{harvnb|Ballard|1990|p=221}}</ref> por volta de 650&nbsp;km ao oeste de Brest. O navio atingiu um vulcão submarino adormecido, que se elevava 1&nbsp;km em relação a [[planície abissal]], desencadeando um [[deslizamento de terra]] de 2&nbsp;km. O ''Bismarck'' escorregou pela montanha, parando dois terços abaixo.<ref>{{harvnb|Ballard|1990|p=216}}</ref>