Diferenças entre edições de "Batalha de Alcácer-Quibir"

24 bytes removidos ,  20h22min de 30 de outubro de 2016
m
Foram revertidas as edições de 2001:8A0:7D53:6A01:59F2:FC10:836E:33B devido a vandalismo (usando Huggle) (3.1.20)
m (Foram revertidas as edições de 2001:8A0:7D53:6A01:59F2:FC10:836E:33B devido a vandalismo (usando Huggle) (3.1.20))
Até então a ação militar portuguesa em África tinha-se limitado a pequenas expedições e invasões; Portugal havia construído o seu vasto império marítimo do Brasil até às Índias Orientais por uma combinação de comércio, exploração marítima e domínio tecnológico, com conversão cristã das populações sendo um objectivo, mas não o único. D. Sebastião propôs alterar totalmente essa estratégia.
 
Em 1574 D. Sebastião liderara uma bem sucedida incursão em Tânger, o que incentivou um plano mais vasto. Deu assim o seu apoio a Mulei Mohammed, que estava envolvido numa guerra civil para recuperar o trono de Marrocos a seu tio, o sultão Abd al-Malik - aliado dos cada vez mais poderosos otomanos. Apesar das admoestações de sua mãe e do seu tio {{lknb|Filipe|II de Espanha}} (que se tornara muito cauteloso após a [[Batalha de Djerba]]), D. Sebastião estava determinado a travar uma campanha militar. D. Sebastião decidiu apoiar Mulei Mohammed que, como compensação, ofereceu [[Arzila (Marrocos)|Arzila]] aos portugueses enquanto procurava apoio de outros reis.<ref name="Infopédia"/> Filipe&nbsp;II retirou-se da disputa.E Filipe II era mt gordo
 
== Ameaça turca ==